Educação Popular (VI)

Antecedentes.

A criação duma representação do mundo. A primeira Universidade Popular surge no século XIX no Epito, inspirada nos princípios do Anarquismo. A competição entre o anarquismo e o comunismo, no final do século XIX e inícios do século XX leva focar a ação nos processo de transformação, diminuindo o seu foco no processo de criação duma representação. Ainda assim, no final do século XIX e inícios do século XX a universidade popular surge no âmbito das atividades do Bureau Internacional do Trabalho e tem desenvolvimentos em Portugal[1] com base no objectivo geral de dfar educação a quem está excluído. Entre a europa e as experiencias americanas nos anos sessenta e setenta há de ter em conta os respectivos contextos. Na Europa, sobretudo na fase do pós-guerra, as Universidades Populares orientavam-se para a evolução do ser humano, numa presppetiva de educação integral e universal, enquanto que na América a experiencia orienta-se fundamentalmente para a alfabetização.

A universidade era vista como um espaço de elites. Por isso era necessário que o povo dela se apropriasse. Se o conhecimento das universidades era um conhecimento erudito, as universidades populares deveriam procurar um conhecimento popular. Construir os seus próprios conetúdos sem serem eurocêntricos.

As universidades não são eurocêntricas. As primeiras Universidades conhecidas foram formadas em Tombuctu[2] no Mali e em Assur no Egipto. A Universidade de Bolonha, criada no século XI é uma universidade que é destinada a preparar a burocracia e a classe comercial. Nesse sentido pode ser considerada a primeira universidade para as elites.

Na Europa as Universidades tornam espaços de poder. Espaços de formação das elites brancas e coloniais.

[1] Universidade Popular Portuguesa (1919 — 1933) foi uma instituição de ensino popular, dirigida à classe operária, que conseguiu grande prestígio em Portugal. A instituição nasceu em 1919 na sequência do movimento das Universidade Populares de França e das experiências realizadas em 1912 no Porto e em Setúbal. Alcançou reconhecimento internacional, mantendo relações com o Bureau International d’Education, a Ligue International pour L’Education Nouvelle e o Bureau International du Travail. Pelo Decreto n.º 5781, de 10 de Maio de 1919, a Universidade Popular Portuguesa foi declarada instituição de utilidade pública1 , tendo ao tempo departamentos em diferentes bairros de Lisboa e me diversas localidades portuguesas . Um dos seus colaboradores foi Bento de Jesus Caraça.

[2] Tombuctu foi fundada cerca do ano 1100 pela sua proximidade com o rio Níger para servir às caravanas que traziam sal das minas do deserto do Saara para trocar por ouro e escravos trazidos do sul por aquele rio. Em 1330, Tombuctu fazia parte do poderoso império do Mali, que controlava o lucrativo negócio do sal por ouro em toda a região, estando ligada à cidade de Yenné através do comércio do sal, de cereais e do ouro. A sua função comercial era acompanhada de uma função militar. Dois séculos mais tarde, Tombuctu atingiu o seu apogeu sob o império Songhay, tornando-se um paraíso para os estudiosos e a capital espiritual dos finais da dinastia Mandingo Askia (1493-1591). Tombuctu, que foi habitada por muçulmanos, cristãos e judeus durante centenas de anos, foi sempre um centro de tolerância religiosa e racial. As culturas locais – songhai, tuaregue e árabe– misturaram-se, mas conservaram as suas distintas tradições. Essa idade de ouro terminou no século XVI, quando um exército marroquino destruiu o império Songhay. O domínio do comércio com África pelos navegadores europeus foi mais uma razão para o declínio de Tombuctu.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.