Educação Global II

No último postal abordamos alguma questões sobre a Educação global.

Há várias vozes que se tem vindo a levantar defendendo a necessidade de descolonizar, des patricalializar e descapitalizar  a educação.  É necessário que a escola ajude a pensar de forma diferente. Uma educação voltada para o futuro, marcada pelos valores da justiça, pela criação de capacidade de ação e pelo trabalho com as emoções.

 

Os grandes objetivos da educação são

  • Identificar problemas,
  • Implementar soluções,
  • Enfrentar complexidades,
  • e trabalhar com utopias

Essa são os princípios da educação popular, já em prática em muitos países da América  do Sul.

Oscar Jara e as suas experiências com Educação popular são úteis para compreender o tipo de mudanças que é necessário promover.

O Mundo está a mudar. É necessário pensar numa educação que se ajusta à mudança. é necessário colocar a questão : que educação para que tipo de mudança? ou por outras palavras, pensar na relação entre o  processo educativo e os desafios do contexto histórico. Ou seja a educação serva para nos adptarmos à mudança ou para agir sobre a mudança?

Não é fácil responder a estas questões. São tensões contraditórias e que mostram o modelo social que se quer seguir. Uma educação para a competitividade e eficiência no mercado de trabalho, ou uma educação para a democratização ou cidadania global. A educação está na base de qualquer mudança.

A educação libertadora não produz sozinha a mudança social, mas não haverá mudança social sem educação libertadora. são 7 as ideias para um educação emancipadora educação para a vida.

Educação Popular releva a pedra de afeto nas relações humanas, e os processos de destruição  do planeta.  Por isso advoga uma educação:

  1. Uma outra educação e uma melhor educação. Uma educação emancipadora, popular, libertadora.
  2. Uma educação que equacione de forma crítica o modelo de  desenvolvimento. É necessário problematizar o desenvolvimento e imaginar as ações possíveis.
  3.  a educação como um processo ético, politico, cultural, pedagógico (centrada nas aprendizagens), estético (recantar, repensar, rir)
  4. uma educação onde os sujeitos são protagonistas das transformações. Não há transmissão de conteúdos, mas uma preocupação de criar condições para pensar de forma crítica.
  5. Um outro papel para os educadores. Educar é uma expêriencia de gerar aprendizagens. Criar paixões para descobrir.
  6. Uma educação com uma pedagogia da resistência. A pedagogia da proposta, do dialogo da mobilização e da esperança.
  7. Uma educação para a utopia. A procura da coerência (como propôs Paulo Freire).

A aventura do conhecimento. O conhecimento não uma coerência mas a procura da coerência. É necessário criar uma pedagogia criativa, produtora de frutos.

As Lições da América Latina por uma educação emancipadora popular mostram que os principais desafios e resistência só podem ser respondidos através das propostas de construção de relações democráticas.

Os princípios para pedagogia emancipatória na América são:

  1. A criação de sujeitos transformadores,
  2. Modelos de mudança sociopolítica foram dominantes nos anos 60 aos 80. A  lição foi que a liderança do poder politico não muda a sociedade. Nos anos 90 a proposta foi transformar a sociedade alavancada no extrativismo. Os processos de mudança são longos.
  3. É necessária uma liderança ética e pedagógica nas estruturas hegemónicas.
  4. Sente-se a emergência dum novo paradigma viver bem e bem viver. Paradigma de viver numa sociedade planetárias, em relação com a natureza, numa sociedade de diversidade. Construir outra forma de convivência humana, com a natureza e com os outros povos. O processo transformadores tem que ser regionais.
  5. As interdependências e as diversidades/ autonomia e autodeterminação são chaves para a transformação das relações de poder
  6. A transformação nas universidades. Relação pesquisa, ensino, extensão ampliam o papel das universidades. É necessário combater o modelo da universidade como produtora de serviços, separada dos problemas da sociedade.
  7. A construção da esperança como impulso de transformação. “Escolhi a sombra desta árvore para repousar do muito que farei enquanto esperarei por ti.” A espera como esperança conforme propôs Paulo Freire.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.