Paisagens Culturais e Unidades de Paisagem

Discutiu-se no último encontro do ICOM Portugal a questão da Paisagem definida pela Carta de Siena sobre os Museus e a Paisagem Cultural, defendendo, o envolvimento dos museus na preservação e estudo da paisagem,, questão que mais à frente abordaremos. é certo que o texto remete-nos para paisagem Italiana. Mas há aqui uma preocupação de alargar este conceito ao museus.

Como em todos os casos há de delimitar o que se pretende significar com o conceito de paisagem. Já é conhecida a abordagem dos paisagistas que a definem como a ação sobre o país.  Ele remete-nos para o conceito de Unidade de Paisagem que é usado no Ordenamento do Território.

As unidades de paisagem constituem áreas relativamente homogéneas, que denotam a estreita relação entre as características ecológicas de um território e as actividades que nele se desenrolam. São um exercício de síntese, que agrupa um conjunto de factores, seleccionados de acordo com os objectivos do Planeamento Ambiental, permitindo o seu relacionamento, assim como a adopção de medidas e estratégias de intervenção, que possuem uma inteligibilidade de funcionamento intrínseca aos tratos de paisagem em causa.

rsz400 Pico

O estudo das unidades de paisagem está assim, directamente ligado com uma interpretação do território que pressupõe, neste caso, uma proposta de intervenção, em que os seus objectivos foram determinantes para o recorte realizado, também influenciado pelos limites da área de intervenção.

O Concelho de Sintra apresenta limites que são em certos casos mais expressivos, caso da transição Terra/Mar que sustenta a definição da Unidade Litoral, estabelecida pela relação e cumplicidade existente entre estes dois meios. Noutros casos a linha de demarcação entre unidades pode não ser efectiva, em virtude de o limite ser de carácter administrativo, caso da Unidade – Complexo Vulcânico, que mantém relações de afinidade, com outra unidade do Concelho limítrofe – a área concelhia de Loures.

rsz400 Porto

Sendo a paisagem um sistema dinâmico, a delimitação de unidades de paisagem tem no contexto ecológico a sua base de delimitação, por serem os factores ecológicos que, determinam, pela sua interacção complexa, a Estrutura Fundamental da Paisagem. No entanto, a resiliência ecológica da Paisagem é determinante para a sustentabilidade dos usos antrópicos que a deveriam modelar dentro de limiares de sustentabilidade.

Laurissilva A paisagem cultural, passível de protecção, é aquela em que a adequação entre as componentes ecológicas e as culturais é mais efectiva. Por esse facto, foram consideradas, na delimitação das unidades de paisagem, as duas componentes – ecológica e cultural – uma vez que ambas estão intimamente ligadas e concorrem para a sua caracterização.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.