Encontro da Primavera do ICOM.PT (VIII)

AC [46’00’’] O Pedro já falou um pouco mais sobre esta questão e eu queria avançar. Uma das orientações da Recomendação e precisamente facilitar o emprego e o desenvolvimento da carreira profissional dos museus. Olhando para a nossa realidade portuguesa, de que forma estas orientações poderiam ser mais desenvolvidas? A Clara quer dar algumas orientações sobre isto?

CF [46:25] –A Recomendação tem no seu ponto 4 talvez aquilo que constitui o aspeto mais operacional em termos dos vários países. É exatamente as orientações para as políticas gerais, para as políticas funcionais dos Estados Membros. É um conjunto de tópicos de apoio às funções museológicas, de parcerias para as comunidades, prioridade aos inventários, seguir as boas práticas e padrões do ICOM, políticas de emprego e formação profissional, garantias de financiamento, acesso às tecnologias, Função Social dos Museus, cooperação e parcerias. Entre estes vários aspetos e em relação com aquilo que a Ana perguntou, há um ponto que eu gostava até de ler um bocadinho da Recomendação, porque tem a ver com o posicionamento que os Estado e os respetivos governos devem ter de acordo com esta Recomendação face às atividades económicas. E diz assim: É no ponto 15 “Os Estados Membros não devem conferir prioridade elevada à geração de receita em detrimento das funções fundamentais dos museus. Os Estados Membros devem reconhecer que aquelas funções fundamentais (e estamo-nos a referir à Preservação, à Investigação, à Comunicação, e à Educação), por serem de extrema importância para a sociedade, não podem ser expressas em termos puramente financeiros.

Ora nós sabemos que é com questões desta natureza que muitos dos nossos colegas, diretores de Museus, se confrontam no seu dia-a-dia. E o facto de haver uma consciência, ter havido uma discussão e de ter havido uma colocação num texto orientador destas questões parece-me a mim muito relevante. Um outro aspeto é precisamente a questão da empregabilidade do pessoal dos museus. A Recomendação, para além de apontar no sentido de os museus deverem ter profissionais qualificados, recomenda também aos governos que sejam ativos na promoção dessa empregabilidade e da própria formação profissional. São os tópicos talvez mais impactantes, aqueles que podem agora ser assimilados e desdobrados e serem incorporados em futuros planos estratégicos das instituições, planos operacionais, planos de atividades ou o que quer que seja.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.