Lusotopia: Diversidade Cultural e a Agenda 2030 (III)

A Lusofonia constitui, nesse quadro de construção duma vontade de futuro, um espaço de possibilidades de ação. Um espaço de Diversidade, onde a tal tempestade nos legou heranças, diversas, controversas, muitas vezes, mas também feitas de Encontros. É esse encontro que nos interessa hoje valorizar na sua diversidade.

É certo que muitas vezes esse encontro foi violento, que gerou dominações, desigualdades. Mas não o podemos ignorar ou apagar, sob pena de perdermos a identidade que procuramos, paradoxalmente, reconstruir.

Como todos sabemos, só existimos e nos realizamos plenamente quando nos conhecemos a nós e aos outros. Esse reconhecimento é a relevância da Diversidade Cultural. Sendo certo que podemos sempre escolher com quem queremos andar, não podemos fugir daqueles que nos acompanharam e que nos ajudam a reconhecer-nos a partir das diferenças. Não é pois possível construir uma diversidade a partir do branqueamento da memória, tal como não é possível pensar o futuro sem incluir o nosso presente.

É este espaço da Lusofonia como lugar de Encontro da Diversidade Cultural que gostaríamos de aqui enunciar como forma de ação para o futuro – quatro ideias para trabalhar o Lugar da Cultura na construção duma Agenda 2030 na Lusofonia e lançar um Desafio aos presentes.

  • Sobre a Política Cultural para a Lusofonia.

No passado as políticas culturais foram instrumentos da afirmação das identidades nacionais. No presente global as Políticas Culturais deixaram de constituir instrumentos de disjunção entre nações, para se constituir como instrumentos de conjunção (ou de dialogo) entre pessoas e grupos. As políticas culturais constituem-se hoje como enunciados de valores sobre a diferença e inclusão social. O espaço da lusofonia é por inerência um lugar para a definição de políticas culturais inclusivas, de construção da paz e da resolução de conflitos;

  • Sobre a política internacional para a lusofonia

Na Política Internacional, seja nas abordagens dos individualismos estatais, seja nas abordagens das balanças dos poderes (mais ou menos liberais), ou seja ainda da procura das regularidades, acentuam-se sempre as dimensões universais da diversidade cultural, dos direitos humanos e da dignidade humana, dos princípios da educação, da saúde, da igualdade de género, da inclusão social. Como toda a relação, seja ele económica, social ou ambiental é mediada pela cultura de cada lugar e de cada locutor, a partilha duma comunidade linguística permite definir campos de intervenção, que adicionam a esta pertença a possibilidade interinfluência no global pela ampliação e partilha de vozes. Será este um espaço para explorar, seja do ponto de vista político, seja do ponto de vista económico seja social a partir das várias agendas que estão hoje em cima da mesa, derivados dos posicionamentos dos Estados, mas também da comunidades que não poderemos ignorar;

  • Sobre as políticas de desenvolvimento na Lusofonia

Uma das dimensões da Agenda 2030 para o Desenvolvimento sustentável é a avaliação dos resultados. No passado, nos ODM, quando muitos os objetivos alcançados ficaram aquém dos resultados esperados, uma da justificação mais frequentemente enunciada, foi a desadequação das práticas às “cultura locais”.

Curioso paradoxo, entre a aplicação acrítica de saberes científicos com o confronto com as realidades dos saberes e capacidades locais. É certo que muitos projetos referem a necessidade de participação das comunidades na definição dos objetivos. Mas também é certo, que as agendas dos programas de Ajuda ao Desenvolvimento não são necessariamente feitas a partir das necessidades das comunidades. Os ODS defendem, mais uma vez a inclusão das vozes dos beneficiários na enunciação dos objetivos dos projetos. Essa é uma dimensão onde a cultura de cidadania, seja através de grupos organizados ou de redes colaborativas ou mesmo das organizações hierárquicas dos e Estados, empresas e universidades serão chamadas a intervir, seja para definição ou avaliação das ações. A Diversidade cultural na lusofonia é um espaço de aproximação e valorização destas práticas, que condicionam, para o bem e para o mal o sucesso dos programas a implementar. Programas que agora são necessariamente inclusivos, focados nas necessidades locais ao longo da vida e na qualidade de vida das comunidades;

  • Sobre as Políticas de comunicação na Lusofonia

É hoje claro que os processos de comunicação são constituídos por complexas redes – pessoais, de grupo, de empresas, de organizações sociais, de territórios, de línguas, de interesses, de afiliações, mediados por diferentes plataformas e canais. Interativos ou directivos, todos eles são meios que mobilizam ideias que configuram e se constituem em redes, de forma formal ou informal, mais persistentes ou fluídas, que se constituem como um espaço de afirmação da diversidade e potencia a sua disseminação.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.