Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XI)

Museologia e Renovação da Teoria Museológica

Verificamos mais acima que uma Recomendação da UNESCO é um instrumento normativo. É inferior, em termos de força vinculativa á Convenção que obriga os estado, mas, como Recomendação, vincula, quer as políticas públicas, quer os profissionais com práticas e com objetivos de ação.

O campo da museologia (aqui visto como o campo teórico dos estudos sobre a memória colectiva, dos Estudos do Património e dos Estudos sobre os Museus da memória) e das suas práticas, de salvaguarda e comunicação através de processos que se concretizam na sociedade, em diferentes instituições de forma mais ou menos formais (museus, arquivos, bibliotecas) ou não formais (escolas, centros culturais equipamentos diversos) ou mesmo informais (em qualquer lugar), estabelece relações tensas com a modernidade.

O pensamento museológico trabalha sobre as heranças, sobre os instrumentos normativos, nos quais a produção de Convenções, Recomendações e Declarações da UNESCO são instrumentos paradigmáticos, a partir de heranças epistemológicas. Estas relações contem a historicidade do pensamento museológico. Em certa medida constituem-se como sistemas de herança da memória e que se configuram como sistemas de administração da memória.

A arquitetura documental da UNESCO mostra-nos releva aquilo a que poderemos considerar como “Sistemas de administração da memoria social“. Estes sistemas de administração da memória coletiva constituem-se como processos de representação do real. Processos que dão origem a estratégias de preservação, que se repercutem em ações de produção dessa memória coletiva e dos seus processos de reprodução. Produção de memória e produção de acções educativas (ou dos processos de reprodução dessa memória) delimitam o campo da acção museológica. Um campo que trabalha a relação entre o ser humanos e os seus objetos socialmente qualificados (os bens culturais e naturais) num determinado contexto (um cenário). Uma relação em que o natural se torna cultural pelo olhar e pela ação de proteção, salvaguarda, conservação  e pela ação de promoção, valorização

Esta relação no campo epistemológico desenvolve-se no processo de atribuição de relevância (processo de produção de memória coletiva) que lhe atribui ou não atributo de Património (Herança), a partir da qual se constitui uma qualificação (atributo patrimonial), e que origina uma ação (o processo de musealização, que o salvaguarda e o comunica).

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.