Sintra, Belém e a Gestão Patrimonial por Pedro Cardoso

lisboa2O meu bom amigo Pedro Cardoso publicou na lista Museum o seguinte artigo.

Uma bela discussão, aquela que diz respeito à tão popular questão “Sintra, Belém e a gestão patrimonial nacional” (mensagem n.º 15308).

É engraçado, e sintomático, que a discussão sobre Património seja agora protagonizada por arquitetos, engenheiros civis, e outros atores sociais que encontraram no Património o emprego que não está disponível nas suas áreas de formação. Foi isso que fez multiplicar os cursos de património e museologia, a eito, em formato compacto, para que se pudessem apresentar como conhecedores da matéria. E não foi por acaso, foi por causa daquela necessidade de rendimentos que referi atrás, e por outra que referirei mais adiante ligada aos interesses urbanísticos e turísticos.

O Professor Luís Efren Casanovas dizia nas aulas que a primeira vaga foram os técnicos dos AVAC’s empurrados à socapa pela Indústria do Frio. Foram esses que deram o primeiro empurrão nos Conservadores, substituindo o Saber da Preservação por projetos de museus (e respetivas remodelações) que exigiam custos com AVAC’s incomportáveis para os recursos e sustentabilidade da Gestão do Património (basta fazer as contas às janelas, elevadores, coeficientes térmicos das infraestruturas, e outras especificações técnicas na Fase de Projeto e de Concurso Público para ser essa realidade, demonstrável sem equívocos ou motivações ideológicas que não sejam o lucro despudorado fora do controlo da ética e da democracia).

A segunda invasão foram os arquitetos, engenheiros, e especialistas em turismo. Basta olhar para as estruturas intermédias, e para os cargos onde se decide «o que é Património» na Administração Pública (local e central) para vê-los. Agora não é apenas a Indústria do Frio, são os interesses da Industria da Construção Civil, dos Hoteleiros, dos Mediadores Turísticos, e dos Comerciantes de Marcas. Basta olhar para a margem do Tejo e para a «Av. 24 de Julho» para se ver a crescerem como cogumelos prédios de 3 e 4 andares, que substituíram os de 1 e 2 andares. Tudo com a tal autorização dos Responsáveis do Património que são, exatamente por isso, da mesma área profissional e de formação. A seguir já se projetam edifícios de muitos mais andares, como os das cidades asiáticas ou americanas, que em breve serão vendidas como um novo conceito de Património, até que as duas margens fiquem repletas daquilo que os construtores civis fizeram no Algarve e noutros sítios do mundo. Estão em causa milhões de milhões em apartamentos de luxo e em lojas de marcas multinacionais. As mesmas lojas e produtos que encontramos em todas as cidades do mundo.

Este despudor, e este roubo dos direitos dos cidadãos/ãs com rendimentos abaixo de 500 euros por mês, que não têm dinheiro para pagar as propinas para os filhos/as tirarem cursos nas universidades dos iluminados doutores que botam faladura sobre o Património, é agora mascarado por um pretenso conhecimento sobre «Aquilo que é Património, ou não é».

É a Vida… como alguns costumam dizer. Não há nada a fazer. Há a corrupção legal; e há a corrupção moral. Há quem julgue que tem legitimidade por ter mais votos; e há os que acham que a legitimidade é feita de valores e de caracter. É a Vida… os mais fortes falam e fazem; os mais fracos calam e consentem.

Aquelas centenas de Pessoas pobres, e os milhares que tinham acesso ao Património da Paisagem do Tejo, agora vêm as traseiras dos edifícios dos que podem pagar milhões, e dos que podem pagar diárias em hotéis de centenas de euros. Aquele usufruto de milhares de Pessoas Anónimas de várias gerações que usufruíam as encostas de Sintra, e com isso construíam a identificação com aquele Património, foram substituídas por aquelas com dinheiro e formação para compreenderem o sentido profundo do Belo e do Património, sobretudo estrangeiras. As empresas engordam, os resultados económicos são apresentados em powerpoint para gáudio dos acionistas e da comunicação social (cujos donos até são quase os mesmos) Etc., etc.

Na narrativa do autor deste artigo do Público é nítida uma motivação ideológica (baseada no lucro, no desejo sôfrego de construir, e de destruir ou modificar o que havia antes). Há uma grande e compreensível confusão sobre «aquilo que é Património».

Ora, a Gestão do Património faz-se e avalia-se pelo Índice Matemático de Patrimonização [IP=Fx(iP+iD+iC/cT+cR)] em que iP é o índice de Preservação, iD é o índice de Documentação, iC é o índice de Comunicação, cT é o coeficiente de Transmissibilidade, e cR o coeficiente de Reconstituição. E o Património não é aquilo que se ensina no IST ou nas Faculdades de Engenharia e de Arquitetura. É por causa disso que o autor do artigo mostra que não percebe do que está a falar quando fala de Património (é visível que não se apercebe disso por estar convencido e convicto). OPatrimónio não são os Objetos e as Coisas; é o Valor e a Relevância que através delas se quer transmitir às gerações vindouras, num processo Evolutivo que prolonga a Estratégia de Vida Eucariote.

O que as novas construções e transformações já fizeram ao «Eixo Santa Apolónia, Terreiro do Paço, Belém» e a Sintra foi destruir o Património (paisagístico, natural, cultural, humano) que havia substituindo-o por outra coisa, sobretudo por construções, lojas e alojamentos que dão lucro aos industriais do turismo e da construção. Antes havia uma identificação cognitivo-emocional que ajudava a construir a Identidade de Portugal, feita com todas as Pessoas independentemente da sua condição social, cultural e de rendimentos – aquelas e aqueles que se chamavam «Portuguesas e Portugueses».

Essa função crucial do Património, para construir a Identidade e a Pertença a uma Nação, talvez seja um empecilho aos Novos Tempos e aos Novos Interesses. Mas então, não enganem as Pessoas, tenham a coragem e a honestidade de lhes dizerem ao que vêm.

Pedro Manuel-Cardoso

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.