Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XVIII)

A função social dos museus III: avaliação do processo

Abordamos no postal anterior a clivagem entre uma museologia bancária e uma museologia emancipatória. O reconhecimento da diversidade na ação dos museus que a Recomendação da UNESCO apresenta é um importante reconhecimento sobre as possibilidades de ação no campo da museologia social e nas possibilidades que a problemática da função social transporta.

Aqui importa distinguir os processos museológicos. Quando eles se concretizam no seio de instituições como museus, será difícil escaparem por completo à avaliação da organização e dos seus resultados. Quando os processos museológicos se misturam com o fluir do social, teremos que reconhecer que esses instrumentos não são válidos e procurar outras formas de qualificar os valores sociais produzidos pelos processos. A ciência económica poderá também aqui ajudar a entender estes processos através da análise da produção de externalidades.

De que forma poderemos começar a reflectir sobre as formas de qualificar a produção de valores de externalidades nos processos museológicos. Algumas ideias:

  • Os processos museológicos produzem relações de memória colectiva, sobre a identidade,
  • São espaços de encontro, de sociabilidade, de participação, de solidariedade, de inclusão, de informação e de conhecimento
  • São espaços de produção de serviços a partir da diversidade cultural e dos desafios da multiculturalidade. São lugares de Economia criativa e indústrias culturais
  • São espaços e tempos que oferecem à comunidade a prática de recolha de representações e a ação sobre essas representações
  • São lugares de oferta de trabalho interdisciplinar, e permitem a capacitação pessoal

Sendo estas ideias apenas alguns enunciados sobre a forma como se poderá qualificar a Função social, haverá certamente que explorar as ferramentas da economias criativa para trabalhar a partir do reconhecimento da diversidade na ação. Mas isso talvez seja dar continuidade à relevância hegemónica que identificamos a partir da crítica dos museus. Para a Museologia social, o objeto, o visitante e o museu são apenas pretextos para facilitar encontros.

Recorremos mais uma vez a dimensão da utopia com a proposta duma museologia libertadora, criadora de inovação social ousando ultrapassar a dimensão da análise económica, produtora da ansiedade do produto, para propor o processo museológico como um laboratório para semear o futuro! O valor social é esse fruto que se multiplica todos os dias. Tal como na metáfora do agricultor, no dia em que a árvore deixar de dar frutos deverá ser substituída.

É certo que isto é pouco mas justificar a inovação teórica na museologia. mas isso será uma agenda e desenvolver.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.