A Museologia Social em Portugal, os visitantes dos museus e o futebol

No passado Sábado reuniu-se em Lisboa uma Tertúlia do MINOM Portugal com o tema “Economia do Património”, animada com uma palestra de António dos Santos Queirós WP_20160130_15_25_04_Pro.

O tema e o processo não me eram particularmente apelativos.  Estes encontros de MINOM, reproduzindo os modelos académicos potenciam a energia criadora que o MINOM tem inscrito na sua matriz genética.

Para mais realizados num sábado à tarde, no final duma intensa semana se sociomuseologia, envolvendo seminários, mesas redondas, juris de teses, reuniões de trabalho, etc. A presença dos miúdos fornecia o pretexto ideal para, passar pelo sítio, dar um abraço aos amigos, e escapar para o Museu da Politécnica, para explorar as suas salas silenciosas. Regressava no final para auscultar as opiniões gerais.

O tema “Economia do Património” também não constituía um atrativo. Há nas narrativas contemporâneas uma especial atração por ajativar substantivos. Agregar significâncias particulares para atribuir relevância a enunciados que procuram justificar campos de análise. É o caso desta “economia do património” , que me parecia querer medir o grau do valor do património. Não que não exista relevância na externalidades geradas pelo património na vida económica. Mas um sábado não é o dia mais indicado para pensar nisso. Adiante.

O objectivo era medir o pulso. E entre as discussões geradas saltou a questão dos visitantes dos museus, o nº de espectadores de futebol, e a relevância social dos museus.

Ora segundo os dados no INE, relativos ao últímo inquérito aos visitantes em museus (2014) 11.749.732  de pessoas visitarem os  cerca de 392 museus em Portugal (352 no continente), dados de 2012. Em 2010 haviam sido  10.362.944. Um nº surpreendente que dá uma média de cerca de 30.000 visitantes por museu. Ou se quisermos 82 visitantes por dia por museu.

Comparando, por exemplo, com o número de espectadores de futebol 2.231.258 espectadores em 2015 (dados dos jogos da Liga), o número dá uma medida da intensidade do fenómeno do museu que multiplica 4 a intensidade do fenómeno do futebol. Ora em termos de relevância social, por exemplo o tempo de televisão gasto com o debate sobre futebol, a intensidade dos fenómenos não parecem corresponder.

E´sem dúvida uma comparação grosseira sobre dois fenómenos diferentes.  O futebol afeta. O museu não afeta da mesma forma. Quem vai a um estádio (e as estatísticas mostram apenas os espectadores e não mede os que vêem na televisão, que são o que dão expressão ao mercado da publicidade que gravita em torno do futebol) vibra com o que assiste. Será que o museu afeta com a mesma intensidade.

É certo que há museus e museus. Espaços mais visitados, lugares que afetam mais. Mas mesmo como qualidades diferentes não valerá a pena interrogar as relevâncias dos investimentos públicos nos fenómenos. Uma questão que valerá a pena aprofundar no futuro.

WP_20160130_15_25_46_Pro WP_20160130_15_29_57_Pro

 



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2016, 2 Fevereiro). A Museologia Social em Portugal, os visitantes dos museus e o futebol. Global Heritages. Recuperado em 29 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2yb

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.