Excessos XII O tempo e a alma

Na génese da literatura portuguesa assumem-se duas heranças. A épica e a poética. Talvez Camões em “Os Lusíadas” seja o melhor exemplo dessa síntese.

Uma herança clássica, pela via erudita, estudada sem dúvida em Coimbra, vivida em amores arrebatados nas margens do Mondego.

Será Camões apenas um “clássico”. Qual lugar a herança vernácula na poética camoniana?

Qual o lugar do arrebatamento da alma face aos esconsos do instinto?

Como explicar o tempo da tensão entre os instintos e o desejo do êxtase e a sua relação com os objetos.

Procurando na poética popular dos jograis

Em Lixboa sobre lo mar

barcas novas mandei lavrar,

ay mia senhor velida!

 

Em Lisboa sobre lo lez

barcas novas mandei fazer,

ay mia senhor velida!

 

Barcas novas mandei lavrar

e no mar as mandei deitar,

ay mia senhor velida!

 

Barcas novas mandei fazer

e no mar as mandei meter,

ay mia senhor velida!

João Zorro jogral Sec. XIV

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.