Património e Educação Popular – V

A pedagogia da educação popular

A educação popular não é nada de novo, mas, para além de um período inicial de prática militante, manteve-se vezes demais nas mãos dos docentes, membros de uma corporação de técnicos da pedagogia. A verdade é que os hábitos dos “clientes” potenciais da educação popular já não são os mesmos de há 50 anos. Os não-letrados recusam o quadro escolar e os constrangimentos da educação bancária, sobretudo quando o conheceram e dele saíram sem qualquer bagagem cultural utilizável. Por seu turno, os letrados não veem a utilidade de uma abordagem que não considere até certo nível os seus próprios adquiridos culturais e intelectuais. Além disso já não se procura ocupar de forma inteligente os tempos de lazer, mas sobretudo aceder a um estatuto sociocultural e socioeconómico reconhecido ou adquirir o controlo dos meios de expressão e de criação, tendo em vista uma plena participação na construção do futuro. Em ambos os casos, a procura das pessoas coincide com a dos agentes de desenvolvimento e da Acão comunitária, que pretendem interagir com atores locais conscientizados e formados.

Esta situação pressupõe a invenção e a aplicação de uma nova pedagogia interativa, em que o educando terá igual valor e igual contributo que o educador, podendo este último beneficiar até, por sua vez, da posição de educando.

É aqui que os recursos culturais e patrimoniais do território, da comunidade e dos seus membros, entram em jogo, porque irão ser suporte, pretexto e matéria-prima desta pedagogia. De facto, cada pessoa, independentemente do seu estatuto social, possui um património que lhe é próprio e é, ao mesmo tempo, coproprietário moral do património da comunidade a que pertence. Poderá, assim, aprender a partir de algo que “é seu”, que conhece como seu ou como fazendo parte do seu contexto, algo que vai poder reconhecer, aprofundar e, por fim, utilizar.

O património (no sentido mais global do termo, evidentemente, natural e cultural, material e imaterial, reconhecido publicamente ou desconhecido) vai fornecer, muito especialmente, à educação popular os meios de atingir quatro grandes objetivos, que são os mais úteis para o desenvolvimento participativo da comunidade e do território:

  • a formação da consciência da sua identidade, do seu território e da comunidade humana de pertença;
  • a autoestima e uma maior confiança nos outros, condição da participação e da cooperação ao serviço do desenvolvimento;
  • o despertar da capacidade de iniciativa e de criatividade, para se deixar de ser consumidor e assistido e tornar-se empreendedor e promotor;
  • o domínio da expressão e dos instrumentos da negociação, que permitem intervir eficazmente na esfera pública.

Dois exemplos me vêm à mente para ilustrar esta abordagem pedagógica.

Em primeiro lugar, o do ecomuseu da Comunidade Urbana Le Creusot-Montceau (Bourgogne, França), nos anos 70. Os dois primeiros objetivos tinham sido definidos à partida para assegurar a transformação de uma população operária, que saía de mais de um século de paternalismo autoritário, numa comunidade de atores adultos, protagonistas de um desenvolvimento que se tornava cada vez mais plural e territorialmente significativo. Contribuímos eficazmente para isso, a partir de uma abordagem essencialmente patrimonial, em que os técnicos-mediadores que constituíam a equipa do ecomuseu se apoiavam quase exclusivamente nos recursos patrimoniais do território e dos seus habitantes.

Da mesma forma, e mais recentemente, os promotores do projeto de desenvolvimento em Maestrazgo (Aragão, Espanha) prosseguiram os dois últimos objetivos e conseguiram utilizar o património a fim de organizar progressivamente uma população rural desvalorizada e a envelhecer para investir no ordenamento do território, organização social, desenvolvimento económico, acolhimento turístico, domínio e utilização corrente das novas tecnologias.

Por Huges de Varine em Património e Educação Popular

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.