Mergging XVI – Wicked Problems II

Um Problema Controverso ou “Wicked Problem” é, como já ontem escrevemos, um problema social ou cultural que é difícil ou impossível de resolver. Hoje avançamos com os motivos.

  1. conhecimentos incompletos ou contraditórios;
  2. um número muito elevado de pessoas e opiniões envolvidas;
  3. um elevada custo económico;
  4. a natureza complexa e interrelacionada deste problema com outros problemas´

Um caso paradigmático deste tipo de problemas são as alterações climáticas, as fronteiras do planeta, ou o desenvolvimento sustentável, para ppricuramos assuntos da agenda mais mediática.

Por exemplo, a erradicação da pobreza, se bem que dependa, no imediato, da disponibilidade ou acesso a um determinado rendimento está relacionada, no seu contexto com a educação, com a nutrição com o estado de saúde da comunidade, com a economia local, etc.

Estas questões estão normalmente reservadas aos decisores políticos, representantes com legitimidade para resolver ou minorar este tipo de questões. Um elevado número de ocorrência na sociedade, como e o caso da fome, da pobreza, da educação, do trabalho, é exigido a intervenção de uma organização (o estado ou organizações semelhantes), para em nome e em representação dos visados tomar mediadas destinadas a solucionar o problema que preocupam as pessoas e as comunidades.

Horst Rittel, um designer, foi o primeiro a formalizar a resolução para este tipo de problemas ditos complexos (cabeludos no brasil). Rittel era um designer e propunha uma abordagem poética do problema: empatia, abdução e protipagem. Diz Rittel que há dez mandamentos para estes problemas:

  1. Problemas maus não têm formulação definitiva. O problema da pobreza no Texas é grosseiramente semelhante, mas discretamente diferente da pobreza em Nairobi, por isso não há características para descrever “pobreza”, fora dum quadro muito genérico (por exemplo o rendimentos de 1U$/dia).
  2. É difícil, talvez impossível, medir ou reivindicar os sucesso da resolução de problemas perversos. Um problema resolvido num lado implica problemas a montante ou jusante.
  3. Soluções para problemas perversos só podem ser bom ou maus. Não são verdadeiros ou falsos. Não há estado final idealizado para chegar a, e assim abordagens para problemas cabeludos devem propor formas de melhorar a situação em vez de procurar resolvê-lo.
  4. Não há nenhum modelo a seguir ao abordar um problema mau, embora a história pode fornecer um guia. As equipes que abordam problemas complexos devem fazer as coisas conjuntamente passo a passo, procurando soluções ajustadas a cada caso.
  5. Há sempre mais do que uma explicação para um problema complexo, com a adequação da explicação, dependendo em grande parte da perspectiva individual do descritor.
  6. Cada problema compexo é um sintoma de outro problema. A qualidade interligada de sistemas políticos socioeconómicos ilustra como, por exemplo, uma mudança na educação fará emergir um novo comportamento em nutrição.
  7. Nenhuma estratégia de mitigação para um problema mau tem um teste científico definitivo. Os seres humanos inventaram problemas complexos e a ciência existe para compreender os fenómenos naturais.
  8. Criar uma “solução” para um problema complexo é frequentemente um único tiro no escuro . Cada intervenção no espaço muda significativamente o cenário, o que minimiza a possibilidade de tentativa erro ou experimentação.
  9. Cada problema complexo é único.
  10. A atores a tentarem resolver um problema complexos devem ser totalmente responsável pelas suas ações.

Com base nessas dez características procura-se a solução de problemas complexos. Nem todos são necessariamente maus. Apenas os que não tem uma escala clara serão impossíveis de resolver

Os problemas sociais como a desigualdade, a instabilidade política, a morte, a doença, a fome-são complexos e controversos. Eles não podem ser “fixos”. Maspodem ser minorados através da ação através da redução das trajectórias ou tendência negativas e do incentivo aos efeitos positivos ou em direcções novas ou desejáveis.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.