O inventário participativo no Colóquio de Gemona (junho 2016)

Algumas observações e conclusões de Huhghes de Varine  [1]. As notas apresentadas não são opiniões ou propostas elaboradas, mas apenas algumas ideias suscitadas pelo debate no colóquio.

Elas merecem certamente uma reflexão e um debate, para aprofundar coletivamente alguns conceitos e determinados problemas.

Nem todos os participantes foram da mesma opinião ou derem contribuições elaboradas, mas aqui apenas apresentamos as ideias base e as estruturas das intervenções e do debate que aconteceu no seminário. Fazemo-lo para permitir o aprofundar coletivo de certos problemas.

Algumas observações iniciais sem comentários:

  • O património está vivo, por isso muda, transforma-se, ele transforma-se, deteriora-se, valoriza-se. Quando está morto, entra no museu ou desaparece.
  • O olhar sobre o património também muda, segundo a evolução do mundo e pela passagem das gerações. Donde os inventários, os diagnósticos, e as políticas do património, sobretudo quando são participativas devem evoluir.
  • Para o cidadão o património é um todo que faz parte da sua vida, do seu ambiente e da sua cultura, as palavras material e imaterial não têm sentido.

O processo de gestão do património compreende várias fases, nas quais as principais são:

  • Em primeiro lugar o inventário, que implica a tomada de consciência, a educação, a concertação dum trabalho coletivo, do maior número possível de membros da comunidade
  • De seguida, o tratamento dos dados: exposições, carta do património (que é o equivalente a uma exposição), dois arquivos (o meio e o conteúdo[2]), que servem também para a devolução á comunidade
  • Por fim a gestão propriamente dita, que inclui todas as ações sobre o património, debaixo do chapéu da gestão, e todas as ações de gestão do património, debaixo do título ambíguo de “valorização”, que implicam uma responsabilidade individual e coletiva da população.
  • A “valorização” pode assumir duas formas:
    • A partir do valor intrínseco do património e dos seus elementos, torna-se necessário protegê-lo, restaura-lo, torná-lo visível, organiza-lo como componente da identidade do território e da comunidade, para a educação dos cidadão e o lazer dos visitantes é necessário; é uma ação de carater cultural e de interessa público geral de deverá ser financiada pelos poderes públicos e eventualmente pelos mecenas privado; esta atividade deve igualmente mobilizar todas as boas vontades locais e os saberes técnicos e científicos, e saber fazer-se ouvir no exterior;
      • Temos como exemplos típicos desta forma de ação patrimonial em Gemona, com a reconstrução do Castelo, ou em Verona com a anastilose geral, a partir do valor do património considerado como capital cultural e social ou por vezes também potencialmente económico do território e da comunidade de habitantes;

É necessário colocar o património na agenda, de o tornar vivo e utiliza-lo para contribuir para a qualidade de vida e do ambiente dos habitantes; a ação patrimonial é então uma componente do desenvolvimento sustentável do território, nas suas dimensões culturais, socias e económicas, é uma realidade e é na eficácia do seu contributo que se encontra a sua justificação e os seus meios.

  • Encontramos um exemplo desta conceção em Gemona, com a fileira económica do agroalimentar do “Pan di Sorc”, ou em Paysalp nas parcerias com a cooperativa de queijo. Estas formas não são opostas nem concorrentes. São complementares mas seguem lógicas diferentes. É apenas necessário ter claro quais são os objetivos de cada uma e não os confundir.

A questão dos limites a patrimonialização coloca-se de duas maneiras:

  • Para o inventário oficial (catálogo) que implica uma proteção, seja por um arquivo, seja para os museus, é indispensável fixar os limites, para evitar, por absurdo, trata uma infinidade de dados, que tornaria os poderes públicos responsáveis por atividades que seriam impossível assumir. Mais, porque o simples ato administrativo de patrimonialização, retira de facto a responsabilidade de proteção aos seus detentores culturais. (proprietários individuais e coletivos), em benefício duma instância administrativa de controlo.
  • Para o inventário ecomuseal, no sentido do Ecomuseus di Fier Monde, a patrimonialização é o resultado de uma deliberação que associa a comunidade e os proprietários dos bens, não com base num espírito de arquivo ou de conservação, mas com um objetivo de conhecimento e partilha de um bem comum e de gestão dinâmica participativa e responsável desse bem
    • Aqui a noção de limite é formulada por critérios de utilidade (ou funcionalidade) e sensibilidade, através dos quais de afere a capacidade da comunidade de se encarregar da responsabilidade desse património.

