O que é um ecomuseu – revisão de princípios (XIII)

O ECOMUSEU é…

PAISAGEM porque é a expressão da população que atua na paisagem. A paisagem é transformação, cultura, recurso dinâmico, produtiva, criativa e vital. A ação sobre a paisagem deve ser sustentável (resiliente) para permitir ao meio ambiente e à cultura manifestar-se e perpetuar-se.

POPULAÇÃO pois são as pessoas que constituem o património “primário e sensível” do ecomuseu, de onde proveem as ações e a criação do sentido e pertença ao território.

CONHECIMENTO: não existe se não houver aquisição de conhecimentos por parte dos novos habitantes e novos residentes: É um processo participativo onde o objetivo é o desenvolvimento local. O ecomuseu não é apenas um museu ou um centro cultural dedicado às coleções, e sua conservação e valorização, é também presente, mas tem como missão implicar a população na consciência do seu próprio património cultural, para que desenvolva uma função e económica e social como resposta ás necessidades e problemas da comunidade. O ecomuseu garante um olhar científico, implementa práticas e capacita a comunidade para contribuir para o desenvolvimento sustentável.

GESTÃO: na medida em que desenvolve a cooperação entre os atores voluntários (solidários) as associações, os profissionais e os organismos público e provados que trabalham em conjunto para acrescentar valor ao património cultural.

Esta gestão deve respeitar a representatividade e o equilíbrio entre as instâncias participativas composta por todos os atores envolvidos no projeto ecomuseal, segundo formas de governação partilhada entre o setor público, o sector privado e o sector associativo.

EDUCAÇÃO E INVESTIGAÇÃO, porque se centra a atenção da população sobre a sua própria herança cultural, o uso da memória social, a promoção dos processos de cidadania e a formação do público, para identificar, manter e desenvolver o seu património cultural.

PLANIFICAÇÃO E ADMINISTRTAÇÃO DO TERRITÓRIO, porque a investigação e a sensibilização para a gestão participativa do património cultural facilitam os processos de decisão partilhada sobre a administração e o planeamento dos usos dos recursos (ambientais, culturais, e paisagísticos). Os instrumentos de diagnósticos usados pelos ecomuseus (tais como inventários participativos, Mapas de Comuinitá) tomaram formas específicas de Pacto/Contrato na planificação participativa (por exemplo contratos de rios [1]), como suporte à requalificação ambiental, social e à produção de paisagem.

DESEMVOLVIMENTO E ECONOMIA, já que implica o ecomuseu em diferentes setores produtivos:

Produção alimentar e alimentação: o património relacionado com a alimentação tradicional e o bem-estar nutricional está diretamente com muitas paisagens culturais italianas. A reativação dos negócios è a possibilidade de valorizar fileiras de qualidade oferecem perspetivas interessantes para a repovoar zonas rurais e áreas desfavorecidas.

Artesanto e Formação: o artesanato e o conhecimento artesanal tornaram-se atuais face às necessidades e dificuldades económicas e pessoais, que fazem renascer as formas de economia doméstica. O ecomuseu pode relançar os processos de reutilização do conhecimento, de inovação tecnológica, a formação pode abrir caminho a novos trabalhos artesanais e a uma profissionalização criativa, gracas a um pacto entre gerações.

O turismo e a acomodação: os conhecimentos técnicos do turismo devem alcançar um profissionalismo, nos locais onde o turismo possa constituir uma opção estratégica e económica. Apesar disso, o ecomuseu parte dum ponto de vista diferente, mais associado à sedução do lugar e ao valor emocional atribuído pelos habitantes à sua paisagem: a paisagem pode ser um fator determinante; é formosa, se a comunidade se apropria, se os habitantes lhe atribuem valor, se contam as suas histórias, a sua atmosfera, os seus costumes, os seus produtos, de forma convicente e múltipla.O ecomuseu permite à comunidade tornar-se consciente da importância da hospitalidade, ao mesmo tempo que comunica de forma moderna com as novas meios, com a Internet e com as redes sociais.

REDE, é dizer mudança, contaminação de práticas. É de importância vital estebelecer e consolidar a Rede nacional para aproveitar ao máximo as experiencias regionais, criar contatos com os ecomuseus e museus comunitários na europa e no mundo, colaborar com Slow Food, os GAL[2], o ICOM, os Parques naturais e outros organismos de diferentes perfis (culturais, socioeconómicos, ambientais) que se ocupem da paisagem

[1] Planos de Bacia hidrográfica

[2] GAL – Grupos de Ação Local



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2016, 6 Julho). O que é um ecomuseu – revisão de princípios (XIII). Global Heritages. Recuperado em 25 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p31q

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.