Songs for Freedom – Por João Lindolfo Filho

Das proibições às apropriações: Heranças musicais afro-americanas e as conexões dos audazes Griots do Terceiro Milênio´

João Lindolfo Filho . Publicado in  Lusotopias, nº 2, 2015

A Diáspora Africana que espalhou o negro pelo mundo para ser explorado na condição de escravo, muito embora carregasse uma inexorável capacidade de destruição de vidas e almas, acabou por disseminar também a cultura, a visão de mundo, forma de contato com o cosmo e a música que constava de sua bagagem.

A partir de então, a paisagem cultural de qualquer ponto do planeta jamais seria a mesma, sendo transformada, perpassada pelo crivo da cultura negra que, historicamente, tem funcionado como elemento de sustentação e de resistência à violência que lhes infligiam os seus algozes.

Na contemporaneidade, manifestações de resistência, persistência, lutas e vitórias têm seus pilares profundamente enraizados em aspectos culturais e tornam muito presente uma sensação de pertencimento, que funciona como elemento de sustentação mental, física e espiritual para os artífices envolvidos, os quais têm encontrado nessas culturas, que remetem a uma África mítica, o substrato para o resgate de sua história e virtuosas conquistas.

Estudos de Lindolfo dão conta de que sempre foi, e ainda é, imensa a produção cultural e musical dos afrodescendentes, inclusive alusiva a marcantes episódios e seus heroicos protagonistas, como Rosa Parks, Luther King, Malcom X, Zumbi dos Palmares.

Desta feita, inevitavelmente, as metrópoles presenciam o surgimento e a solidificação de um traço cultural que, desde a travessia oceânica, vem cada vez mais se amalgamando com outras culturas, tendendo a transformar, a se recriar e se difundir, agregando mais e mais entusiastas, independentemente da condição étnica, de forma que, de forma gradual, considerável parte da produção musical do Ocidente vai sendo, inexoravelmente, infuenciada pelo crivo das produções musicais de matrizes africanas. Há muito de cultura africana na música contemporânea e, em conformidade com o observável, o número de adeptos desses gêneros, sobretudo dos afro-originários, não para de aumentar.

São diversas e numerosas as produções afro-originárias e, entre as afro-americanas, destacamos o candombe do Uruguai, o merengue da República Dominicana, bastante popular em Porto Rico, Haiti, Venezuela, Colômbia, que foi levado pelos escravos da África Austral, Angola, além do calipso de Trinidad e Tobago, tocado em galões que, anteriormente, continham óleo combustível. E ainda a rumba, o maxixe, a salsa, o bolero, o blues, o samba, assim como as várias fusões.

O blues, unindo-se à música tradicional Jamaicana, originou o reggae. Já o jazz derivado do blues, nascido nos Estados Unidos, oriundo do lamento dos escravos nas colheitas de algodão, fundiu-se com o samba, que, por sua vez, proveio dos toques de candomblé dos terreiros de culto, das lavouras de cana e café do Brasil, originando a bossa nova, que se difundiu pelo mundo, transformando sobremaneira a História da música, principalmente a  da Música Popular Brasileira.

Com efeito, os gêneros musicais produzidos no Brasil têm logrado respeito nas metrópoles do mundo. O samba nascido com conteúdo realista e de reflexão social fora proibido na década de 1920, criminalizado pelo código penal de então. Hoje, se tornou distintivo de identidade nacional e tem sua apoteose em forma de enredo, no carnaval de São Paulo e Rio de Janeiro, considerado o maior espetáculo da terra. O samba reggae ijexá era a marginal fusão do samba com o reggae jamaicano que teve expressão nos blocos afros Ile Aie e Olodum e, por meio de Margareth Meneses, artista posteriormente descoberta por David Byrne,  o qual  pertencia ao  grupo inglês Talking Heads,  tornou-se axé music.

Atualmente, o axé music se espalha pelos Estados Unidos e pela Europa na voz de Ivete Sangalo, Paula Leite, Daniela Mercury, gênero que tem o seu clímax no carnaval da Bahia. Há também o funk carioca que, no início, descrevia a realidade das comunidades do Rio de Janeiro e chegou a ser proibido. No entanto, sobreviveu sob o sugestivo codinome de “funk proibidão”, comercializado clandestinamente nas barracas da zona sul do Rio, e hoje com seu tom satírico, altamente sexualizado e voltado ao luxo, se tornou um importante gênero da música brasileira, movimentando muitos dividendos.

A música caipira, que outrora fora discriminada, originou a música sertaneja universitária, detentora de um imenso mercado. Embora com menor expressão, há também o forró que se transformou em “forró universitário”, e a música rap, enquanto uma das formas de expressão do movimento hip hop, e que se transformou em  um  capítulo à parte.

