Cultura e Dignidade Humana LXXXIV – Proposta de Análise Diatópica nos Direitos Humanos

Na procura duma resposta que ultrapasse as limitações da Teoria dos Direitos Humanos como prática hegemónica, e se aprofunda a sua componente emancipatória, Boaventura de sousa Santos avança com uma análise construída a partir da proposta de prática diatópica

Enquanto proposta analítica Sousa Santos parte da definição de globalização como o processo pelo qual determinada condição ou entidade local estende a sua influência a todo o globo e, que ao fazê-lo, desenvolve a capacidade de designar como local outra condição social ou entidade rival. Esta é uma definição que implica formalizar a globalização atual como um processo do domínio do ocidente sobre os processos locais autónomos. Sousa Santos crítica essa abordagem, em que o local é construído a partir da observação de quem está no centro e analisa o processo de subordinação do particular ao geral.

Segundo Sousa, o objeto do que a ciência moderna estuda nessa análise da globalização é o resultado da globalização num local. Um processo em que se cria o domínio de um sobre o outro. Há que inverter essa lógica e partir do local para construir a análise. Essa é a sua proposta no âmbito da sociologia das ausências e sociologia das emergência. Partir da dimensão específica do local. Cada local tem uma dimensão específica, uma forma como é entendido e percebido. Afirmar uma globalidade sobre o local não é mais do que afirma a hegemonia dum outro local sobre esse local.

Por exemplo, afirmar a língua inglesa como uma língua franca, é simultaneamente afirmar a hegemonia dos lugares de enunciação em inglês, sobre os outros lugares, com outras formas de enunciação. Isso apenas a afirma a hegemonia duma forma de pensamento sobre outras formas de pensamento através da enunciação. Dessa forma, os lugares passam a ser pensados a partir de formas de conhecimento hegemónicas e a afirmação de um local reflete-se na afirmação de outros locais e dos lugares dos outros.

A compressão do espaço e do tempo que se associa à globalização deve ser analisado como um processo social que combina situações diferenciadas. Na proposta de análise de Sousa Santos, que parte da sociologia das ausência e da sociologia das emergências, olha para os processos de tensão na modernidade como uma dialética entre as forças de regulação e da emancipação.

As forças de regulação e de emancipação tendem a estabelecer práticas hegemónicas de apropriação do espaço e do tempo, construindo narrativas diferenciadas. Narrativas que usam estruturas e instrumentos simbólicos diferenciados para criar espaços de afirmação. Por exemplo os movimentos migratórios são espaços de afirmação de uma globalização contra-hegemónica ao passo que os fluxos turísticos são processo de afirmação da hegemonia que transforma o espaço e o tempo em mercadorias inseridas na dinâmica do capitalismo hegemónico. Embora possam partilhar os mesmos espaços, por exemplo as ilhas Gregas de Lesbos, as formas como os dois grupos observam e vivem o espaço e o tempo são diferenciadas. Turistas e os camponeses ou moradores agrilhoados a espaços urbanos cercados, vivem de forma diferente e compreendem de forma diferente o espaço-tempo que usam.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.