Museologia Nómada e Função Social do Museu XIX

As pulsões de transformação do consumo dos museus em Portugal.

Em Portugal assiste-se, desde à cerca de uma dezena de anos, a um processo de retraimento da actividade do Estado como produtor de cultura, centrado-se na produção de espaços de cultura. As políticas nacionais permitiram criar redes de bibliotecas, museus, arquivos, teatros, escolas de artes performativas ou não. A produção tem vindo a ser assumida de forma crescente por iniciativa de empresas ou associações.

É certo que  esta tendência é mais forte nos centros urbanos cosmopolitas e mais frágil nas zonas periféricas, onde as organizações do estado, sobretudo autarquias, se mantém, pelo menos ao nível do financiamento, muito ligadas à produção, suprindo uma “certa” deficiência do seu consumo. Um consumo que nos centros cosmopolitas tem vindo a permitir uma certa sustentabilidade das iniciativas culturais. Há mesmo um sector económico emergente o da “economia criativa”, que se mostra como uma boa alternativa.

Paradoxalmente, esta vitalidade na economia criativa cosmopolita, e do associativismo cultural periférico, dá-se num contexto de aparente redução da participação cidadã.

Se o período pós-revolucionário português mostrou uma forte vitalidade no associativismo em geral, e na esfera da cultura em particular, a adesão à então Comunidade Europeia, produziu um desgaste na atividade associativa.

Curiosamente  esses sinais, no campo dos museus locais, foi ocultado por um grande crescimento de projetos municipais, corporizando em muitos lugares refluxo destes movimentos e a sua cristalização no campo dos patrimónios. Ou seja da desregulação do Estado e a intensidade de participação ( Fortuna e Silva ,2001);  regista-se após 1985 a uma crescente regulação do estado da esfera cultural, e uma diminuição da participação social e um aumento da profissionalização dos profissionais da cultura.

As organizações culturais assumiram o seu papel de instituição legitimadora do poder, sendo o momento áureo das grandes iniciativas estatais. O Centro Cultural de Belém, as Capitais Europeias de Cultura, a Expo 98 com base nos oceanos, etc que deram origem a elevados investimentos no património e nos museus (Dionísio, 1993).

A regulação do Estado e a profissionalização do agentes, a partir do início do milénio, acerta o passo com as tendências europeias, e as lógicas do mercado e a crescente participação da sociedade portuguesa no processo de globalização levam a uma contradição entre a visão do estado como produtor cultural e o consumo de produtos culturais pela população urbana.

O consumo cultural, orientado para bens efémeros, para a experiência do momento, para a cultura dos festivais levaram à perda de relevância das velhas instituições de memória e das suas representações. A Expo 98 marca de certo modo a emergência dessa cosmopolitismo, contagiando igualmente os poderes locais, que fizeram acompanhar o encerramento dos investimentos em infra-estruturas com a procura de grandes eventos de referencia local, ligados à economia do turismo. Como afirmou Carlos Fortuna e Paul Abreu este investimento novo  na oferta cultural tornou-se o património  da modernidade ao nível local (Fortuna e Abreu, 2001).

Em suma a oferta cultural a partir do início do novo milénio  levou à criação duma nova forma de consumo da cultura, dos hábitos culturais, das práticas de lazer  que podem ser trabalhados, como diz Lima Santos, com base nas seguinte evidência empíricas:

  • (i) ao peso do capital escolar combinado com a condição social no acesso aos bens próximos do campo de produção erudita (Silva e Santos 1995);
  • (ii) às assimetrias entre os mundos masculino e feminino em torno da oposição entre espaço exterior e espaço doméstico (Silva e Santos 1995, Lopes 2000);
  • (iii) ao peso da idade na definição de práticas de saída e na sua organização espácio-temporal, havendo a assinalar a existência de um universo de práticas juvenis que se demarca das práticas das famílias e dos idosos;
  • (iv) e a importância dos pares e grupos de afinidade na escolha das práticas de saída. Estes levantamentos identificam, ainda, o consumo mediático no espaço doméstico como sendo dominante e transversal a todos os grupos sociais e geracionais. Por outro lado é nas saídas para espaços mais especializados e exigentes em capital cultural, como é o caso dos museus, que se verifica uma maior redução do volume dos praticantes e o afunilamento da estrutura social (Fortuna e Abreu, 2001: 10).
  • Aos jovens são atribuídas as práticas de saída mais intensas (Lopes 2000) e potencialidades acrescidas de invenção e combinação de práticas e espaços, distanciando-se contudo dos espaços de enquadramento institucional, dada a sua forte adesão a uma componente convivial e expressiva que está normalmente ausente naqueles espaços.

Ou seja, as novas práticas culturais afastam os novos públicos dos velhos equipamentos culturais, em particular dos “velhos” museus, às velhas narrativas, a escolarização das narrativa museológica. Se essa situação se traduz numa distanciação dos públicos locais dos museus, valerá a pena interrogar se eles voltarão.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.