Museologia Nómada IX – economia em Moçambique

Na análise liberal o curto prazo subpõe-se ao longo prazo.

Vejamos o caso de Moçambique:

As elevadas taxas de investimento estrangeiro levaram a um  crescimento do PIB a mais de 5%. Numa década, aumento do Investimento estrangeiro deu origem a uma inflação a 7 % ao ano.

Qual foi o impacto do crescimento económico na resolução do problema da pobreza. A redução da pobreza foi menor do que era expectável. O crescimento económico não se traduz por uma redução da pobreza,

Fatores de discussão para reduzir a pobreza.

Criação de emprego- Moçambique tem um padrão de crescimento não intensivo. Depende da despesa social do complexo mineiro-industrial e florestal, que não geram mercado de trabalho. Não esta associado a produção de bens e serviços, sua transformação e venda, não gera emprego local.

O crescimento da produtividade fica afunilada no complexo mineiro e energético.  O aumento do poder de compra real das camadas mais baixas, que consome 80% da sua  renda em alimentação, é negativo. O efeito inflacionário absorve o efeito de crescimento.

Por essa razão, nos diferentes anos os fatores de conflitos sociais foram as questões dos produtos alimentares, e os preços do combustível .

O efeito de afunilamento da economia moçambicana, a concentração do investimento externo nas matérias-primas ( 80 % nos minerais e produtos florestais), com fraca geração de emprego, conduz a que as empresas locais não absorvam o efeito de crescimento gerado para catalizar atividade económica. Em termos classicos, o fraco aumento do poder de compra das comunidades, não permite a acumulação de riqueza. A economia de Moçambique não retém a riqueza criada. A dívida pública doméstica aumenta . Os incentivos fiscais são redundantes para as grandes empresas.

O crescimento não se reflete na melhoria da performance do sistema financeiro do estado. O endividamento do estado está a aumentar, e a especulação sobre ativos financeiros estão a absorver os efeitos de geração de capital.

Alguns debates atuais em Moçambique

a) se se acelerar o crescimento nos mesmos padrões, será viável prever, que a partir de certo ponto a probreza deverá poder ser  resolvida ? Ou será necessária mais ajuda externa ?

b) se se fizar ajustamentos de curto prazo para diversificar e alargar a base produtiva haverá que fazer mudanças: renegociar os contratos grandes projetos e fazer uma gestão de espectativas



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2016, 26 Março). Museologia Nómada IX – economia em Moçambique. Global Heritages. Recuperado em 24 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2yx

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.