Património e Educação Popular – IV

Por Hugues de Varine em Património e Educação Popular

Os recursos do território

A educação popular, tal como o desenvolvimento no seu conjunto, assenta principalmente nos meios disponíveis no próprio território: estruturas, pessoas, saberes, bens materiais e virtuais.

Das estruturas

Deixando de lado as escolas de qualquer tipo, cuja função natural é a educação “bancária”, pelo menos aos olhos de todos, encontramos instituições públicas (bibliotecas, museus, centros culturais ou de animação, igrejas e outros santuários de diferentes religiões, espaços com vocação desportiva, etc.) que podem ser utilizadas, quer para a sua função central, quer como lugares públicos que podem ser desviados dessa função para atividades de natureza educativa. Pensemos também nas associações e noutros grupos organizados, que têm uma finalidade social, cultural ou educativa, e podem ser legitimamente mobilizados para ações de educação popular. Citarei naturalmente aqui os novos museus, de comunidade ou de território, que possuem, desde o momento da sua conceção, uma explícita vocação de educação popular e se apresentam oficialmente como parceiros dos processos de desenvolvimento. Podemos encontrar um exemplo no projeto de Ecomuseu das Serras do Algarve ou no que está agora a emergir no Norte de Portugal, na pequena região do Barroso. A educação popular é mencionada aqui explicitamente como umas das dimensões do programa.

Das pessoas

Trata-se de pessoas-recurso, que se encontram em qualquer comunidade, mas também e potencialmente, em dado momento, todo e qualquer membro dessa comunidade. Têm conhecimentos e saber-fazer, uma memória, experiência, competências profissionais, tempo, relações e redes locais ou exteriores, motivações sociais ou outras que as tornam disponíveis, dentro de circunstâncias variáveis, para uma utilização coletiva. Serão intervenientes, referentes, conselheiros, enquadradores, informadores, etc. Podemos observar, no Norte de França, agrupamentos de pessoas, no âmbito de movimentos de economia solidária, que põem em comum as suas competências, relações e meios financeiros, a fim de suscitar e facilitar a iniciativa económica por parte de pessoas desprovidas de meios mas portadoras de projetos pessoais.

Dos saberes

Qualquer comunidade é um banco de saberes, uns formais e explícitos, outros informais ou virtuais, que podem ser úteis mais tarde ou mais cedo, quer a uma dada pessoa, quer ao conjunto da comunidade ou a uma determinada categoria dos seus membros. Estes saberes podem valorizar-se em tempos normais ou por ocasião de crises. Os portadores destes saberes são as pessoas-recurso de que falámos acima. Em França, as Redes de Trocas Recíprocas de Saberes (“Réseaux d’échanges réciproques de savoirs”), em centenas de lugares, vêm criando laços entre indivíduos de origens socioeconómicas e socioculturais muito diferentes, para gerar solidariedades cativas que fazem dos seus membros atores imediatamente úteis aos processos locais de desenvolvimento, no interior dos bairros, das empresas, das relações interpessoais.

Dos bens materiais

Tudo o que existe, com duas ou três dimensões, sobre o território e no seio da comunidade, pode ser utilizado para a educação popular, para a observação, o conhecimento do meio, a análise, a aprendizagem, o consumo, o controlo da técnica, a identidade, o conhecimento do passado. A sua principal qualidade é ser uma realidade tangível que multiplica a sua virtude pedagógica. Organizei pessoalmente, em vários locais do Norte (Compiègne e arredores) e do Oeste (Bouguenais, perto de Nantes) de França, “passeios de descoberta” do património, destinados a formar militantes e animadores do desenvolvimento, oriundos da população local, levando-os a ganhar consciência, ao mesmo tempo, dos materiais à sua disposição e das suas responsabilidades na respectiva preservação e utilização. Mencionarei também as exposições participativas e os inventários participativos, deveras eficazes, não só para (re)criar a identidade local, mas também para identificar as pessoas-recurso que poderão tornar-se atores voluntários do desenvolvimento.

Dos bens virtuais

O mesmo sucede quanto à memória, tradição oral, costumes, particularidades linguísticas, que apelam à imaginação e à sensibilidade e que ilustram as diferenças entre as pessoas e os grupos, permitindo-lhes fortalecer interações e cooperações. É o caso, entre outros, da “Abordagem Bairros” (“Démarche Quartiers”), da cidade de Saint-Denis (próximo de Paris) ou da companhia “Samirami Métropole Théatre”, em Roubaix (Norte de França): a memória oral dos residentes, via de regra ocultada pela vergonha de uns e pelo desprezo de outros, torna-se um fator dinâmico de construção da identidade, da vontade de reagir, de participar na melhoria do quadro e das condições de vida. No primeiro caso, emprega-se a técnica do conto colectivamente narrado; no outro, é a encenação teatral na tradição do Teatro do Oprimido que serve de veículo para a expressão pública da memória.

Será apenas quando todos estes meios se encontrarem inventariados e mobilizados que se torna necessário apelar a outros materiais e a outros meios, importados ou criados especialmente “in loco”. Em todo o caso, é de constatar que o conjunto dos meios próprios da comunidade constitui ao mesmo tempo o seu património, natural e cultural, material e humano.”

Por Hugues de Varine em Património e Educação Popular



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2016, 25 Julho). Património e Educação Popular – IV. Global Heritages. Recuperado em 25 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/p32a

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.