Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XV)

O papel da museologia brasileira na nova Recomendação

Verificamos acima que através dos sistemas de administração da memória se abriam janelas para entender as configurações dos diversos poderes sociais e das suas disputas pela afirmação da memória social, das relevâncias socialmente significativa. Em última análise essas reconfiguração abrem disputas que afirma processos de musealização de novos objetos, tal como a nova museologia vinha defendendo desde Santiago do chile.

Levantamos a hipótese de que a produção de textos (Convenções, Recomendação e Delcarações) também eles configuram processos de reconfiguração dos saberes e das praticas no campo museológico. Isso é, a nosso ver, particularmente evidente na observação do percurso desta Declaração e nas dispustas, que a seu pretexto ocorreram no campo da teoria museológica.

Sabemos que esta Declaração teve início com uma iniciativa do Ministro da Cultura do Brasil, Gilberto Gil, em preparar uma agenda para os museus que configura-se uma “Museália”.

Já acima descrevemos uma parte deste processo, pelo que agora apenas queremos acentuar que o processo que conduz à apresentação da Recomendação tem origem num grupo de museólogos, entre os quais Mário Chagas, Cláudia Stornino e Juca Ferreira, que a propósito do processo de auscultação aos agentes culturais que o Ministro Gil leva a cabo, lhe apresentaram a agenda “Museália”, um nome que se inspirava no movimento musical “tropicália” que o próprio ministra havia participado, enquanto músico, nos anos sessenta. Movimento tropicalista foi um movimento cultural que reuniu a vanguarda artística que procurou expressões estéticas inovadoras.

Tal como tinha acontecido na música, a Museália propunha uma museologia tropical. Uma nova forma de fazer museologia, adaptada à sociedade brasileira[1]. Uma ideia que colheu junto do então ministro da cultura e que permitiu marcar uma agenda em torno das políticas públicas para museus. Esse programa para os museus estava concebido como um programa de intervenção na sociedade com base na cultura, como um direito de cidadania, como um contributo par a a economia e como uma contribuição simbólica da criatividade no Brasil.

Esse programa para a cultura teve como principal resultado a formação da agenda para a cultura com base nos pontos de cultura e, no caso dos museus, nos pontos de memória. A implementação da política de  museus conduzirá posteriormente à criação do Instituto Brasileiro de Museus, o IBRAM, cirado em 2009. Entre 2003, quando é constituído o Ministério da Cultura (MinC) a valorização e o crescimento das instituições museológica no brasil foi exponencial. A relevância dos museus na vida cultural e social brasileira é também criada a partir duma visão participativa. Os pontos de cultura ou o pontos de memória procuravam, junto de cada comunidade, ativar os lugares de vitalidade. A comunidade museológica foi chamada a participara ativamente na construção dum sistema democrático de participação, uma iniciativa inédita no mundo dos museus, que foi consolidada pelas semanas dos museus. A política Nacional dos Museus, aprovada em 2003 é o corolário desse esforço, que dá origem ao sistema Brasileiro de Museus, uma organização em rede, que o IBRAM irá dinamizar. Essa arquitetura, que não foi linear, nem isenta de conflitos de poder, representou o reconhecimento do espaço ocupado pelos museus na sociedade, com base numa política cultural enraizada e interessada na vida social, política e económica.

A Museália não foi só uma nova concepção para as políticas museológicas, represnetou também uma transformação do olhar sobre a função social dos museus, que passam a ser considerados como parceiros da comunidade na resolução dos problemas enunciados, mais do que lugares de poderes ou hegemonia, como até aí se constituima a maioria dos museus.

Não é pois de surpreender que conscientes dessa vitalidade, o Brasil tenha igualmente montado uma estratégia de afirmação desta anova museologia, através da dinamização deste instrumento normativo na UNESCO.  Tratava-se de dar corpo a legitimidade a um processo de transformação que estava em curso. Uma estratégia que os responsáveis brasileiros montam com engenho, ao agregarem os parceiros latino americanos como aliados para a apresentação da proposta. É nesse contexto que em 2007 se procura levar à aprovação duma Declaração sobre a Museologia na Iberoamérica, que ficará conhecida como a Declaração de Salvador (https://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2010/02/DeclaracaoSalvador.pdf )

Diz a Declaração no seu início “ o museu deve ser como o “cavaleiro andante que, pelos desertos, pelas soledades, pelas encruzilhadas, pelas selvas e pelos montes, anda procurando perigosas aventuras, com intenção de lhes dar ditoso e afortunado termo, só para alcançar gloriosa e perdurável fama”; que à semelhança do cavaleiro andante, o museu devasse “todos os cantos do mundo, entre nos mais intrincados labirintos, acome-ta o impossível a cada passo, resista nos ermos páramos aos ardentes raios do sol de um pleno estio, e no inverno áspero ao influxo dos ventos e dos gelos (…)”. o que irá justificar a proposta de destacar o museu como espaço central de afirmação das memórias. Uma afirmação feita a partir do respeito sobre a diversidade e a diferença, para partilhar futuros, com base nas autonomia de “acessar memórias criativas, de reinventar utopias, de trabalhar com os museus a favor da dignidade social, da justiça e da cidadania”. O texto desta declaração é de resto bem elucidativo da vitalidade e vigor da afirmação deste movimento.

Um vitalidade que conduzirá à campanha de organização da Assembleia Geral do ICOM no rio de Janeiro, em 2013, com base no lema “Museu+Memória+ Criatividade = mudança social”. Uma frase plena de força que permitiu levar para o Rio de Janeiro a organização do mias importante evento da museologia mundial, durante o qual foi possível observar e visitar vários dos pontos de memória e novos tipos de museus que se enraizavam na cidade e, também por essa via, ganhar espaço de afirmação para a Recomendação

[1] Em 2010 sairá uma revista com esse nome veja-se em http://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2013/09/revista-musealia.pdf

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.