Lusotopia: Diversidade Cultural e a Agenda 2030 (IV)

Este projecto que hoje aqui nos trás, o da Rede de Escolas Lusófonas, é um exemplo paradigmático a este respeito. A Diversidade Cultural na Lusofonia é constitui-se como um espaço de comunicação e é necessário tomar consciência de que ele necessita de políticas de comunicação, que se podem configurar em redes para mútuos benefícios.

É certo que há muita gente que crítica a ideia de “Lusófono” a partir da sua dimensão “imperial” (porque ele aglutinou também a velha ideia neo colonial da “comunidade lusíada”). Há quem coloque reservas ou mesmo rejeite o temo, pela suspeita da vontade de reconstrução do Império a partir da Língua. Duma língua que recusa o lugar do outro.

É certo que o termo “Luso” ou o Lusotopia” ao acentuar a mítica matriz europeia, talvez não seja o mais adequado para a ideia clara do diálogo que hoje se procura construir a partir da língua. Uma língua que é hoje rizomática e que absorve múltiplas influências de matrizes diferenciadas.

Mas também é verdade que, na ausência de um novo substantivo que dê corpo e essa vontade de futuro, dele não podemos por enquanto escapar, nem que seja porque ele nos permite entender o nosso passado comum. Um passado feito de complexidade, violência, de desencontros e encontros. Se queremos valorizar a Diversidade Cultural, como ação, a partir do encontro, não podemos deixar de interrogar se não será esse o lugar da cultura na Lusofonia?

É nesse domínio, para finalizar, que apresentamos o desafio de trabalharmos, aqui nesta Universidade, em articulação com a UNESCO, a questão da Diversidade Cultural na Lusofonia. Uma proposta que visa criar competências, de ensino e de investigação a partir do intercâmbio e troca de saberes com base na lusofonia para criar práticas de reconhecimento da diversidade cultural

A proposta alarga-se à colaboração com organizações da sociedade, sobretudo não-governamentais (ONG), para o desenvolvimento de projetos interdisciplinares, envolvendo várias áreas da atuação da Unesco, nomeadamente na colaboração para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, a agenda 2030 das Nações Unidas.

A proposta tem com principal objetivo a criação de ligações entre académicos, a sociedade civil e as comunidades locais e desenvolver as ligações entre as comunidades lusófonas. Procurará criar redes de competências locais e criar polos de excelência e inovação nos espaços lusotópico no âmbito da exploração da sua diversidade, envolvendo plataformas de extensão formativa e a colaboração outras entidades para obtenção de financiamento.

Esta proposta que tem como base a ideia de “Ligar pessoas, construir pontes e valorizar a consciência”, através da relação ente a economia com a cultura na criação de inovação social no contexto lusotopico. Pensar a geocultura da lusotopia como lugar de enunciação e espaço de prática da Diversidade Cultural, porque a valorização da diversidade é ato de reconhecimento.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.