Mergging XX– Empreendorismo social e problemas complexos VI

Verificamos nos postais anteriores que o empreendorismo social no âmbito duma economia sustentável (ou se quisermos verde) é uma ação de intervenção na complexidade. É certo que o seu quadro de intervenção poderá ser mais ou menos complexo, dependendo das variáveis em que se encontra e com que se confronta. A extensão do empreendorismo social pode ter diferentes graus de efeito na transição. Há todavia uma questão que distingue o empreendorismo social dos empreendorismo yupee dos anos oitenta. Por um lado a consciência da necessidade da transição, a consciência da necessidade de colaboração, e a sempre necessária vontade de agir.

Vale a pena avançar um pouco mais na questão do empreendedorismo. O livre câmbio está intimamente associado ao espirito da liberdade. O empreendedor é um herói, que em liberdade, atua para o bem da sociedade. Max Weber retrata bem esta questão no espírito do capitalismo. Podemos dizer que a liberdade é na economia o “centro da cultura ocidental do capital”.

Um empreendedor em economia é alguém que forma uma empresa a assume os ruiscos e os benefícios do empreendimento. O sucesso da ideia depende de múltiplos factores, do mercado. Fatores que podem ser pré-existentes, induzidos ou simplesmente resultarem duma inovação tecnológica.

A diferença no empreendedor social é que, para alem de assumir o risco e os benefícios do seu ato, o objeto da sua atividade envolve uma responsabilidade social. Um compromisso com qualquer coisa que diz respeito a todos.

Em tese o sucesso dum produto depende da sua necessidade do mercado. Sabemos que essa necessidade pode ser induzida pelas empresas. A especulação financeira, por exemplo induz necessidades de consumo. A questão é que essas necessidades não partem da relação de equilíbrio entre o social e o ambiente, mas sim apenas das necessidades do próprio capital. O empreendedor na economia social, não se centra apenas nas necessidades do seu capital, mas também nas necessidades sociais e da natureza. Através desse compromisso procura um equilíbrio virtuoso entre os três elementos da equação.

A lógica da economia verde é a de adicionar valor à empresa, adicionando valor à sociedade, no âmbito dos limites da natureza. Implica a economia verde avançar para a sustentabilidade através de práticas responsáveis que contribuam para a valorização das comunidades. Um tema que se insere na necessidade da trabalhar a inclusão social.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.