Amazónicas VIII

Memória Acesa

A Missiva da XVII Conferência do Movimento Internacional para uma Nova Museologia, Nazaré 2016

Pedro Pereira Leite – MINOM-ICOM

arigoca

Há sítios no mundo que são mágicos. Lugares que têm aura. A comunidade da Nazaré, nas margens do rio Madeira, um afluente do rio Amazonas, na fronteira do Brasil com a Bolívia é um destes lugares. Aí estivemos, no mês de agosto, a participar na XVII Conferência Internacional do MINOM. Um evento construído em parceria com a Universidade Federal da Rondónia, que ai desenvolve um projeto de extensão com o Instituto Minhas Raízes, criados por habitantes das comunidades ribeirinhas, que fazem da intervenção cultural um modo de afirmar a sua identidade e preservar as suas memórias. A possibilidade de criar um museu na comunidade serviu de pretexto para o encontro.

A Amazónia é hoje uma das nossas fronteiras. Um pouco do futuro da humanidade passa pela manutenção da sua diversidade e dos seus sistemas de vida. A comunidade da Nazaré, constituída por índios e seringueiros, que há mais de cem anos se fixaram nas margens do rio Madeira, sabem que estão integrados num sistema complexo. As práticas neo-extrativistas, que marcam as economias ditas emergentes, rapinam de forma intensivas as matérias-primas que alavancam o seu “desenvolvimento”. Como em tudo, há outros lados das histórias. Há quem ganhe e há quem perca.

O lado da perda é um sentimento vivo na Nazaré, São cheias violentas e nunca vistas, reduções abruptas de caudais de água, diminuição acentuadas dos peixes no rio. A comunidade sabe que depende do rio. Se o rio muda a comunidade muda. Eles não querem mudar. Eles não querem ficar do lado da certo da história e por isso lutam contra a remoção das comunidades das margens dos rios e contra a pressão para o abandono dos seus modos de vida ancestrais, em comunhão com a natureza. Cantam e defendem a sua vida ligada aos seus espaços no âmbito da procura dum “Bem-viver”. A memória acesa é hoje um dos seus principais recursos nessa luta.

A Missiva da Nazaré, construída em colaboração pelos participantes do XVII MINOM procurou identificar as questões relevantes nas práticas da nova museologia e assumiu o seu compromisso de procurar novas respostas adequadas à construção de uma outra relação com a natureza, com os outros e com a diversidade[1].

Eu jamais partirei da Nazaré, porque lá vi o que é esta nossa força, junta, que nos faz mover o mundo. É esta a nossa memória acesa que nos dá essa força que nos junta. O que posso eu fazer se não agradecer ter podido viver para contar esta experiencia vivida em conjunto com gente boa, empenhada no futuro. E talvez, dar aqui, nesta terras do Atlântico, bordejadas pelo mediterrâneo, um sabor deste museologia nova.

[1] Para consultar o texto da Missiva da Nazaré:veja-se : https://globalherit.hypotheses.org/5235

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.