A Cultura na Agenda 2030 nas Nações Unidas (II)

Cartaz_Sessao_ODS_25_5_2016

Às organizações do sector da cultura e suas organizações profissionais caberá fazer-se ouvir e chamar a atenção para que a Ajuda ao Desenvolvimento dirigida aos países dos Sul e a relevância da Economia Criativa nos países do norte são campos de intervenção comuns e indispensáveis na construção desta agenda.

Trazer a cultura para o centro do debate sobre o desenvolvimento é um desafio que permitirá ganhar espaço de relevância na construção do futuro. É entender que as páticas de Saúde estão ancoradas na cultura, que a educação ao longo da vida tem que ser uma prática cultural, que a igualdade de género implicam novas práticas culturais, que só há cidades sustentáveis se a cultura estiver presente, que a cultura é necessária para resolver os conflitos e construir a paz. E que só haverá uma sociedade alicerçada na investigação, na inovação e na educação se a cultura tiver um papel ativo na sua construção.

A projecção que hoje podemos fazer do futuro em 2030, olhando para as tendências que hoje podemos prever, o de um mundo que poderá ser habitado por cerca de 8, 5 biliões de seres, 70 % das quais viverão em espaços urbanos. Biliões que irão pressionar todos os sistemas de abastecimento de água, de suporte à vida em sociedade, à produção de habitação, das necessidades de segurança, de produção de energia limpa e renovável, de produção alimentar. Tudo isso em conjugação com o aumento da esperança média de vida e com o alargamento das “doenças do desenvolvimento” (obesidade, alzheimer, senilidade) à medida que o progresso de alarga nos países da Ásia, da América do Sul, de África, ao que se junta o progressivo envelhecimento das populações do mundo desenvolvido e os impasses do seu crescimento económico. Nós vemos um mundo em acelerada perda de biodiversidade, que abate a suas florestas em nome dum progresso que não tem futuro. Um mundo que sabemos que temos de alterar pela força do conhecimento e com a Cultura.

Sendo certo que essas projecções não passam disso mesmo e de que a ideia que hoje temos do “desenvolvimento” poderá ser reequacionada, não podemos deixar de considerar que esses são problemas que de algum modo já estamos a enfrentar nas nossas cidades e onde alguns de nós já atuam.

A gentrificção do centro de Lisboa, por exemplo, as pressões imobiliárias nas áreas patrimoniais, como na Colina de Santana em Lisboa ou no convento das Cardosas no Porto, questões que estão na agenda pública, sobre as quais algumas organizações culturais se têm vindo a manifestar preocupações sobre a sua sustentabilidade em termos de contribuição para a criação de cidades inclusivas e participadas.

Sobre estes casos haverá contributos que as organizações da cultura podem dar, olhando para as heranças e patrimónios, a partir dos quais de podem revitalizar os tecidos urbanos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.