A participação é uma palavra vaga que cobre pratica sociais diferentes: seja da simples formação duma codecisão, passando por diferentes aspetos da concertação e consulta.

  • No caso do inventário a participação envolve diferentes aspetos do processo:
    • A escolha dos elementos do património a colocar nos inventários (por exemplo o mapa de comunidade),
    • A responsabilidade pela preservação;
    • A curadoria,
    • A utilisação dos elementos,
    • A pesquisa sobre os elementos referenciados como património,
    • Mobilizar os saberes dos membros da comunidade, para além do estrito inventário
    • E a validação dos produtos de valorização (por exemplo, exposições, publicações)

É necessário também entender que a questão de representatividade dos participantes (segundo se trata de pessoas físicas ou de associações ) ao longo do processo

  • Não poderemos nunca incluir a totalidade da população, nem mesmo a sua maioria. A questão é saber que a parte que participa é mais ou menos significativa da diversidade da comunidade.
  • Então o problema será o seguinte:
    • Como alargar o grupo de participante para além da primeira fase do inventário?
    • É necessário não esquecer que há sempre dois modos de participação:
      • O visível, que ó o das pessoas que incluem os grupos de trabalho ou que aportam a suas contribuições materiais ou física para a ação;
      • E a invisível, que é aquela que decorre da troca de informações informais no grupo, que é mais difusa, que se desenvolve no interior dos grupos como crenças, e que se exprime de forma informal, através da participação visível nos grupos formais.

O inventário no tempo. Atualmente, em Itália, o inventário está reduzido ao Mapa da Comunidade, que é uma fotografia do património num dado momento.

  • A questão coloca-se em relação a Gemona sobre a extensão do inventário para além do mapa: como fazer se ele é uma ferramenta interativa em permanente transformação (ver Parabiago ou Val di Merse).
  • Como fazer com o inventário em face da evolução do olhar das populações e em função da sucessão de gerações (fator interno) ou das influências culturais que resultam da globalização dos gostos e das práticas (fator externo).
  • É necessário repetir o exercício periodicamente, (com que periodicidade?), ou é submetê-lo a validação interna e externa cada vez que à perceção da alteração do olhar da comunidade sobre o património.
    • Quais serão então os indicadores e como os interpretar?
    • Qual é o papel das equipas de profissionais?

A avaliação tem estado relativamente ausente ou pouco referenciada nas discussões, mas ela também se aplica ao processo de inventário e à gestão participativa do património.

  • Ela pode ser vista a partir de dois pontos:
    • Do desenvolvimento e dos resultados do inventário, tendo em conta o objetivo inicial e o método de escolha, o modo de verificação da realidade e a realidade da participação e o seu caráter representativo, e seu significado;
    • O comportamento da equipa de animação e de recolha do inventário. O seu respeito pelos princípios ligados à vontade de fazer participar a participação, a relevância do seu papel (manipulação, recolha de informação, mediação, rigor com o guião metodológico, deontologia).

Ultrapassar a Crise. Podemos estar a pensar duas formas de pensar o património.

  • De que se trata duma crise grava, mas temporária. Um dia, mais ou menos próximo, o nosso mundo europeu reencontrará o seu equilíbrio, e o financiamento à cultura e ao património regressarão, em diferentes escalas de território e reencontrarão os níveis anteriores à crise.
    • Neste caso, interessa manter o património através da máxima participação dos cidadãos, nomeadamente através do voluntariado.
  • Mas no caso de não se tratar duma crise clássica, mas do fim da ilusão dum crescimento perpétuo e o início uma nova fase que ninguém pode prever o fim nem as formas de chegada.
    • Nesta possibilidade interessa refletir, na escala dos territórios, o que é que deve ser conservado, reutilizado, ou simplesmente documentado, para reforçar as raízes da cultura e da qualidade de vida dos modos tradicionais.
  • Nestas duas hipóteses, o conceito de crise é desmobilizador e não produtivo. É necessário pensar sobre os fatos exteriores da responsabilidade de um eventual dissolução da cultura tradicional e do seu património.
  • É então necessário manter uma ação sobre o património evitando um envolvimento demasiado ambicioso. É aí que se compreende a moratória sobre a criação de novos museus e dos investimentos desproporcionados no património.

