Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (VI)

Os textos matriciais da Museologia Social

No nº 15 dos Cadernos de sociomuseologia, em 1999, Judite Primo apresenta “Museologia e Património: documentos Fundamentais”. Nesse nº da Revista são apresentados um conjunto de textos que são relevantes para o campo da museologia contemporânea, alguns deles que se constituem com matriciais da nova recomendação da UNESCO. Iniciado-se pela apresentação da UNESCO, nos seus objetivos para os museus, apresenta ainda o papel do ICOM, o Conselho Internacional dos Museus, enquanto organização de profissionais, que tem tido um trabalho de reflexão sobre as técnicas e as funções dos museus, bem como do ICOMOS, o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios.

O ICOM e o ICOMOS são duas organizações internacionais, de profissionais dos museus e do património, que atuam em áreas muito semelhantes. Se o ICOM talvez se preocupe mais com a instituição “Museu”, o ICOMOS, talvez se preocupe mais com os Monumentos e Sítios, com os seus usos e gestão. É pois difícil delimitar em absoluto os campos em que atuam, encontrando-se mesmo vária áreas em que os temas que são trabalhados são coincidentes.

Também de comum entre estas duas organizações internacionais, encontra-se a pratica de aprovação de recomendações e declarações sobre questões de relevância, muitas das vezes procurando dar indicações, normas, soluções de boas práticas para os profissionais dos museus e do património. É pois natural que o numero de documentos matriciais sejam numerosos e diversos.

É no entanto possível definir, para a Museologia Social, um conjunto de textos matriciais sobre a Função Social dos Museus. E esses  textos encontram-se nos Cadernos de Sociomuseologia”.

Num dos estudos solicitados aos peritos pela UNESCO, sobre a função social dos Museus, para efeito de análise desta recomendação, refere que é possível encontrar uma preocupação com as sociedades, já no século XIX, em alguns museus dos Estados Unidos teriam esse função (ver François Mairesse)   mas efetivamente é a partir de 1972, com a Declaração de Santiago do Chile, na defesa dum “Museu Integral” que a Museologia Social ancora a sua matriz reflexiva.

Consideramos como contributos diretos que conduzem a esta Recomendação os seguintes documentos:

  • Em 1958, o Seminário Regional da UNESCO, realizado no Rio de Janeiro, onde fica estabelecido a necessidade dos museus terem uma “função educativa”
  • Em 1972, a Mesa Redonda de Santiago do Chile, onde surge o conceito de “museu integral”. De acordo com essa reflexão o museu torna-se um espaço de ação, onde se concretizam processos. Pode-se dizer que em Santiago do Chile emerge a ideia de que cabe ao museu desenvolver processos de mediação social. Essa mediação implica, de um lado a existência duma Função Social, e, por outro lado, implica a necessidade de formação específica dos profissionais dos museus; mais, em Santiago emerge também o compromisso do Museu com o Desenvolvimento e a responsabilidade política do museólogo: uma responsabilidade na ação.
  • Em 1984, na Declaração do Quebec, no Canadá, a função social dos Museus ficará formalizada como marca dessa “Nova Museologia”. No Quebeque reúne-se um fórum de Eco-museu, incentivado por Varine. Num contexto de encerramento do ICOM às novas experiências museológicas, os promotores da ecomuseologia, procuravam reunir, num movimento todas as novas experiências que se estavam a dar na América, como por exemplo, os musues de comunidade e de vizinhança. E foram essas diversas experiencias que acabaram por dar corpo a ideia de Nova Museologia, uma museologia que coloca o social no centro da sua pratica museológica, vista como “interdisciplinar”. Uma outra novidades nesta reunião. Uma declaração que dará origem, no ano seguinto à formação em Lisboa do Movimento para uma Nova Museologia (O MINOM), que passou a atuar como estrutura organizada no seio da comunidade museológica.
  • Também nesse ano, reunirá em Oatxapec – no México um fórum de museus comunitários onde ficará registada a estreita relação entre território- património- comunidade. Esta matriz trenaria dará corpo a essta nova Museologia, uma Museologia comprometida com o social. Esta declaração realçará a necessidade de incoporar nos processos museológicos a participação das comunidades para integrar e compreender os processos simbólicos dos patrimónios locais.
  • Em 1992, na Caracas – Venezuela, surgirá ainda no campo da matriz da Função Social dos Museus, a relevância dos processos de comunicação como função museológica, através da qual se assegura a participação das comunidades nos processos museológicos. É necessário comunicar. O museu integral de Santiago do Chile deverá ser um Museu Integrado na Comunidade.

Atrevemo-nos a juntar a estas declarações a Declaração do Rio, aprovada em 2013 no XV Atlier Internacional do MINOM onde é aprovada uma recomendação de que é necessário descolonizar o pensamento, a museologia e os museus. E que esse é o desafio da Museologia Social e do MINOM. Uma Museologia do Afeto que contribui para a transformação. Trata-se duma nova Poética Museológica, que o tempo dará ou não consistência.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.