Amazónicas IX (Notas sobre milão)

NOTAS SOBRE O FORUM DE MILÃO SOBRE ECOMUSEUS E MUSEUS COMUNITÁRIOS.

Pedro Pereira Leite

Os ecomuseus, os museus comunitários e a museologia social estiveram em debate durante a 24ª Conferência Geral do ICOM, realizada em Milão no passado mês de julho. O Fórum sobre Ecomuseus e a agenda dos Ecomuseus Italianos mereceram um intenso debate entre os profissionais de todo mundo, em diferentes momentos, onde ficou demonstrada a relevância da ecomuseologia social e dele resultou a convicção sobre a necessidade de se construíram propostas de ação conjunta para os próximos anos.

O Fórum foi dinamizado pelos colegas italianos, propondo para debate o Documento Estratégico dos Ecomuseus italianos[1] e contou com uma participação ativa de Hugues de Varine[2], Donatella Murtas, Mário Moutinho, Amareswar Galla, Raul Lugo, Teresina Cruz entre tantos outros amigos. O primeiro encontro realizou-se a 4 de julho, através dum encontro conjunto do ICOFOM, do CAMOC e do MINOM, dois comités de trabalho do ICOM (sobre Museologia e Museus de Cidade) e uma estrutura associada (Nova Museologia), onde foram apresentadas as diferentes formas de intervenção dos ecomuseus, dos museus comunitários e outros processos de museologia social. Posteriormente, entre 6 a 8 de julho, em sessão especial, foram apresentados as diferentes experiências no mundo e foram realizadas visitas aos ecomuseus italianos.

Não cabe no espaço desta informação apresentar a riqueza do debate realizado e a diversidade das experiencia, mas não queremos deixar de apontar algumas notas para o futuro, tendo em particular atenção o que podermos fazer em conjunto Portugal e países lusófonos.

Uma primeira nota que merce destaque é da potencialidade e a atualidade que este encontro mostrou sobre a intervenção dos processos ecomuseais e comunitários no nosso tempo. Uma potencialidade na mobilização e participação das comunidades a partir dos seus patrimónios e heranças; na relevância do património e da memória para a dinamização da economia local, não apenas na revitalização de regiões em recessão, mas também das cidades e espaços afetados por processos de globalização; e finalmente, da sua adequação como instrumento para o reconhecimento e conservação das “paisagens culturais”, na base na conscientização ambiental e na procura de práticas de transição.

Trata-se de um conjunto de questões que dão resposta à última Recomendação da UNESCO sobre “Museus e coleções, sua Função e Social e promoção da sua Diversidade”, e que abrem espaço de diálogo muito intensos na área da economia solidária e turismo social.

Uma segunda nota sobre este Fórum, é sobre a evidência de que estas experiências, a sua riqueza e diversidade, necessitam de ser partilhadas através de redes de conhecimento, bem como da utilidade de discutir a suas práticas e instrumentos de forma mais alargada, nomeadamente através de encontros entre os ativistas e praticantes da museologia social e comunitária. Para isso é necessário criar uma agenda e dar consistência às formas e instrumento de trabalho e criar relações entre diferentes processos.

A proposta de criação duma Rede de Ecomuseus, em Itália, parece ser uma proposta poderá dar consistência à fragilidade, por todos reconhecia, que os ecomuseus são localmente instrumentos muito dinâmicos, mas com fraca capacidade de afirmação global. Os ecomuseus mostram dificuldades em comunicarem e partilharem as suas experiências e processos em escalas mais largas. A criação da rede, seja na base da região, seja transnacional poderá agregar toda a diversidade de processos que estão a surgir, na América do Sul, na Ásia, ao mesmo tempo que poderá contribuir para criar uma base de comunicação entre profissionais e promover espaços de encontro e formação.

A terceira nota que o encontro sobre ecomuseus nos deixou é do seu potencial de irradiação e contágio em processos de desenvolvimento das comunidades, das suas formações sociais, das suas bases económicas e da integração dos recursos territoriais e ambientais. O trabalho nos ecomuseus e museus comunitários implica uma elevada interdisciplinaridade nos processos, revelando-se um ecomuseu como um laboratório de futuros e como um potencial espaço para criação de inovação social.

Uma quarta nota relativa à questão das paisagens. O tema geral da conferência do ICOM foram os Museus e as paisagens culturais e aprovação da carta de Sienna. Os museus procuram constituir-se como espaços de interpretação da paisagem. Nesse sentido os ecomuseus já são hoje, por definição, lugares e processos de musealização das paisagens. Mais, o desafio dos ecomuseus é o de serem também atores na formação dessa paisagem. Os ecomuseus permitem a intervenção na preservação ambiental, regressando á Convenção da UNESCO de 1972, sobre proteção e promoção do património mundial, cultural e natural, ultrapassando a falsa oposição entre natureza e cultura.

Uma quinta nota deste encontro é de que hoje é necessária uma colaboração entre os Ecomuseus e outras organizações que atuam no território. Relações mais profundas com o ICOMOS, com organizações de turismo solidário e do terceiro setor, são hoje fundamentais para criar compromissos nas agendas locais. Neste encontro ficou claro que é necessário criar espaços de debate sobre questões comuns com as organizações que intervêm no território. A experiencia dos ecomuseus, em Itália, mostra a possibilidade de usar este modelo como laboratório. Ficou todavia o desafio de entender os seus limites e alcance.

Finalmente uma última nota, o pensar como e sobre que forma este potencial pode vir a ser desenvolvido em Portugal. O desafio de pensar a constituição de uma rede de ecomuseus portugueses está na agenda, e a celebração, no próximo ano dos 35 anos do Ecomuseu do Seixal, onde a nossa querida colega Graça Filipe procura dar corpo ao processo de musealização da fábrica da Pólvora, em Vale de Milhaços, pode ser o momento adequado para discutirmos todos como o podemos fazer. A proposta está lançada e apelamos à colaboração de todos para concretizar esta ideia, em Portugal e se o conseguirmos, nos países Lusófonos[3].

[1] http://www.ecomusei.eu/?page_id=1591

[2] Hughes de Varine autor escreveu “Raizes do Futuro”, onde apresenta a sua experiencia sobre os ecomuseus. Veja-se https://midas.revues.org/458

[3] Para integrar esta ideia enviar um mail para pedropereiraleite@hotmail.com ou contatar o ICOM Portugal info@icom-portugal.org

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.