Novos Desafios para a Museologia Social

 

A pergunta “para que servem os museus?” pode parecer irrelevante. Afinal todos sabemos o que é um museu. Para uns a resposta mais simples é que o museu é um edifício, onde há certos objetos de valor, e que pode ser visitado em certas condições; para outros, o museu já será equipamento de natureza cultural, onde se apresentam colecções de objetos raros e importantes para a história, e que devem ser visitados para fins de lazer ou aprendizagem.

De qualquer modo museus são em regra edifícios bem definidos num local, seguro e vigiado, onde encontramos uma história ilustrada através de certos objetos, e que deve ser conhecida por quem o visita o museu. Será isso para que serve um museu?

Sim, um museu pode ser isso, mas também pode ser muito mais. E esta questão do “pode ser” é a dimensão poética que a Museologia Social tem vindo a defender e que agora faz parte das Recomendações da UNESCO sobre a “Proteção e Promoção dos Museus, Colecções, da sua Diversidade e da sua função na sociedade[1]

Essa recomendação diz que os museus têm funções primordiais (a preservação, a pesquisa, a comunicação e a educação) e um conjunto de desafios que devem questionar o tempo e o espaço onde se encontram e a comunidade que servem. Estes quatros desafios para os museus na sociedade são: assegurar a diversidade e a identidade das colecções num tempo de globalização (i), devem contribuir para uma economia sustentável e para a qualidade de vida (ii), para um melhor integração e coesão social, para dar voz aos mais desfavorecidos e aos grupos indígenas (iii) e devem integrar nos seus processos a inovação tecnológica e de comunicação (iv).

O que o museu pode SER é uma agenda complexa que implica capacidade de adequar os processos das comunidades às questões relevantes do tempo em que se vive. Num momento em que esta Nova Museologia vê cristalizada numa Recomendação, que se transforma numa agenda mundial, os princípios que lhe deram voz, novos desafios se colocam.

Há três desafios que necessitam de ser pensados nesta Museologia do Afeto

  1. O de Criar espaços de Encontro
  2. O de Criar Ligações
  3. O de Criar felicidade

[1] https://globalherit.hypotheses.org/?s=Recomenda%C3%A7%C3%A3o

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.