Economia Criativa e Industrias Culturais

Já por diversas vezes trabalhamos nestes postais as questões da Economia Criativa e das Industrias Culturais. Um temas que trabalhamos no âmbito da sociologia da cultura.

Abordamos então as questões da Cultura de Massas e a sua interpretação marxista sobre a alienação capitalista. Tratava-se dum tema ainda próximo da cultura popular, que emergia nas sociedades capitalistas, colocando a questão da produção cultural hegemónica (ultrapassando por assim dizer a clássica divisão entre cultura clássica e cultura popular, herdada do romantismo) produzida fora dos circuitos mercantis e a forma como essa produção vai ser capturada pelos sistema económico..

Anna Hardant e a sua “Condição Humana” falam deste sistema de crise. de valores na produção e consumo. Prosseguimos então pelos conceitos de Industrias Culturais, um conceito criado pela Escola de Frankfurt, com Walter Benjamim e Teodoro Adorno. O primeiro com o textos fundacional “A Obra de Arte na era da sua reprodutibilidade técnica” o segundo com a obra “Industrias Culturais”. Realce-se ainda a relevância de Max Horkheimer na criação desta abordagem na escola de Frankfurt.

Também Noam Chomski se refrerirá à Cultura de Massas como  um produto de uma atividade económica em larga escala, que se organiza dentro do capitalismo, em que a cultura se transforma numa mercadoria que procura hegemonizar-se, eliminado as formas de cultura subalternas. As industrias culturais produzem produtos culturais vendidos como “propaganda”, à qual as massas aderem. Por essas razão a industrial cultural é vista, em si, como uma produto nefasto para a criatividade e para a liberdade.

Mas há outras abordagens menos ideológicas.  Por exemplo, partindo de Benjamim a sua interpretação da história da Arte será marcada pela emergência da fotografia, primeiro e do cinema depois. Serão estes as primeiras manifestações da industrias culturais, à qual se juntará a música, depois o livro, os espectáculos e festivais, etc.

Mas regressando a Benjamin, que interpreta  esta industria como mercadoria, onde dá conta de transformação da arte. A análise da fotografia, onde a captura duma imagem do real e a sua possibilidade de reprodução criaram a possibilidade de mercantilizar a produção artística. A integração da arte nos circuitos produtivos retirou a aura da produção no campo das artes.

O conceito de aura é relevante para entender o único na reflexão sobre a arte na obra de Benjamim. algo que resulta dum ato criador, único e exclusivo, que depois é apreciados ou usufruído pelos demais membros  em contextos específicos.

A perda da aura não terá sido no entanto total. Ele desenvolver-se-à nas artes performativas ao longo do século XX.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.