Lusotopia: Diversidade Cultural e a Agenda 2030

Intervenção de Pedro Pereira Leite -ULHT na sessão no dia 4 de maio de 2016 (I)WP_20150906_17_46_10_Pro

  • Meritíssimo Reitor da Universidade Lusófona Professor doutor Mário Moutinho
  • Exmo. Sr. Director da Faculdade de CSEA, Prof. Doutor João de Almeida Santos
  • Exma. Srª Dr.ª. Maria de Fátima Claudino, membro da Comissão Nacional da UNESCO
  • Exma. Srªs Draªs. Madalena Brás e Manuela Carrasco, Diretoras da Rede de Escolas Lusófonas
  • Caros colegas e alunos
  • Exs. Srs. e Sras.

 Saúdo todos os presentes e agradeço o convite para estar presente, neste importante evento que marca o final de mais uma iniciativa de extensão desta Universidade. Uma iniciativa que liga escolas em todo este espaço de diversidade que é a Lusofonia.

É nesta ligação, do encontro a partir da diversidade cultural neste topos da Lusotopia, que hoje me pediram para falar a partir da agenda 2030 das Nações Unidas. Faço-o com um profundo agrado.

Como é público, procurei dinamizar durante o de 2015, aqui na ULHT, bem como noutros espaços (como o Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e na Universidade do Algarve), uma reflexão sobre os 10 anos da Convenção da UNESCO sobre a “Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais”, (2005). Foi um debate onde integrei uma outra discussão, essa mais actual, sobre o “Contributo da cultura para o Desenvolvimento Sustentável”. Uma questão que um conjunto de várias organizações culturais levantaram na preparação das agenda das negociações internacionais, em particular em Setembro nas Nações Unidas, na aprovação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Como todos sabemos a Agenda Internacional é hoje marcada, por complexos e preocupantes problemas. Todos os conhecemos: A questão dos refugiados, as guerras persistentes e devastadora na Região do Maxereque, (ou do Levante se preferirem) e do Sahel, associada que estão também às alterações climáticas e ao problema da água; a crise financeira mundial e os embates entre a democracia representativa e a participação popular, entre tantas outras questões que poderíamos elencar, com os impactos que tem ao nível da salvaguarda dos diferentes patrimónios, dos seus usos e formas de apropriação.

A Agenda 2030 das Nações Unidas, os ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável no acrónimo que tanto agrada às Organizações Internacionais) que passará a mobilizar as nossas motivações na ação, a norte e a sul, implica a identificação de problemas locais, na convicção que a sua resolução contribui para a resolução das questões globais. Independentemente da razão crítica sobre os conceitos de “desenvolvimento” e “sustentabilidade” que certamente alguns de nós partilham, esta Agenda constitui-se como um poderoso instrumento de referência para a ação, e assume-se como uma manifestação da consciência das profundas interdependências destes fenómenos.

No entanto, apesar dessa consciência da interdependência dos fenómenos, os ODS mostram que os seus três pilares assentam sobretudo na resolução de problemas económicos, sociais e ambientais. Deixa de fora o “quarto pilar” da cultura, cuja pertinência tem vindo a ser defendida pelas organizações culturais, incluindo alguns textos de Convenções Internacionais, tal como a acima citada Convenção da UNESCO de 2005, para a “Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais”.

.a Agenda 21 para a cultura



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2016, 5 Junho). Lusotopia: Diversidade Cultural e a Agenda 2030. Global Heritages. Recuperado em 24 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p30u

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.