Economia da cultura: Entrevista com Ana Carla Fonseca Reis

in  Governo do Estado do Rio Grande do Sul em 02-01-2012

Ana Carla Fonseca Reis é administradora, economista, pesquisa urbanismo e cultura e trabalhou por quinze anos em marketing e comunicação de multinacionais. Conferencista internacional em economia da cultura, economia criativa e cultura e desenvolvimento, é autora de um punhado de livros, dentre eles Economia da Cultura e Desenvolvimento Sustentável – o Caleidoscópio da cultura (Manole, 2006), primeira obra brasileira sobre o tema e vencedora do Prêmio Jabuti 2007. E esta é apenas uma abreviação de um extenso currículo.Neste ano, Ana Carla esteve em Porto Alegre em duas ocasiões para debater com a comunidade cultural local. Em uma destas oportunidades, aproveitamos para entrevistá-la. Neste último Informativo de 2011, compartilhamos com vocês esta conversa na qual Ana Carla discorre sobre os conceitos de economia da cultura e economia criativa e defende a importância da economia para o desenvolvimento de políticas públicas. Segundo ela, o trabalho deve ser compartido entre várias pastas, além da Cultura.“Por mais fôlego e por mais capacidade de trabalho que uma Secretaria de Estado possa ter, independentemente de qual seja, não há como fazer nada em economia criativa que não seja de forma articulada. Porque criatividade por si só não se transforma em inovação. A gente precisa de criatividade e conhecimento, você tem que envolver necessariamente a Educação, a Ciência e Tecnologia, o Turismo”, garante.Para saber mais, Ana Carla disponibiliza artigos sobre o tema e materiais como o relatório 2008 da Unctad sobre Economia Criativa em seu site.

Diretoria de Economia da Cultura – Existe diferença entre o conceito de economia criativa e de economia da cultura?

Ana Carla Fonseca Reis – Economia da cultura é a utilização metodológica dos instrumentos e do aprendizado da economia a favor da cultura. O que significa que se trabalha a  cultura de forma diferente do ponto de vista antropológico, por exemplo. É claro que existem várias manifestações e expressões culturais que efetivamente acabam não tendo impacto no mercado. O que a economia da cultura faz é colocar a favor da cultura todo o instrumental teórico da primeira para que, uma vez definido o que queremos de uma política de cultura, encontremos o melhor caminho para chegar lá. O que sobra disso é que se a gente não tiver uma política cultural bastante clara, não adianta nada falar em economia da cultura. A economia da cultura não diz como a política será, mas sim como melhor tratar determinada política.A economia da cultura é uma ciência, inclusive reconhecida como disciplina dentro da economia desde a década de 60. No Brasil, o termo chegou em 2003. Já o conceito de economia criativa existe no mundo desde meados da década de 90 com uma concepção de ampliação da economia da cultura. Porque assim como em meados do século passado houve todo uma discussão sobre o que é cultura, o que é a indústria cultural… hoje superamos essa discussão. Por exemplo, tem alguns setores que se adicionam ao que a gente entendia como economia da cultura stricto sensu e trazem um questionamento do que se entende pelo termo. A moda, o design, a propaganda, a arquitetura. Para alguns é cultura, para outros são setores criativos. O que me parece é que a gente está em uma discussão muito mais tangencial do que na lógica da economia criativa

.DEC – E o que então surge como lógica da economia criativa?

