Museologia Social em Movimento II

in Cadernos do CEOM

por Mário Chagas, Paula Assunção e Tamara Glass

Ao longo das últimas três décadas o MINOM, valorizando o trabalho coletivo e participativo, vem compreendendo o museu como um dispositivo estratégico para a defesa da dignidade social, da cidadania e do direito à criatividade e à memória.

Nesse sentido, o museu não tem valor em si, mas o valor que lhe é atribuído pela sociedade e pela comunidade da qual surgiu e para a qual trabalha. O seu acervo é constituído pelas demandas sociais e, por isso mesmo, está comprometido com a melhoria da qualidade de vida e com a geração de benefícios para a comunidade local.

A XV Conferência Internacional do MINOM construída com essa mesma tônica criou mecanismos de participação nacional e internacional. Antecedendo a Conferência houve um trabalho de preparação, articulação e mobilização que durante meses envolveu diversos atores sociais. Esse trabalho constituiu um indicativo claro de que a Museologia Social alcançou um nível de enraizamento que ultrapassa os limites fixados pelo poder público e se afirma como movimento social independente.

Algumas questões contemporâneas que tocam de modo sensível os museus sociais e os denominados pontos de memória podem ser traduzidas nos seguintes termos:

  • como garantir, por meio de uma política pública de cultura, o compromisso de investimentos sistemáticos e continuados em iniciativas de memória e em processos museais de base comunitária e de alcance popular?
  • Como garantir que os investimentos públicos nessas iniciativas e processos inovadores não sejam utilizados para cooptá-los e amordaçá-los?
  • O que fazer para enfrentar a ampliação da visibilidade, sem reduzir a autonomia e o protagonismo das iniciativas de memória e dos processos museais populares e comunitários?

Estas e outras questões estiveram presentes e informaram a Declaração MINOM Rio 2013. O processo de construção da Declaração foi participativo e levou em conta a polifonia do encontro; de algum modo, a Declaração reflete o coletivo, o espírito do seu tempo e, por isso mesmo, é possível que seja inovadora. O tempo dirá.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2016, 7 Janeiro). Museologia Social em Movimento II. Global Heritages. Recuperado em 3 de Março de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2xy

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.