A Cultura na Agenda 2030 nas Nações Unidas (III)

Cartaz_Sessao_ODS_25_5_2016Há nas nossas cidades vários exemplos de como a ação cultural pode ajudar a regenerar a vida urbana e a recuperar a vida na cidade. Há casos que vêm de França (Museu de la —-) de Itália (—–) e algumas práticas de Etnografia Comunitária, como o caso do projecto do Ébano Coletivo[1] apresentado por Chiara Pussetti.

Em Lisboa, o caso do Teatro Municipal Maria Matos tem mostrado ao logo da sua programação uma preocupação com a sua interacção com a comunidade[2].

Há ainda alguns casos em Portugal, como o caso de Mértola, onde a Cultura constitui a base do Desenvolvimento Local, procurando criar um turismo de escala humana, em que os visitantes olhem os habitantes nos olhos, que troque informações e usem os recurso locais numa perspectiva da valorização dos recurso locais.

Há algumas boas-práticas a partir da antropologia comunitária que ilustram como os trabalhos feitos a partir da inclusão das comunidades se produzem ações de efeitos globais. Por exemplo o trabalho de Carlo Petrini que em Itália, a partir da Região de Parma, com a sua intervenção (na base duma etnografia comunitária), constrói o conceito de “slow food”. Uma ideia que está na base, por exemplo, da Dieta Mediterrânea”[3], um património da humanidade, que tem por base a compreensão das culturas locais e a reacção às práticas alimentares que acabaram por conduzir a problemas que agora os ODS procuram resolver no campo da saúde.

Há vários exemplos onde se pode verificar que a cultura está no centro das práticas para um Desenvolvimento Sustentável.[4]

Em síntese, os participantes concordaram em que o “Desenvolvimento Sustentável” não pode ficar apenas declarações bonitas e tem que levar em linha de conta com a dimensão humana. O contributo que a cultura dá para o Desenvolvimento Sustentável é a sua capacidade de pensar a partir da pessoa para construir um encontro.

Concordaram em prosseguir a reflexão em conjunto e alargar o debate a outras organizações culturais para prosseguir a construção de uma agenda para a cultura no âmbito dos ODS em Portugal.

[1] http://www.ebanocollective.org/#!about/c1zqg

[2] http://www.teatromariamatos.pt/pt/

[3] http://www.in-loco.pt/pt/noticias/20141010/dieta-mediterranica-com-sabor-a-algarve-no-egito/

[4] Veja-se por exemplo https://www.routledge.com/Culture-and-Sustainability-in-European-Cities-Imagining-Europolis/Hristova-Dragicevic-Sesic-Duxbury/p/book/9781138778412, ou o dsenho da directiva para as cidades http://www.worldurbancampaign.org/sites/default/files/Habitat%20III%20Zero%20Draft%20outcome%20document%20%28May%202016%29_0.pdf

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.