Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XVI)

A Função Social dos Museus: Os Serviços dos museus

Enunciamos no último postal algumas questões sobre a forma e sobre os processos que estão a alterar a prática museológica. Transformações nas organizações museológica e de cultura, o confronto cultural entre o norte e o sul da europa entre a liberdade /autonomia individual e a questão do afeto e da solidariedade no mediterrâneo, a diferença de vitalidade entre a museologia nas américas e em África. A emergência da Ásia, entre outras questões teóricas contemporâneas. Deixaremos agora a questão teórica para outro postal e centremo-nos na função social dos museus que enfrenta dois desafios, na perspetiva duma para o futuro.

Quanto a nós a partir desta Recomendação entramos dois desafios: de consciência teórica e de posicionamento na ação. Não basta que uma afirmação seja produzida num texto normativo. Esta declaração tem uma relevância muito grande por afirmar, pela primeira vez num documento da UNESCO, a relevância da Função Social dos Museus. A sua eficácia dependerá, contudo, da forma como os seus profissionais a utilizaram. Ele é que dará corpo à função dos museus na sociedade. Não bata afirmar que essa função existe, é necessário concretiza-la através de instrumentos verificáveis e comparáveis.

Por outro lado, como vimos ao longo dos diferentes postais, as tensões atuais no campo museológico são muito intensas. Haverá certamente quem procure anular o alcance inovador da Recomendação, retirando-lhe alcance e delimitando a sua eficácia como foco da ação. É por necessário que quem se posiciona no campo da museologia social de empenhe em valorizar e em concretizar essa função social.

Há enfrentamentos que estão em curso e que necessitam de ser relevados propondo-se posicionamentos. Tomemos por exemplo uma problemática teórica simples, que mais tarde detalharemos, a questão da participação da comunidade, que tende a ser dissolvida, nas perspectivas mais conservadoras, numa discussão sobre os públicos nos museus. Há um argumento que situa essa discussão no plano mais geral da aplicação duma técnica: o do estudo dos públicos. Uma espécie de estudo de audiência, que ausculta a vontade dos consumidores, procurando, ou ajustar a oferta aos seus desejos ou, em termos de mercado, condicionar a procura.

Importa pois enunciar algumas reflexões sobre as formas como será possível construir uma abordagem mais ampla, sustentada em ferramentas, que permitam avaliar a função social dos museus e da museologia.

Se a Função Social da museologia traduz o processo de adaptação ao tempo e ao espaço das instituições e processos museológico, como avaliar esse processo. Que tripo de ferramentas poderemos usar. Já mais acima enunciamos as ferramentas sobre os “Estudos dos Públicos” que tem por base a concepção de que o museu produz um serviço que a sociedade consome. O último estudo sobre a aplicação destes estudos foi feita em 2015 pela Ibermuseus . Aqui .

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.