Função social do Museus e Museologia Nómada XX

A que necessidades sociais poderão corresponder as funções sociais dos museus. 

Voltando à função social dos museus e tendo identificado, e caracterizado alguns aspectos que definem as condições de produção e de consumo culturais na sociedade, portuguesa actual procurarei adequar funções a necessidades específicas. Entre as necessidades sociais que os museus podem colmatar, necessidades que depois de identificadas podem contribuir para a definição da sua função ou funções sociais distinguiria, seguindo a proposta de Lima Santos a:

Necessidade/função de constituição, e conservação, de colecções (de carácter material ou imaterial) que possam ser socialmente úteis.

E esta desdobrável nas seguintes:

  1. Necessidade/ função identitária
  2. Necessidade/ função de sociabilidade
  3. Necessidade/ função de participação cívica
  4. Necessidade/ função de solidariedade
  5. Necessidade/ função de inclusão multicultural
  6. Necessidade/ função de informação
  7. Necessidade/ função de aquisição/transmissão de conhecimentos de modo crítico  e de acordo com múltiplas leituras

(i) A necessidade que as comunidades sentem de organizar elementos que ajudem a construir uma identidade local, esteja  ela ligada ou não a um território (podem ser até territórios imaginados, simbólicos, de carácter étnico-religioso, ou outro) justifica a criação contínua e até a intensificação da produção de novos museus sobretudo de âmbito local.

(ii) O enfraquecimento da consciência cívica como resultado de um desacreditar das instituições políticas, de um intensificar do individualismo ao qual não é alheio o consumismo, do retraimento no espaço doméstico e do desaparecimento dos tradicionais espaços de sociabilidade resultantes da periferização das zonas habitacionais; assim como da crescente e caótica urbanização dos locais conferem aos museus um lugar importante como espaço de encontro e de partilha. Os museus como espaços públicos normalmente situados em zonas centrais das cidades podem constituir-se como espaço de reactivação dessas sociabilidades perdidas. O museu pode ter o sentido social dos antigos adros de igreja, dos cafés centrais, das praças públicas, ou parques, enquanto espaços de encontro e convívio.

(iii) Outro desafio para os museus, que é de certo modo uma consequência do primeiro, é o da crescente necessidade de comunicação intercultural, aquilo a que os linguistas chamam “tradução” e que hoje tem implicações que ultrapassam largamente o domínio linguístico. A progressão das sociedades urbanas, dos países centrais, no sentido de um  maior multiculturalismo é potencialmente perturbadora de uma certa ordem social que nos habituámos a ter como homogénea e culturalmente identificável com determinados símbolos, ou ícones, muitos deles guardados em museus. A sociedade portuguesa é, presentemente, uma sociedade em processo acelerado de transformação no sentido não só de uma maior multiculturalidade, mas igualmente no sentido de alteração dos lugares que os imigrantes ocupavam nas nossas hierarquias de valor e de representação do “outro”. O aumento da circulação de indivíduos pelo mundo, quer por razões na sua grande maioria de origem económica mas igualmente por via de situações insustentáveis de guerra e de intolerância, tem criado contextos de diversidade cultural potencialmente problemáticos. Esta crescente invasão de culturas diaspóricas tem contribuído para aumentar as tensões nas sociedades urbanas, para desfazer os sentimentos de identidade das sociedades hospedeiras ou, pelo contrário, para criar quase artificialmente novas identidades que são potencialmente focos de confronto e de intolerância. Parte desta situação prende-se com o desconhecimento mútuo entre grupos sociais que numa primeira fase irão manter-se afastados uns dos outros, e construir imagens sobre os outros à distancia (Appadurai 1998). Os museus são dos cidadãos e não dos naturais dos lugares (Merriman 1991). Não são mais dos portugueses nativos do que são dos ucranianos ou cabo-verdianos que habitam as nossas cidades. Os museus etnográficos podem ser um forum importante de debate sobre a dimensão cosmopolita culturalmente híbrida das sociedades contemporâneas, não nos seus aspectos exóticos mas sublinhando as universalidades que emergem na desordem da diferença. Os museus de história local gozam da vantagem de estarem próximo das populações, das suas memórias, das suas identidade de actualização dos processos de transformação das mesmas.

