Objetivismo, Subjetivismo e Intersubjetividade

Epistemologia

Episteme é palavra que surge em Platão como a busca do conhecimento verdadeiro. A epistemologia afirma-se na filosofia no século XIX, como procedimento do conhecimento. Questões como a natureza do conhecimento, as etapas do conhecimento, as hipóteses,  limites e alcance do conhecimento científico, são o objeto da epistemologia. No estudo do processo assume especial relevância os procedimentos metodológicos. A metodologia assume um campo de convergência com a epistemologia, porque se preocupa, na investigação com o espaço de análise das condições e dos limites  dos instrumentos de análise dos fenómenos e da linguagem usada na investigação.

Os principais referenciais epistemológicos constituem-se em termos da objetividade (positivismo) e da subjetividade (relatividade). Nós propomos ultrapassar esse impasse metodológico, pela intersubjetividade, o que temo vindo a trabalhar a parti da hipótese de neurociencia social.

Todo o conhecimento fundamenta-se num paradigma. O lugar de enunciação é o paradigma segundo Thomas Kuhn em “A Revolução Essencial”  (Khun, 1970) indica algumas variáveis dos paradigma: Ele baseia-se na a constelação de crenças, valores, técnicas etc…, partilhadas pelos membros de uma determinas comunidade e, durante algum tempo dá resposta a problemas socialmente relevantes numa comunidade científica. A produção científica, no âmbito dum determinado paradigma, constitui-se como um modelo de procedimentos. A aprendizagem e a investigação científica implica a aprendizagem prévia do modelo e das técnicas inerentes a esse paradigma.

A ciência baseia-se  explica fenómenos (eventos observáveis relevantes para o tempo). O fenómeno constitui-se assim como uma experiência do mundo. Uma experiência individual, socialmente partilhada, num dado espaço e num dado tempo. Há assim, na filosofia um sujeito, que observa e um objecto que é observado.  A relação entre o sujeito e o objeto constitui o centro do debate epistemológico. As condições de observação, a posição do observador, a definição do que é observado são questões que determinam o que a ciência produz.

Ora se a alteração ou a mudança dum paradigma implica a mudança da visão do mundo, do lugar de enunciação, vejamos rapidamente o que podemos considerar a partir dos dois lugares “clássicos” de enunciação : A objetividade e a subjetividede que são tembém eles construções determinadas pelo paradigma que os constituem.

O Objetivismo ou o positivismo

O conhecimento objetivo é, para o senso comum, um conhecimento preciso, indubitável. como tal contem uma verdade não questionável. O conhecimento científico é objetivo porque define que, em determinadas circunstâncias (condições) um determinado fenómeno acontece. A ciência estabelece uma relação entre causa e efeito e define uma lei (científica). Um conhecimento objetivo é uma teoria sobre o mundo. Algo que não depende do sujeito que observa, que é independente dele, mas que este (o sujeito) pode aprender.

No conhecimento obejtivo o fenómeno é independente da experiência subjetiva do sujeito. trata-se dum paradigma é que a verdade é construída sobre o objeto e é independente da experiência do sujeito. Daí a importância da prova. Da possibilidade que qualquer sujeito, em condições iguais, reproduzir o fenómeno. Se todos o observam, ele é naturalmente verdadeiro. A importância da metodologia emerge desta necessidade de descrever o procedimento. A metodologia descreve o processo de obtenção de resultados e a forma como são analisados (interpretados).

A metodologia assegura a objetividade do conhecimento e permite atingir a verdade.

A ciência natural é a produção deste conhecimento objetivo. São processos de conhecimento exacto, que se centram sobre objetos claramente delimitados.

Se na análise da natureza o conhecimento objetivo demonstra a sua relevância, na analise do indivíduo e da sociedade, a questão é mais controversa. O positivismo (a obtenção do conhecimento positivo, verdadeiro), o empirismo e o materialismos são filosofias que procuraram fundamentar as condições do conhecimento objetivo sobre o indivíduo e a sociedade.

O empirismo fundamenta-se nos trabalhos de David Hume. O conhecimento depende a experiencia humana. O mundo objetivo existe independentemente da sua cognição. A mente humana experiência  os fenómenos e cria uma explicação ou compreensão sobre algo que independente de si e autónoma.

A mente, no seu confronto com o real, fragmenta para simplificar, classifica por agregação de semelhanças, estabelece leis para o compreender (dominar). As ciências fragmentam o mundo, procurando explica-lo a partir dos seus lugares de enunciação. O mundo não é conhecido como um todo, mas é explicado através das suas partes. O total é apenas uma suposição da razão que não pode ser comprovado pela experiência.

O limite da ciência é a sua objetividade. Apenas é ciência o que se pode desvendar, descobrir. O mundo real da ciência é um mundo objeto, independente de que observa. é um mundo que pode ser experimentado. A ciência objetiva é uma ciência que pode ser experimentada e o seu método é o método experimental.

