Museologia Nómada I (Excessos )

Inspirado no pensamento de Giles Deleuze  o filósofo autor do Livro “Mil Planaltos” em colabora com Felix Guatteri a museologia nómada é uma museologia que advoga a ptiencia do corpo em olhar o real de múltiplas formas.

Giles Deleuze não foi e não é um filósofo de fácil compreensão, muito menos o seu livros “Mil Planaltos” , cuja leitura andamos à longos meses a digerir, numa segunda tentativa, depois dos idos anos de noventa.

Nómada, é algo que está em transita, algo que não tem um lugar fixo. O pensamento nómada é portanto, por analogia, um pensamento que não parte da premissas pré-estabelecidas.

O pensamento clássico, o pensamento herdado de Sócrates e Platão, recuperado no renascimentos, e que marcou a modernidade até ao século XIX, tem com pricipal atributo, ou premissa:

a) há algo de bom na natureza que necessita de ser procurado, e essa procura/encontro é possível pelos humanso (os bons humanos, ou homens de boa-vontade)

b) que o que há de bom na natureza pode ser encoberto (ofuscado) pelas paixões. O corpo, os seus impulsos e sentidos não são, à priori, instrumentos adequados para procurar essa verdade

c) É necessário um método para captura e compreensão da verdade. O acesso à Bondade da natureza plena depende do rigor do método.

Através destas premissas o pensamento clássico, e moderno admite que é possível encontrar a verdade, como algo que existe independentemente do sujeito, através da aplicação rigorosa do método.  A verdade é algo que está inscrito na natureza e que pode ser revelado.

Mais, se o processo da atingir essa verdade depende dum método, que é um exercício de olhar o mundo através de instrumentos (metodologias) adequados, o pensamento é o processo que permite aos humanos alcançar a verdade.

A Verdade é algo que se situa fora do pensamento e do mundo das ideias e o pensamento é o processo que permite aceder a essa verdade, algo que é absoluto. A Verdade é uma realidade que se situa no mundo, num plano exterior das ideias e que pode ser acessível através da experiência metafísica do pensamento. A Verdade, revelada pelo pensamento, como experiência metafísica, apresaenta-se com algo de imaterial.

O pensamento nómada, alicerça-se no pensamento crítico, que afirma o caráter relativo da verdade, como algo de depende da perspectiva do processo de observação. Um mesmo fenómeno pode ser  apreendido de diversas formas por diversas pessoas e por diversos motivos. Cada ponto de observação e cada subjetividade terá uma apreensão diferenciada dum mesmo fenómeno.

O pensamento nómada flia-se por sua vez em Nietzsche Deleuze e Foucault.

Um campo onde se pode observar o pensamento nómada é o da produção artística.  Bataille, Passillini, Godard, entre outros são expressões desta transgressão de forma poética.

Comparando o pensamento clássico, platónico, que procura a mortificação do corpo para uma apreensão mais pura da verdade, o pensamento nómada convoca e encontra o corpo como um espaço de resistência aos dispositivos de poder (no sentido de Foucault) e o parte do corpo como exercício de libeertação..

Se o poder age sobre o corpo, interditando a sexualidade e comportamentos desviantes, é pelo corpo que o pensamento nómade irá ter um de seus campos de resistência.

O pensamento nómada não é apenas um pensamento metafísico. Ele é na sua essência um discurso e uma prática. Parte da experiencia (matéria) para atingir o pensamento, o relfxivo.

É só através do enfremento com o real que o pensamento é ativado em busca de alguma verdade (que é nessa medida sempre relativa).

Para Deleuze, “O que define o pensamento, as três grandes formas do pensamento, a arte, a ciência e a filosofia, é sempre enfrentar o caos, traçar um plano, esboçar um plano sobre o caos.” (2000, p. 252)

Se isto não é suficiente para tornar claro o que é o inesgotável tema que é o pensamento nómada, ele pelo menos permite verificar as suas  características anárquicas e antidogmáticas.

O posicionamento nómada mobiliza novas formas de existência, singulares, que não se encaixam em quaisquer categorias pré-estabelecidas, sendo a própria categorização um modo de querer enquadrar essa singularidade em um papel pré-estabelecido, da qual ele, em sua natureza de transgressão não procura.


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.