Ana Carla – As indústrias criativas foram muitos trabalhadas e propostas como conceito em 1997, quando Tony Blair foi eleito primeiro ministro do Reino Unido. Ele tinha uma abordagem de revisão econômica que recuperasse a competitividade do Reino Unido bebendo da fonte do que seria diferenciado no país. A preocupação dele foi recuperar um pouco a imagem da época dos Beatles, do que era bacana naquele período. Foi feita uma espécie de força tarefa reunindo todos os espaços públicos, as políticas públicas e os setores privados, na qual também entraram grandes grupos de comunicação. Essa espécie de comissão se reuniu umas tantas vezes e definiu quais eram os setores mais promissores, baseados em diversos dados e pesquisas também. Elencaram 13 setores que foram nomeados de indústrias criativas.Uma coisa importante é entender que indústria é um setor. Então as indústrias criativas foram vistas como as mais interessantes no país. Quando, no Reino Unido, começaram a levantar estatísticas, eles logo perceberam uma série de pontos que chamariam a atenção de outros países, como a representatividade do setor no PIB do país, a geração de empregos, o crescimento da economia. Em função disso, quando essas estatísticas foram reveladas em 1998, um grande grupo de países resolveu debater a questão, inclusive o Brasil.E daí o que ocorreu em meados da década passada foi que o conceito de industria criativa evoluiu para o conceito de economia criativa, uma mudança de olhar do que antes era setorial para algo amplo sobre toda a economia. A moda por exemplo, quando a gente pega toda a cadeia produtiva percebe que a inovação impacta toda a produtividade. Ela perpassa desde a competitividade têxtil até a produção de algodão. Quando a moda é ousada, criativa e de ponta, ela exige que toda a cadeia também o seja. O parque têxtil tem que correr atrás de inovação e vai demandar o mesmo do setor algodoeiro e assim por diante. Você tem um efeito colateral em toda cadeia que vai muito além da indústria em si.Há uma série de estudos que mostram como a gente consegue agregar complexidade na economia como um todo com base em setores específicos. Ou seja, pensar o artesanato, as artes visuais, a moda, cada um desse setores que estão relacionados à cultura não apenas pelo valor cultural que trazem (os valores intangíveis, a diversidade, as principais facetas da história), mas também pelo impacto econômico que proporcionam. E, por fim, a possibilidade que eles trazem de gerar na cidade um ambiente voltado para a criatividade e, como isso, impactar de novo no todo. Esses setores podem fazer as nossas cidades mais criativas, os nossos lugares mais bacanas, inspirando a sociedade e a economia cultural ao mesmo tempo.Agora, o conceito de economia criativa não significa necessariamente que estamos falando de uma economia sustentável ou solidária, isso depende do que a gente faz com ela. Porque dentro da economia como um todo estão os grandes estúdios de Hollywood, os grande conglomerados que controlam a música, 70% da produção musical do mundo está na mão de quatro empresas e tudo isso faz parte da economia criativa. O nosso grande desafio agora é entender como a gente pode se apropriar desse conceito e, a partir dele, pensar em avanços para a cultura.Reunir o olhar do Desenvolvimento, da Ciência e Tecnologia, da Educação, e ter a Cultura capitaneando isso. Então, por fim, tem diferença entre economia da cultura e economia criativa? Ao meu ver, a economia criativa é um conceito que abrange a economia da cultura e mais alguns setores que antes alguns davam uma torcida de nariz e diziam que não era cultura. Existe toda uma consideração que pode ser feita sobre o tema, se é economia ou se é cultura, se é isso ou aquilo.

DEC – E como fazer a roda da economia da cultura girar, ou seja, quais são todos os atores envolvidos para que se avance?

Ana Carla – Posso falar pela experiência que eu tenho por trabalhar com alguns estados como Rio de Janeiro, Pernambuco e São Paulo. Por mais fôlego e por mais capacidade de trabalho que uma Secretaria de Estado possa ter, independentemente de qual seja, não há como fazer nada em economia criativa que não seja de forma articulada. Porque criatividade por si só não se transforma em inovação. A gente precisa de criatividade e conhecimento, você tem que envolver necessariamente a Educação, a Ciência e Tecnologia, o Turismo. E isso se estamos falando de cidades como Porto Alegre, ou como Gramado ou São José do Norte, não importa a escala.Outro exemplo, que cabe ao governo federal, são as cooperações internacionais. Não há como desenvolver uma pauta de economia criativa sem tais cooperações. Há toda promoção da imagem do país por meio da cultura. Só para dar uma idéia, até 2002 o Ministério das Relações Exteriores fazia um levantamento dos setores que mais geravam matérias positivas para o país, portanto contribuindo para a sua imagem. E o setor que mais contribuía era a cultura. 77% das matérias que saíam sobre cultura brasileira eram positivas, 20% eram neutras e apenas 3% eram negativas. O segundo setor era o esporte, mas mesmo o esporte gerava 16% de matérias negativas.A cultura tem um potencial enorme. Não só para o nosso ufanismo, ou para o sorriso que a gente recebe quando viaja ao exterior. Mas para quando a gente pega uma concorrência internacional de aviação, por exemplo, entre vários países. A decisão do país de comprar um avião ou outro depende não apenas das características técnicas e comerciais, mas também do peso político que aquela região tem. Como é que eu vou justificar para a minha população que contribui e paga por aquela aeronave que vou comprar um avião brasileiro se o Brasil é o país do jeitinho, do bacana mas nada sério? Então que tipo de arrojo e inovação que a nossa cultura consegue transmitir lá fora?No âmbito do estado, acho que essas três pastas devem trabalhar junto com a Cultura: Educação, Turismo e Ciência e Tecnologia. Talvez com o Desenvolvimento também, é interessante que a Cultura também esteja aí. Porque se estamos falando em política de desenvolvimento, a cultura precisa estar junto. E é preciso envolver o privado, porque estamos falando em economia e mercado. Sem estes atores, corremos o risco de remar, remar e não chegar a lugar nenhum.Estamos vivendo um momento de preparação no Brasil para isso. O SESI nacional, por exemplo, está fomentando este debate. É importante que se entenda as oportunidades de negócios para as empresas no setor cultural. E aí a gente não está falando de patrocínio, de mecenato, de investimento do setor privado, a gente está falando de cultura. Por que isso é importante? Toda vez que existe um programa, por mais robusto e sério que seja, quando acontece um corte severo de orçamento pode ter certeza que será na cultura. É uma pena porque uma das grandes oportunidades que a gente tem para o envolvimento do setor privado é a identificação de gargalos nas cadeias culturais e o entendimento de que onde há um gargalo, há uma oportunidade melhor.Por exemplo, a Avon de uns anos pra cá começou a incluir livros em seus catálogos de vendas. E o que eles perceberam? Que nem todo município brasileiro tem biblioteca, ou livrarias, que os livros quando chegam são caros, que a pessoa quando tenta comprar ainda tem que pagar o envio do correio. E eles possuem uma grande rede de distribuição pronta. Segundo os últimos dados, de 2010, eles venderam 490 mil livros em um único mês e hoje oferecem um média de 30 livros em catálogo. Nós temos uma baixa valorização social do livro no Brasil. Por que estudar, ler se não vale a pena? Mas você imagina o impacto para a criança que vê a mãe vender Avon de porta em porta perceber que é o livro que garante comida para a casa, o livro que compra o presentinho de Natal. O livro deixa de ser aquela obrigação da escola e passa a ser uma coisa valorizada inclusive porque ajuda o bolso da família. Como essa, existem inúmeras outras oportunidades.O fato do MinC ter criado uma Secretaria de Economia Criativa, para alguém como eu que trabalha com isso há mais de dez anos, é um enorme alento. Aqui no Rio Grande do Sul também, com esta nova Diretoria. Porque dá uma institucionalidade a estas questões. Acho que é uma grande oportunidade de diálogo.

