Museologia, Emancipação Social e Revivificação

Ao fim duma tarde outonal, na Fábrica Braço de Prata, a oriente da cidade de Lisboa, o jornal Mundo Diplomático celebra a sua edição nº 100, em língua portuguesa. Editado pela cooperativa Outro Modo, com uma periodicidade mensal, traz-nos uma leitura crítica do mundo e da situação portuguesa. Alinhado à esquerda o jornal não deixa de apresenta alguma leituras sugestivas.

Neste último numero, de setembro, um artigo sobre a nova bula do Papa Francisco “Laudato Si”, que tem passado despercebida em Portugal. Valerá a pena estar atento a esta Encíclica, pois, com a sua visão evangélica construída a partir do sul,  tem todas as características para congregar em seu torno importantes movimentos sociais. Já aqui dei algumas notas sobre isso.

Mas voltando à questão da festa da celebração, foi previsto a pintura dum mural. Foi isso que me levou até lá.

Aqui estão algumas imagens de sequência da sua execução

WP_20150917_19_16_34_ProWP_20150917_19_45_48_ProWP_20150917_20_00_54_ProCom a sua ingenuidade, as bombas de euros a caíram nas bocas vorazes dos capitalistas, numa metáfora à autofagia do capitaismo, insere-se na linha programática da revista.

O problema não é agora discutir o conteúdo da mensagem, mas sim sobre a sua forma:

Problema: Constituirá a pintura mural um ato emancipatório ?

Se assim for, que características de linguagem apresenta. quem são os seus atores, que performances executam. Tudo elementos interessante, mas que apenas responderão a uma parte do problema.

A parte mais relevante será saber se a acção (da pichagem) pode calssificar-se como um ato emancipatório. Um gesto de afirmação da liberdade em contexto urbano. Um grito que afirma uma leitura do mundo através dum ato performativo. Se assim for, a sua leitura não poderá ser exclusivamente feita pela racionalidade. Ela deverá partir da análise imagética para procurar entender a ação. O ato afirmativo da sua execução, e o seu tempo efémero de vida nas paredes.

Será pois um gesto de revivificação. 

Que desafio para a museologia ? O de conservar ou o de facilitar a emancipação social ?

A questão retoma a polémica em torno da Revista Análise Social que, em 2014, o seu número 212,  foi alvo duma tentativa de censura.

Voltaremos a esta questão.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.