A Cultura na Agenda 2030 nas Nações Unidas (I)

Cartaz_Sessao_ODS_25_5_2016Síntese do Encontro de 25 de maio de 2015

A Associação do Arqueólogos Portugueses, o ICOM Portugal, o ICOMOS Portugal o Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e o Instituto de Ciências Sociais promoveram um encontro para debater o lugar da cultura nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Um encontro que teve lugar no passado dia 25 de maio, no museu do Carmo em Lisboa.

A questão orientadora proposta foi o debater o lugar da cultura na Agenda do Desenvolvimento Sustentável e a forma como as organizações culturais podem construir a sua agenda para intervir na sociedade.

O ponto de partida de reflexão passou pela constatação sobre o processo de formulação da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável, que assenta em três pilares: a economia, a sociedade e o ambiente. Uma concepção que dá origem a 17 objetivos e 169 medidas, onde a cultura, não estando completamente ausente, é pelo menos menorizada. Ao longo do processo, embora as organizações culturais tenham debatido e proposto a Cultura como um quarto pilar do desenvolvimento, a versão final dos ODS, acabou por assumir a dimensão transversal da Cultura no processo de implementação da agenda.

Diversas organizações culturais[1] têm chamado a atenção para um paradoxo: A cultura que é referida como um bem a proteger na sua diversidade e como um instrumento de desenvolvimento da economia (sobretudo para o turismo sustentável e para as produções locais) não está presente como objectivo explícito nos ODS e suas medidas. A simples ausência de medidas para apoiar o referenciar o contributo da diversidade cultural nestes ODS, conduzirá inevitavelmente à menorização da percepção da relevância da Cultura nos ODS, e à consequente dificuldade em a incluir no financiamento projetos ou acções a propor no seu âmbito.

A proposta das organizações culturais, para colmatar este hiato passa pela construção duma agenda procurando demonstrar a necessidade de incluir a Cultura e as práticas culturais na construção do Desenvolvimento Sustentável[2]. Uma agenda que devemos construir a partir de cada território de intervenção, procurando identificar os domínios de ação e levar a voz das organizações culturais até aos responsáveis políticos e à comunicação social para dar visibilidade às boas-práticas.

[1] Veja-se por exemplo a Plataforma Colaborativa http://www.culture2015goal.net/, que agrupa as seguintes organizações IFACCA – Federação Internacional dos Conselhos de Artes e Organismos para a Cultura, Agenda 21 da cultura, Comissão da Cultura da UCLG, IFCCD – Federação Internacional das Coligações para a Diversidade Cultural, Culture Action Europe, Arterial Network, MC – Conselho Internacional da Música, ICOMOS – Conselho Internacional de Monumentos e Sítios

[2] http://www.agenda21culture.net/index.php/pt/documents-pt/key-issues-pt

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.