DEC – Uma das grandes preocupações do setor é justamente com dados sobre economia da cultura. O país está começando a estruturas este tipo de pesquisa?

Ana Carla – O Brasil tem uma carência absurda de dados culturais. O último dado que a gente tem divulgado pelo governo federal é de 2005. Acho que o MinC nas últimas gestões tem feito uma série de avanços nesse sentido, mas o próprio Ministério avalia que a falta de dados é uma fraqueza na hora de discutir política pública. A gente não tem levantamento de dados pra isso. Quando a gente chega com dados de 2005 para o debate é como chegar ao médico com um hemograma de sete anos atrás. A primeira lição de casa é levantar dados. Sem eles, fica difícil até para avaliar avanços e conquistas.Uma iniciativa interessante e aglutinadora neste sentido acontece em Barcelona com o Conselho de Serviços Compartilhados. Neste lugar, você junta vários empreendimentos criativos e oferece um serviço no qual trabalham um advogado, um contador, tudo aquilo que é necessário para o empreendedor criativo abrir um negócio. É uma iniciativa barata que resolve a vida de quem está na ponta. Isso dá robustez a um programa e vira uma mola propulsora que reúne outras secretarias como a Indústria e Comércio, a Ciência e Tecnologia, entre outras.

DEC – Um de seus últimos livros aborda o conceito de cidades criativas. O que define uma cidade criativa?Ana

Carla – O conceito de cidade criativa é ainda mais novo do que o de indústria criativa. A minha tese de doutorado é sobre esse conceito. Então há cerca de um ano e meio lancei um livro que se chama Creative Cities Perspectives (disponível na íntegra para download em pdf). O texto fala sobre cidades em 13 países e reúne artigos de várias pessoas. O que a gente percebe é que independente da escala, do conceito ou da história, existem três características que estão sempre presentes em uma cidade que se propõe ser criativa. Primeiro é a cultura, a segunda é a inovação. Inovação como estado permanente de encontrar soluções, aquela capacidade de olhar para as coisas de forma diferente. A terceira característica são as conexões. Conexões entre áreas da cidade, entre o público e o privado, entre o institucional e o comercial, entre a cidade e o resto do mundo. Eu elenquei pelo menos dez conexões que podem ser executadas no contexto urbano. E, via de regra, as cidades criativas são cidades que têm muita cultura e muita inovação, mas que ainda carecem de conexões. O conceito de cidade criativa para funcionar no Brasil tem que pensar na valorização das conexões. Tem que valorizar o local, onde as pessoas se apropriem da sua cidade, é um processo de construção. A cidade não é terra de ninguém, é terra de todos.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.