Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XVII)

A Função social dos Museus II: A Relevância dos Estudos dos Museus

No último postal abordamos a questão dos Estudos dos Museus com um instrumento de análise dos serviços dos museus, fundamentalmente como produção. Detalhemos um pouco este procedimento que habitualmente apresenta como campo de análise as seguintes questões: os hábitos culturais de visita ao museus, incluindo o perfil do visitante (características sociodemográfica) as suas motivações e expectativas, as preferências, a forma de visita (tempo de visita, em grupo ou individual, recolha prévia de informação, percuros e áreas de interesse), as avaliações da satisfação com a visita, com as atividades educativas, a avaliação geral dos serviços (sinalização, circulação, acessibilidade, informação, funcionamento, e estruturas de apoio).

Mais raramente, mas também por vezes presente nestes tipos de estudos, sobretudo quando são produzidos por instituições externas às tutelas públicas, alguns estudos apresentam algumas reflexões teóricas, recomendações, documentos, metodologia, etc)

Verifica-se que se privilegia portanto a análise económica, duma economia de serviços. Já noutro lugar reflectimos sobre esta questão (Leite, Pedro Pereira, 2011, p 490 ss), pelo qua agora apenas enunciamos algumas questões. Os estudos dos museus tendem a valorizar apenas a vertente do consumo. Embora eles possam dar indicações para a produção do serviço, eles partem quase sempre do lado do consumo. Como sabemos, na teoria económica, a produção de valor é uma relação entre a produção e o consumo. Se deixarmos o mercado funcionar, sem o regular e sem o influenciar, é necessário entende qual o posicionamento da análise.

Ao medir, ou usar apenas uma das componentes da equação (a satisfação dos consumidores), estes estudos de público acabam por mostrar apenas a vontade desses mesmos consumidores e tornam-se em instrumentos de reprodução dos processos. Não avaliam, nem o valor da produção do serviço (o trabalho e os recursos usados), nem o valor de externalidade que produzem para a sociedade. E esta será uma questão particularmente relevante para a função social dos museus, sobretudo para a museologia que está envolvida com o social, que desenvolve em processos museológicos na busca da emancipação e na justiça social. Que age para transformar e não apenas para manter. E aqui podemos compreender um dos campos de clivagem entre a museologia tradicional e a museologia social. Uma procura compreender o real para o manter, outra procura agir sobre o real para o transformar.

É certo que estes Estudos de Museus, vistos como um produto ou como a expressão duma relação produzem informação relevante. São ferramentas que permitem recolher um conhecimento sobre uma atividade (a visita ao museu) sobre os seus visitantes, atuais e permite criar instrumentos de planeamento, para satisfazer e atrair mais visitantes. Tudo isso é feito com base no argumento da aproximação dos museus ao exercício da cidadania, e fundamentam o estabelecimento das políticas culturais públicas ou privadas.

Em certos lugares de tradição anglo-saxónica, como por exemplo em Inglaterra e Estados Unidos, os Estudos de Público são usados com instrumentos que proporcionam uma oportunidade para promover a participação dos visitantes na planificação de exposições a fim de lhes oferecer um serviço mais direccionado com as suas necessidades e exigências, permitindo por vezes alguma organização de conteúdos expositivos em função dos seus interesses e adequar das narrativas ao nível cultural dos visitantes. São também instrumentos que permitem aos profissionais dos museus reflectirem sobre as suas práticas e sobre a forma como a sociedades (que os visitam) olham para o seu trabalho, permitem avaliar o funcionamento dos equipamentos, a forma de gestão, o uso dos recursos, os serviços prestado, e eventualmente a forma como influencia a sociedade, ou se quisermos a sua função social e o reconhecimento da diversidade cultural na sociedade.

Este tipo de Estudos, não deixa de ser, neste contexto, relevantes. Eles são também feitos noutras organizações. Sendo olhado como um serviço, não restam dúvidas que estes instrumentos são úteis. Mas olhando para a museologia como um processo emancipatório, como resolver a função social dos Museologia.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.