Todos esses gêneros musicais originados no Brasil, após o período de marginalização e/ou proibição, acabaram por ser abordados pela chamada indústria cultural que, em sua inexorável ânsia por dividendos, imprime a sua capacidade de domesticação de conteúdos visando à maior aceitação pelo público e, consequentemente, a um  significativo alcance do “produto”.

Assim foi com o samba, que se tornou pagode, o samba reggae ijexá, que se transformou em axé music, a música caipira que se modificou para sertanejo universitário, o forró, agora forró universitário, o funk carioca, entre outros.

Entretanto, há o pitoresco caso do rap. Na contemporaneidade, os jovens afrodescendentes das metrópoles do globo têm se agrupado em torno de uma cultura vivenciada nas periferias dessas metrópoles, formando um movimento social que vem capitaneando uma releitura das histórias, culturas e do quotidiano dos afrodescendentes no planeta, influindo sobremaneira nos rumos dessas culturas.

Surgiu originariamente negro de influência afro-jamaicana, no início da década de 1990  no Bronx, bairro de Nova Iorque, e se proliferou por este mundo que se globaliza como expressão da chamada cultura de rua. No decorrer das décadas, adquiriu status de fenômeno urbano mundial e, passando a contar com a simpatia de considerável parcela dos jovens, foi conquistando, nas metrópoles, melhoria de condição social e cultural para os negros.

A cultura hip hop, que carrega em seu bojo enorme parcela dos aspectos culturais, políticos e sociais, tem agregado mais e mais jovens de diferentes etnias. Existem afirmações no sentido de que, nos Estados Unidos, quando ele surgiu com conteúdo marcadamente contestatório, logo passou a ser objeto de um dossiê intitulado: “o rap e a segurança nacional”. A partir de então, parece-nos, inicia-se o processo de transformação que conduz o gênero musical a esse momento de enorme ostentação em seu conteúdo, mas ainda assim, atingindo expressiva popularidade e importância no mundo, chegando a figurar como trilha musical em publicidades de produtos como Coca-Cola e Mac Donald’s e a inspirar renomados estilistas como John Galliano, que,  quando estilista da Maison Dior, desfilou modelagens de street wear.

Já o rap brasileiro e o rap francês, por não se submeterem a muitas concessões, permanecem se configurando em discurso de oposição da juventude das metrópoles, capitaneado principalmente por estes audazes artífices, Griots do Terceiro Milênio, os rappers, bem como por outros expoentes da cultura hip hop.

Teria esse gênero musical a capacidade de, na atualidade, apesar de não passar pelos cânones acadêmicos, influenciar positivamente nas trajetórias de alguns jovens fadados a um destino funesto? E alteraria sua percepção sobre as relações sociais e sua possibilidade de crítica e ação quotidiana?

Particularmente, sou inclinado a imaginar que sim. Aliás, pensando como espécie, humanos que somos todos sob o único ecossistema, há que se notar que a herança africana não tem responsabilidade pelo aquecimento global, pelas bombas de efeito moral, pelos canhões, pelas metralhadoras e tanques, pelas armas de destruição em massa. Muito pelo contrário, tem lhe cabido privilégio de tornar o mundo mais colorido, a cantar, a dançar, a se alegrar.

Assim, por paradoxal que pareça, se confirma, a cada dia, a impressão de que aos desumanizados de outrora tem cabido a prerrogativa de humanizar, paulatinamente, a humanidade, por meio da herança africana, para o horror daqueles que sofrem de negrofobia.

Referências bibliográficas

  • CASTRO, Ruy(1990) Chega de Saudade- A História e as histórias da Bossa Nova.São Paulo,Companhia das Letras.
  • LINDOLFO FILHO ,J. (2004) in Tribos Urbanas: Produção Artística e Identidades.Lisboa,ICS
  • MAFFESOLI, Michel (1987) O Tempo das Tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massas. Rio de Janeiro, Ed Forense-Universitária.
  • PAIS, J. Machado(1993), Culturas juvenis. Lisboa, Imprensa Nacional/Casa da Moeda.
  • ROSE,Tricia(1994), Black Noise: Rap Music and Black Culture in Contemporary América. Londres, Wesleyan Univ.Press.
  • Consultoria de- Cíntia D. Lindolfo, Taís A. D. Lindolfo do grupo- Flôres e Bossa Samba Jazz- e dos
  • Hip Hoppers: Laurent Magnier, Jean C. Magnier.

,

 

 


 



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2016, 15 Janeiro). Songs for Freedom – Por João Lindolfo Filho. Global Heritages. Recuperado em 29 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2y5

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.