(iv) Os indivíduos só são solidários quando entendem os “outros”. Norbert Elias fala em processos de interacção/repulsão de uns grupos em relação aos outros. Processos que têm simultaneamente uma componente de aumento de diversidade e de diminuição de contrastes de acordo com a proximidade e o interesse de incluir ou excluir grupos recém-chegados a um dado território. A informação sobre as diferentes culturas que compõem o tecido social que o museu serve, e a possibilidade de encontro dos diferentes grupos no espaço do museu é, simbolicamente, o reflexo de uma política mais global de inclusão que pode ter repercussões muito positivas em termos do atenuar de situações potencialmente anómicas.

(v) Outra função social dos museus é a sua contribuição para a construção de parcerias entre grupos de cidadãos das mais diversas origens. Esta é mais uma forma de construção de uma sociedade inclusiva e solidária em que os museus são apenas um entre outros parceiros. Trata-se de um hábito de pensar que deve penetrar toda a sociedade num espectro largo de representatividade de grupos de todo o tipo.

(vi) Falámos em informação e de facto uma das funções sociais do museu é a de informar. Hoje a informação é um instrumento fundamental para o exercício da cidadania. Os museus que definem a sua função social como primeira prioridade, preocupam-se em expor temas e não apenas colecções, os objectos servindo para ilustrar histórias que tenham algum sentido para as pessoas. Na última conferência que teve lugar em Lisboa, no passado mês de Setembro[1] foi repetidamente afirmada a prioridade dada pelos nossos colegas dos museus ingleses à função educacional dos museus, e esta entendida muito mais como uma função social do que como uma função de carácter educativo. A própria “aprendizagem” foi definida (Sue Wilkinson 2001) como “um processo de envolvimento activo na experiência” como resultando de um esforço de construção de sentido em relação ao mundo que nos rodeia. As pessoas que visitam os museus querem poder escolher a informação que lhes convém. Os visitantes têm os seus próprios interesses que procuram desenvolver, as suas próprias questões que procuram solucionar.

(vii) O museu deverá assim responder às questões que existem no seu  exterior dando às pessoas instrumentos para melhor as entenderem tornando-os assim mais interventivos. A informação deve ser apresentada como uma entre outras leituras dos factos. De acordo com os resultados de um estudo sobre a forma como as pessoas aprendem num museu de historia natural do Quebec, estudo realizado com a participação dos visitantes, concluiu-se que  “o que o visitante aprende são as relações situacionais com o meio ambiente” (Dufresne-Tassé e Lefbvre 1995, 100). A visita ao museu é assim, sobretudo, um processo de recontextualização. A função educativa ultrapassando deste modo a mediação entre o objecto e o visitante torna-se por essa via eminentemente social.

(viii) Finalmente, e indo a montante da própria criação do museu, a função social dos museus pode ser extensível à própria constituição do seu espólio. Num livro recentemente editado por Simon Knell intitulado “Museums and the Future of Collecting” (1999) o autor refere que “no fundo a razão pela qual criamos colecções é porque os objectos retêm um aspecto multidimensional de uma forma que nenhum outro meio de recolha atinge” (Knell, 1999, 200) Os museus devem adoptar estratégias que correspondam a uma visão mais holística da colecção. Os objectos devem ser recolhidos com um sentido de utilidade pública, participativa, nos seus aspectos, mais “dinâmicos” leia-se mais próximos da realidade plural dos indivíduos.

[1] Conferência internacional organizada pelo IPM no centro Cultural de Belém (10 e 11 de Setembro de 2001) com a presença de 6 ingleses ligados a experiêrcias educativas em museus e para museus  (Victoria and Albert Museum, British Museum, Universidade de Leicester, Tyne & Museums, Group for Education in Museuns e National Portrait Gallery, Resource, the Council for Museums, Archives and Libraries) e de um galego do Centro Gallego de Arte Contemporaneo, para além de portugueses ligados a museus locais e nacionais assim como a museus de fundações privadas.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.