Cultura e Dignidade Humana LXV – Género e Experiência de Calamidades

Género e experiências de Calamidades

Os Desastres ou Calamidades são campos interessantes de pesquisa, pois é uma área pouco estudada e com poucos trabalhos académicos. Muito menos há trabalhos sobre Género e Calamidades. Uma das coisas que se sabe sobre as calamidades é que, frequentemente, as pessoas morrem mas sabemos muito pouco sobre quem são e em que condições padeceram. Frequentemente, nas calamidades apenas se contabiliza o seu número, e pouco se sabe sobre questões básicas como género ou idade. Frequentemente fazem-se algumas considerações sobre isso, mas não estudos empíricos

Por exemplo, algumas pessaos dizem que as mulheres são mais vulneráveis em situações de calamidade, o que conduz a ideia desta categoria como grupo vulnerável. Outros estudos, que analisam dados numa escala macro relacionam a mortalidade com os níveis de desenvolvimento socio-económico. Por exemplo, em paíse de baixa renda, com uma elevada taxa de mortalidade de populações mais novas, leva a conclusões de que as mulheres são mais vulneráveis. Não as mulheres em sí, mas as mulheres em situação de pobreza. Questões que podem relacionar, de forma errónea a mortalidade e a calamidade.

Os argumentos da biologia e da cultura também podem ser falaciosos. Por exemplo, as mulheres com cabelos longos tem mais dificuldade em nadar, ou os vestidos dificultam a mobilidade, tornando mais lenta a fuga face a tsunamis.

Nestas questões há que entendar as raízes dos problemas. Por exemplo, em situações de cheia, os homens pobres podem ficar a guardar as casas e com isso ficar mais vulneráveis. Assim, ao desempenharem o seu papel social podem morrer. Ou ficar no local de trabalho, com receio de perder o emprego. As construções sociais por vezes dificultam o entendimento dos problemas. Isso verificou-se durante o furacão Katrina, em New Orleans, onde os homens ficaram nas suas casas a proteger a propriedade.

Isso leva-nos á consideração da ideia dos comportamentos de risco que podem ser generalizados. Se os homens assumem mais riscos, serão também eles os mais afetados durante os eventos. No entanto, é ideia comum de que as mulheres e crianças são mais vulneráveis. Então, se as mulheres são mais vulneráveis, após a calamidade, a maioria dos recursos disponibilizados será atribuído às mulheres. Mas o que se faz é não é isso. Da mesma forma de que deveremos pensar, na fase de proteção, que quem será mais afetado para canalizar os recursos de prevenção. Quem o faz são normalmente os homens. A prevenção é vista como uma função técnica. Por isso os homens assumem mais facilmente esse papel, correndo-se com isso o risco de desfocar os grupos alvos essenciais na proteção e socorro.

A construção da ideia da mulher como potencial vitima poderá conduzir a uma focagem na mulheres. E isso tem alguma lógica, mas é necessário analisar com cuidados as raízes do que é a estrutura loval, os potenciais riscos e a formação social.

A calamidade pode também ser vista como uma oportunidade de reconstruir. Infraestruturas, casas. E isso pode ser feito e poderá até resultado numa melhoria global. Contudo, pouco se fala na estrutura social. Na destruição de relações e sociabilidade, de vizinhança. Em situações de calamidade á uma mudança social. Algumas questões podem torna-se mais visíveis. Por exemplo a violência contra as mulheres. Há inúmeros fatores que podem fazer com que a violência se torne mais visível.

As questões sobre calamidade são também oportunidades de mudança social Essa é uma questão que está a ser discutida em cenário de calamidade. A possibilidade de aproveitar a calamidade para melhorar. Será possível produzir uma boa mudança.

São questões que estão em aberto. O que não deixa de ser importnte é reconhecer que em situação da calamidade, as experiencia dos géneros são também diferentes. Entre homens e mulheres, e entre os diferentes grupos sociais.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.