Excessos XVIII – Ectasy

Nos anos 90 uma nova droga, sintética, invadiu as noites da cidade. Trata-se de uma mistura feita em laboratório que causava euforia, uma sensação de bem-estar e a alterações da percepção sensorial. Facilitando a sociabilidade, tnha um inconveniente, que era a impossibilidade de mistura com o álcool. Por essa razão os seus consumidores, quase sempre apreciadores da batida tecno, andavam sempre com uma garrafa de água, para combater a secura da boca.

A metilenodioximetanfetamina (MDMA), da família das anfetamina tinha vários efeitos. Um deles era a sensação do êxtase que arrebatava as noites, por vezes até bem dentro das madrugadas.

Ao nível dos efeitos cerebrais o ectasy produzia uma diminuição da absorção da serotonina, dopamina e noradrenalina no cérebro, facilitando o contato entre as sinapses, produzindo a sensação do êxtase ou uma dimensão do excesso.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2015, 17 Outubro). Excessos XVIII – Ectasy. Global Heritages. Recuperado em 26 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2vm

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.