Amazónicas XXXIII – A mão de Deus

 

 

 

 

 

 

Já à algum tempo atrás visitei Roma. Três dias, curtos e intensos de trabalho, deixaram-me os fins de tarde para passear e conhecer a cidade. O Vaticano e a sua capela Sistina, os frescos de Miguel Angelo…

Esta “criação de Adão” tem sido reproduzida à exaustão. A sua leitura tem sido referida como a “dádiva divina”. Deus dá vida a Adão, criado a partir do barro. Noutras intrpretações, Deus dá a “consciência”. O manto em que deus surge envolvido tem a forma dum cérebro, outros notam a presença de várias formas anatómicas, como por exemplo o útero. Outros ainda realçam a passagem da “energia criadora”.

Vem isto a propósito do reconhecimento de si e do outro e a formação da identidade.

Moreno descreveu a brincadeira de ser “Deus”. Conta que por volta dos 4 anos e meio organizou uma brincadeira com algumas crianças na cava da sua casa, empilhando cadeiras sobre uma mesa, até o teto. Brincar de ser Deus era tocar no teto: os seus amigos faziam o papel de anjos e incentivavam para que ele voasse até o chão. A açõadramática assumida pelo pequeno Moreno, embalado pelos sonhos de ser Deus teve como resultado imediato uma fratura no braço.

Esta cena foi tomada como o momento percursor da teoria moreniana no  criação do Psicodrama. Moreno ao mesmo tempo em que dirige a cena, transforma-se em autor e ator do drama. O seu público compartilha e estimula o protagonista à ação. Já noutro lugar escrevi sobre a prática do sociodrama com crianças

O que aqui nos interessa chamar a atenção é para o processo de criação da matriz de identidade, a partir duma leitura do postal de Miguel Ângelo. A imagem mostra um processo de interação estimulador da autoconsciência e do desenvolvimento pessoal e social.

A matriz da identidade para é a placenta social da criança, o locus em que ela mergulha as suas raízes”. Na evolução da criança, a Matriz está ligada aos processos fisiológicos, psicológicos e sociais, refletindo a herança cultural na qual está inserida, que a prepara para a sociedade, ou seja, é o primeiro processo da aprendizagem emocional da criança (assimilação e desenvolvimento dos papéis que desempenhará na relação com o mundo).

A Matriz de Identidade desenvolve-se em 3 fases:

A formação da identidade do Eu, (o eu comigo), o reconhecimento do eu ( através da interação como outro, eu e o outro, e finalmente o reconhecimento do tu (o eu com o outro). Esse reconhecimento do outro é um processo que implica entender o lugar do outro.

Para cada uma das fase o psicodrama dispõe de uma técnica. A Identidade do eu  (duplo) permite um processos de diferenciação. O reconhecimento do eu (espelho) permite a perceção da separação do outro; e o Reconhecimento do tu (inversão de papeis) permite treinar a capacidade de se deslocar para o papel do outro.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.