Educação Popular VII

A crise da Educação Popular e a crise das Universidades das elites

No campo da educação popular, após o entusiamo dos anos oitenta, os modelos das Universidades Populares entrarm em crise. Em parte pela institucionalização dos modelos de educação universal extensiva, feita pelas campanhas da UNESCO. As forte transformações sociais exigem um repensar das suas formas.

A educação popular já não se pode constitui com base numa pedagogia da libertação. A libertação assenta no paradigma da opressão. Ele tem por base a ideia que a libertação é possível pela consciência, pela conscientização. A educação popular no entanto não foi sensível aos processos de opressão do colonialismos, do patriarcado e do racismo. Não se ajustou aos mecanismos de dominação

Em segundo lugar, a Universidade Popular não se adaptou à transformação do conhecimento, nem à emergência da Internet. O conhecimento está hoje em todo o lado, é acessível. A questão hoje que se coloca à educação jánão é o conhecimento, mas trabalhar por um mundo digno. A educação já não é um monopólio de uma instituição.

Em terceiro lugar a Educação popular assenta no diálogo. Ele não assente num conhecimento pré-existente, mas constrói-se no confronto entre saberes. O objectivo da Educação popular é identificar os mecanismos de opressão.

A opressão está na sociedade de consumo e formação de mercadorias. A educação popular deve assentar na produção dum pensamento crítico.

Em quarto lugar a educação popular questiona a hierarquia entre educador e educando. O educador popular é um facilitador, alguém que facilita a construção do conhecimento. Há uma tradição de facilitação nos países do norte (noruega e USA) nos lugares onde se desenvolveram as ideias socialistas.

Em quinto lugar a educação popular está envolvida em processos de construção colectiva. A educação popular faz parte das redes de formação das ONG que têm demonstrado a utilidade da educação popular em contexto de atividades.

Em sexto lugar a Educação Popular tem que construir o seu próprio sistema de poder. A educação popular tem que entrar nos sistemas de educação formal e acabar com a dicotomia entre popular e tecnologia.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.