Paradoxos da museologia

“Não há um momento de cultura que não seja também um momento de Barbárieescreveu Walter Benjamin na sua Teoria da história (Tese VII), ao observar a coluna de Trajano, onde se descreve a vitória do Imperador Trajano sobre os Dácios, entre 112 e 114. Implantada sobre o Túmulo do Imperador, no Fórum homónimo em Roma.

WP_20160217_12_10_00_Pro

Nela estão inscritos os diversos acontecimentos das campanhas, esculpidas com uma elevada densidade, formando um baixo relevo, enaltecido como uma das maravilhas do mundo romano. Da civilização.

O que é relevante para a Teoria da História, e como um paradoxo na museologia,  é a questão de que as narrativas dos vencedores desprezam os vencidos. As  narrativas dos outros.

Escreve  Walter Benjamin : “Todos os que até hoje venceram participam do cortejo triunfal em que os dominadores de hoje espezinham os corpos dos que estão prostrados no chão. Os despojos são carregados no cortejo, como de praxe. Esses despojos são os que chamamos de bens culturais. Todos os bens materiais que o materialista histórico vê têm uma origem que ele não pode contemplar sem horror. Devem sua existência não somente ao esforço dos grandes génios que os criaram, como à corveia anónima dos seus contemporâneos. Nunca houve um monumento de cultura que também não fosse um monumento da barbárie.

E, assim como a cultura não é isenta de barbárie, não é, tampouco, o processo de transmissão da cultura. Por isso, na medida do possível, o materialista histórico se desvia dela. Considera sua tarefa escovar a história a contra-mão.

Esta observação Benjamin é crucial para entender a Teoria da História, e o seu contributo para a teoria do património. Benjamim ao  situar a barbárie no interior da cultura ou da civilização, recusa a tradicional dicotomia entre o eu e o outro. A barbárie  não se  situa no exterior, mas é algo interno.

A tese de Benjamin é de que a barbárie não só é o oposto  necessário da civilização, mas também aquilo que a civilização/cultura é  ao produzir-se a si mesma

Ou seja o bárbaro não está no exterior  da cultura mas é algo de interno ao movimento de criação e transmissão da cultura.

O que constitui o horror àqueles que contemplam o cortejo triunfal dos vencedores, aqueles que humilham os corpos dos vencidos, (como metáfora da sua vitória) é que eles não entendem que essa humilhação é ao mesmo tempo a negação do seu triunfo e da sua civilização.

Assim um monumento ou um património  é não só o espelho do valor dos vencedores, mas também o espelho do silêncio dos vencidos.

É certo que Benjamim o faz olhando para a ascensão do nazismo na sua Alemanha. Mas não será essa a  nossa atualidade. Em Nice, na Turquia, na Síria, no Líbano, na Amazónia, na Bolívia, em Chiapacas, na Europa?

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.