Cultura e Dignidade Humana II

Heranças Globais e Memórias Locais

A partir destas problematizações fomos reconstruindo e alargando a nossa reflexão no campo da teoria crítica. O projeto de Pós-doutoramento na Universidade de Coimbra[1] expressa essa vontade de alargamento do campo teórico, abrindo a reflexão em diferentes direções, testando metodologia, disseminando resultados.

No ano de 2015, e a propósito dum conjunto de questões globais, as discussões sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, propostos pelas Nações Unidas, e de um conjunto de questões locais, entre as quais se salientava o “lugar da cultura”, levamos a cabo um conjunto de seminários sobre a relação “cultura e desenvolvimento”.[2] Uma reflexão que parte do propósito de discutir esta relação, dez anos depois da Convenção sobre a Promoção e Proteção da Diversidade Cultural, num contexto do contributo da cultura opara os tais ODS das Nações Unidas.

O ponto de partida dessa discussão centrava-se na aparente contradição entre o contributo da cultura como 4º pilar do desenvolvimento sustentável, a par com a economia, sociedade e ambiente, e a sua ausência como objetivo ou medidas concretas no campo da cultura, ainda que muitos defendam a presença de conteúdos culturais de forma transversal em vários dos ODS. Defendemos então, em diferentes fóruns, a necessidade dos profissionais da cultura se afirmarem de forma ativa na discussão dos ODS em cada território. A inclusão duma agenda de aculturar nas diferentes agendas nacionais. Deste proposta teórica global, atuamos, localmente em diferentes lugares, como seja a plataforma da sociedade civil para os ODS, promovemos diversos debates, em Coimbra, no Porto, na Universidade Lusófona e em algumas associações de intervenção local.

Ao longo de todo este caminho, de intervenção e reflexão problematizamos a necessidade de partir da discussão dos direitos culturais como direitos humanos. O por aqui regressamos a esta discussão.

Partimos então de relação intersubjetiva entre os seres humanos com os objetos socialmente relevantes, num determinado contexto. Duma proposta de encontro e duma metodologia de investigação-ação de partilha de espaços e inclusão de saberes. Um quadro de trabalho sobre a diversidade cultural, no qual o museólogo atua como mediar. Um mediador que dinamiza processos participativos, com base em objetos socialmente relevantes. Objetos patrimoniais, que se projetem dum tempo passado como memória coletiva, como narrativa ou simplesmente como vontade de futuro. E foi nesse contexto de propusemos “Um projeto que se pode construir com base na herança dos Direitos Humanos e que se pode constituir como uma plataforma de diálogo entre cidadãos em função do desenvolvimento da comunidade”.(Leite, 2012b).

Basicamente a questão poderá ser colocada da seguinte forma. Conhecer melhor, fazer melhor. A ideia na altura era partir da problemática dos Direitos Humanos para criar processo patrimonial crítico com base na criação de redes transcalares criadoras de solidariedades e potenciadoras de uma cultura de paz. Partimos das problemáticas da Escravatura, criamos o museu afro-digital, e podemos afirmar que avançamos em diferentes domínios. Importa agora refletir sobre os termos de partida: os Direitos humanos e a Cultura, com o objetivo de ultrapassar as limitações do saber e do conhecer e alargar o campo de conhecimento e de ações sobre os objetos patrimoniais e museológicos em processos transitivos: Uma museologia nómada.

Procuramos na altura integrar o conceito dos Direitos Humanos nos processos museológico no estudo do património a partir da criação de praticas solidariedades para emancipação do ser humano, onde o passado e as suas heranças serve de pretexto para a construção do futuro. Um futuro que todos queremos. Essa reflexão continua vális mas necessitamos de a melhorar. Nos próximos postais vamos alargar essa reflexão, sobre o que são os direitos humanos e a sua relação com a cultura

[1] http://www.ces.uc.pt/investigadores/index.php?action=bio&id_investigador=677

[2] Leite, Pedro Pereira (2015), “Cultura e Desenvolvimento?”, Informal Museolgy Studies, 11, 11, 66.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.