De que se trata então? Da gestão o património ou da gestão dos elementos do património que pertencem ao mapa da comunidade ou a um qualquer catálogo ecomuseal, ou ainda à gestão do ecomuseu como instituição pública? Esta questão, que não se colocou desta forma, ficou sem resposta.

  • Do lado dos ecomuseus, é claro que a existência de leis regionais em muitas regiões de Itália faz do Ecomuseu um objeto político e administrativo que o distingue dos museus tradicionais e que o institucionalisa, impondo-lhes certos limite (efeito etiqueta).
  • No que se refere ao património, para além do inventário, torna-se necessário definir uma política com os habitantes do território, que compreende, no mínimo, três grande fases.
    • O conhecimento, (incluindo o balanço) do património sobre todas as formas (o inventário propriamente dito), o controlo do património, que inclui a preservação/conservação e o acompanhamento da sua transformação no tempo, a exploração do potencial (cultural, social, educativo, económico) dos elementos do património, no quadro de uma estratégia de desenvolvimento sustentável do território.

O impacto económico do património é significativo, em termos de emprego, de valor acrescentado sobre as matérias-primas e produções locais, de novas atividades ou atividades tradicionais não deslocalizáveis, a autossuficiência e a formação de circuitos curtos de consumo, etc. Alem disso o efeito da frequência turística

  • A gestão do património dever produzir uma oferta que responda à procura exterior (no caso do turismo), ou responder à prioridade de uma procura endógena que emane da própria comunidade, das instituições que a representam ou a servem (administrações comunais, escolas), ou ainda dos novos residentes á procura de raízes?
    • A relação com as empresas do território não se devem limitar apenas ao mecenato, (não há empresas mecenas, apenas aos chefes e diretores das empresas que fazem mecenato através da empresa. É preferível e mais durável falar de parcerias (uma cooperação sobre um objeto comum para objetivos diferentes) ou da responsabilidade social (olhando para os salário da empresa, das suas famílias e de uma forma geral do território ou empresa implantada)

Problemas de debater que não foram suficientemente abordados:

  • Como garantir – e controlar – a qualidade dos produtos turísticos, agroalimentares, culturais, utilizando a património ou programas ecomuseais?
    • A questão da marca de origem ou do ecomuseu ele mesmo. Qual o balanço social da política do património e do ecomuseu.
      • Tem um efeito efetivo sobre a sua população, nomeadamente sobre a sua avaliação
      • Que modo de governação para o ecomuseu como instrumento da comunidade para gestão do património
      • A clássica associação (ONLUS em Itália), la cooperativa associando diversas categorias de atores e de parceiros, empresa de economia social, empresa mista controlada pela administração comunal, fundação, etc..

Finalmente uma reflexão: é necessário um debate e uma experiencia sobre os dois sentidos da palavra valorização: Parece-me indispensável, procurar uma possível definição para o vocábulo Valorização, porque em inglês não existe a palavra valorização, e devemos evitar confusões.

As palavras. A oficina deu conta durante o debate, de numerosos vocábulos importantes, que necessitam duma espécie de léxico. Muitas das palavras fazem parte duma linguagem corrente, e aplicam-se a conceitos variados. Será útil dar-lhes um sentido «eco museológico» para evitar mal entendidos.

[1] https://inventariopartecipativo.files.wordpress.com/2013/05/notes-gemona-rev-hdv.pdf

[2] E necessário dizer que o arquivo não seja constituído apenas por documentos administrativos e científicos (de conteúdo), mas também por documentos fáceis de compreender e de leitura fácil, ilustrados, e acessíveis de diferentes níveis de leitura (o meio /comunicação)

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.