Amazónicas VI – O Bem-Viver

O Bem-Viver – Uma oportunidade para imaginar outros mundos

De Alberto Acosta, publicado em janeiro de 2016 pela Editora Autonomia Literária e a Editora Elefante foi escrito pelo político e economista equatoriano Alberto Acosta, candidato à presidência do Equador, com prefácio de Célio Turino e Boaventura Sousa Santos.bemviver_4-e1456243163494-455x600

Nascido em Quito, Equador, em 1948, Alberto Acosta é um dos fundadores da Alianza País, partido que chegou à Presidência do Equador em 2007 após a vitória eleitoral de Rafael Correa. Foi ministro de Energia e Minas no primeiro ano de mandato, mas deixou o cargo para dirigir a Assembleia Constituinte que incluiu pela primeira vez em um texto constitucional os conceitos de plurinacionalidade, Direitos da Natureza e Bem Vivir.

O Livro “O Bem Viver”

O sistema capitalista, fundado na mercadoria, criou um sistema de profundas desigualdades que marca a Marcha da Humanidade à quinhentos anos, com o apoio de milhões de pessoas e a subordinação de biliões. É um sistema que agora nos está a conduzir ao suicídio coletivo, na rapinagem dos recursos do planeta, alterando os equilíbrios ambientais, ecológicos e sociais. Construído sobre as promessas do progresso e da criação de riqueza, ou mais recentemente do “Desenvolvimento”, criaram a ilusão dum caminho e mobilizaram ações, que não só não se cumpriram, como tem produzida uma acentuada degradação ambiental, uma destruturação social e uma impossibilidade de pensar a sobrevivência dos biliões de seres humanos que habitam o planeta, e que o compartilham com os outros seres.

É contra a evidência destes problemas e contra a sua impossibilidade de resolução no atual quadro de relação económica, social e ambiental que Alberto Acosta recupera e propõe a ideia indígena de “sumak kawsay” de origem kíchwa, e propõe uma rutura epistémica com base na ideia utópica do “Bem-Viver”. Uma ideia para a criação de heterotopias que permitam a emergência de sociedades e economias sustentáveis.

A rutura com o paradigma desenvolvimentista que a ideia do “Bem-Viver” propões procura religar os laços de comunhão entre a Humanidade e Natureza, revalorizar as diversidades culturais e modos de vida reprimido no processo de dominação imposta pelo Ocidente.

O Bem-viver procura ultrapassar as ilusões de que é possível um capitalismo de rosto humano ou do novo tipo de socialismo humanista. Parta da crítica à lógica extractivista dos Recursos Naturais, propondo uma nova relação com a natureza, com base no conhecimento indígena, da América do Sul, mas também das filosofias africanas do “Umbunto”.

O livro de Alberto Acosta pensa sobre a possibilidade de caminhos, analisa as suas viabilidades. A sua mensagem é de que há vários caminhos e que cada povo, cada comunidade deve procurar encontrar o seu, em comunhão com a natureza e com os outros. A única invariável é o uso do método de democracia participativa, construído na sociedade para a sociedade. Parte da confiança na natureza do se e das sua relação entre si.

O trabalho académico de Alberto Acosta.

Para além de inscrever a questão dos “direitos da natureza” na constituição do seu país, Alberto Acosta é economista. Nasceu em Quito, capital do Equador, em 1948 e é economista formado na Universidade de Colónia, na Alemanha, onde também se especializou em comércio exterior, marketing, geografia econômica e economia energética.

Trabalhou como consultor de diversos organismos equatorianos e internacionais, como a Organización Latinoamericana de Energía e o Instituto Latinoamericano de Investigaciones Sociales. Foi gerente de comércio da Corporación Estatal Petrolera Ecuatoriana. Dedicou-se ao estudo da dívida externa do Equador desde 1982. Participou da fundação do Instituto de Estudios Ecologistas del Tercer Mundo e do partido Alianza País, que ascendeu à Presidência da República em janeiro de 2007 com Rafael Correa.

No primeiro ano de mandato, Acosta assumiu o Ministério de Energia e Minas por cinco meses. Em novembro foi eleito presidente da Assembleia Constituinte do Equador, cargo a que renunciou menos de um ano depois, em junho de 2008, antes mesmo da aprovação da Carta, devido a divergências com Correa.

Os desentendimentos provocaram ainda sua saída da Alianza País. Ajudou a fundar o movimento Montecristi Vive, que reivindica o Buen Vivir, os Direitos da Natureza e a plurinacionalidade expressos na Constituição equatoriana. Em 2013, lançou-se como candidato à Presidência da República pela Unidad Plurinacional de las Izquierdas, obtendo escasso apoio popular. É professor da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, além de companheiro de luta dos movimentos indígenas, sindicais, camponeses, ecologistas e feministas do Equador. Publicou vários livros, entre eles, Breve história econômica do Equador (Funag, 2006) e La maldición de la abundancia (Abya-Yala, 2009).

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.