Museologia Social em Movimento III

in Cadernos do CEOM por Mário Chagas, Paula Assunção e Tamara Glass.

III

A Declaração MINOM Rio 2013 compõe-se de duas partes bastante nítidas e diferenciadas, uma apresenta considerações e a outra recomendações.

A primeira parte firma posição a favor de uma “Museologia com intenção de mudança social, política e econômica, a partir da mobilização social, por intermédio de um processo de conscientização vinculado à memória e que reconhece as tensões e os vários tipos de violências sofridas pelos seres e agentes portadores de memória […]”.

A afirmação de uma museologia que assume sem rodeios e sem receios a sua intenção de contribuir para a mudança social, política e econômica é suficiente para tornar os participantes da XV Conferência em herdeiros da Mesa Redonda de Santiago do Chile (1972) e da Declaração de Quebec (1984) e, ao mesmo tempo, em construtores de futuro. Estamos aqui diante de uma perspectiva museal que, ancorada no social, avança em direção ao político e ao econômico.

A primeira parte da referida Declaração apresenta um conjunto de considerações, defende a quebra de “hierarquias de poder, a fim de que surjam novos protagonistas de suas próprias memórias”; sustenta a compreensão dos “museus comunitários como processos políticos, poéticos e pedagógicos em permanente construção e vinculados a visões de mundo bastante específicas”. Essas considerações indicam o compromisso com uma visão de mundo de caráter libertário que reconhece a importância de se estimular, a partir da memória e dos museus sociais, novos agenciamentos, novas linhas de fuga, novos processos de empoderamento. Seguindo por esse caminho os participantes da XV Conferência colocaram em relevo a “atuação dos museus sociais, dos museus comunitários, dos ecomuseus, dos museus de favela, dos museus de território, dos museus de percurso e dos espaços museais”, reconhecendo que para todos eles deve ser assegurado o pleno direito de desenvolver experiências libertadoras.

Não é o desejo de eternidade o que move esses museus, eles se assumem como transitórios, são resultado de uma museologia da transitoriedade, eles vão e voltam, abrem e fecham, “fazem e desfazem suas memórias, sentimentos, ideias, sonhos, ansiedades, tensões, medos e vivem sua própria realidade, sem pedir permissão às autoridades estabelecidas”. Isso é novo.

Por fim, a Declaração MINOM Rio 2013, em sua primeira parte, sustentando postura inovadora e exemplar, reconhece “que todos esses museus e processos museais assumem seus próprios jeitos de musealizar e se apropriam e fazem uso dos conhecimentos do modo que lhes convém”.

Desarmando a crítica rasa e ligeira que diz que toda museologia é social e que, portanto, não faz sentido falar em Museologia Social, o MINOM sustenta o entendimento de que a Museologia Social é uma práxis de combate às práticas preconceituosas, racistas, moralistas, autoritárias, aristocráticas, hierarquizantes, homofóbicas e xenofóbicas assumidas por determinados museus e orientações museológicas, a partir de seus ideólogos e operadores.

Na contramão de uma museologia normativa e frequentemente perversa impõe-se a Museologia Social, sensível, compreensiva e libertária, “constituída de novas formas de afetividade, respeito mútuo e indignação”.

A Declaração MINOM Rio 2013 coloca “em destaque a compreensão de que a Museologia Social consiste num exercício político que pode ser assumido por qualquer museu, independentemente de sua tipologia”.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2016, 8 Janeiro). Museologia Social em Movimento III. Global Heritages. Recuperado em 3 de Março de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2xz

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.