A crítica ao objetivismo releva que este é um limite deste paradigma. Ele limita-se a observar o que pode ser observado pela experiência do mundo, e as metodologias que cria não são mias do que instrumentos que ampliam e filtram o que é observado. Na maioria dos casos baseiam-se na sua observação. O empirismo nega a verdade apriorísitca do racionalismo cartesiano. A verdade é sempre algo que só acontece após a observação e não algo que pré-exista no ser humano.

O positivismo, baseado nos trabalho de Agusto Comte, vem avançar no fundamento desta ciência que se dedica a dominar e a organizar a natureza. O projeto da ciência positiva é permitr estabelecer o processo de como é possível atingir um conhecimento  exato e objetivo  do homem como um ser social, através da referência das ciências exatas e dos métodos das ciências experimentais. A criação da sociologia traduz este projeto comtiano de produzir um conhecimento científico, objetivo (em oposição ao subjetivismo)   com base em métodos quantitativos (a medição exacta em ciência natural).

O positivismo cria uma importante herança no século XX. Ele vai progressivamente incoporar as tradicionais formas de conhecimento, até aí conhecidas como humanidades, procurando que elas incorporem os métodos do conhecimento positivo. A linguagem passa a ser estudada como uma ciência, a história proclama a sua aspiração a um estatuto de ciência, em oposição à história crónica e narrativa. Até a filosofia se propõe a constitui como uma ciência.

A ciência positiva ampliou durante todo o século XX o seu campo de intervenção, continuando, a sua metodologia a ser usada com eficácia em muitos campos da actividade humana. A educação torna-se é uma ciência, a gestão, a educação física. Mais recentemente a arte procura ser explicada na sua relação com a ciência, numa incessante busca de alargamento dos seus limites.

Subjetivismo ou o relativismo

O subjetivo, no senso comum, é referenciado como alguma coisa que não é muito precisa. Algo que está indenido ou que pertence ao mundo das ideias, que não pode ser comprovado. Algo que não se fundamenta no mundo real, que não é conhecimento científico.

A subjetividade, como teoria, parte da relevância do pensamento do sujeito sobre a sua experiência no mundo. A experiencia do mundo só é acessível através da consciência que o sujeito elabora. A consciência, a intenção e a ação são campos do pensamento subjetivo.

Trata-se dum paradigma de conhecimento em que a relação entre sujeito e objeto depende da experiência do sujeito. O sujeito é o centro dao conhecimento científico. A ciência não só depende o sujeito, como também é para ele que é construída. O paradigma subjetivista centra-se na experiencia do sujeito, releva as suas intruições, procurando explicar as condições em que o mundo é experimentado. Reconhece, explicitamente, que o lugar de observação e os instrumentos de observação, influenciam a sua experiência e fazem parte dela.

A produção de comunicação ou a produção de símbolos são instrumentos que explicam os fenómenos. A procura a relevância e verdade do paradigma depende a adesão dos diferentes sujeitos. A verdade torna-se relativa, assim como a fundamentação da relavância.

Ao contrário do modelo objetivista, onde o procedimento metodológico se afirma como essencial na fundamentação da verdade, no paradigma da subjetividade, a metodologia torna-se num instrumento de trabalho, assumindo por vezes formas qualitativas. No paradigma subjetivo o conhecimento é sempre único, não se procurando estabelecer as regras (leis) da sua verificação. Diferentes olhares a partir de diferentes posições são diferentes resultados. E os olhares são sempre de lugares distintos. Por isso o conhecimento produzido é um conhecimento relativo.

No seu extremo o conhecimento subjetivo é sempre a produção dum conhecimento único, que depende do sujeito de conhece.

Várias correntes de pensamento permitem alicercar o paradigma subjetivista, com diferentes afirmações ao longo do tempo, tais como o inatismo, o apriorismo, o idealismo e racionalismo.

O inatismo que se afirma desde Platão, afirma a condição intata da ideia. Ao contrário do empirismo que afirma que a mente é, sem experiência, uma espaço vazio,  o inmatismo defende que existem ideias inatas ao homem. A mente humana, quando o bebé nasce, já contém ideias inatas que se vão complexificando ao longo da experiência de vida. As ideia relacionam-se com o real, aferindo-se através da experiência. O conhecimento é pois produzido no sujeito. Sócrates, nos diálogos de Platão apresenta a teoria da reminiscência, segundo a qual a “alma” quando nasce já contem algo que a experiência pode concretizar.

A maiêutica socrática, ou o processo de questionamento como método de ensino, concretiza esta ideia de que é  o sujeito que tudo se encontra, e que é a partir dele que tudo se reconstrói. A verdade não pode ser ensinada, apenas pode ser acedida pela experiência individual.

Não é aqui o lugar de explanar a maiéutica, mas vele a pena saliente aqui o princípio da “alma” como algo que pré-existe, que pode ser melhorada como experiência de auto-conhecimento. O mestre, ou o cientista não é mais do que alguém que ajuda a fazer perguntas e criar dúvidas, que são resolvidas pela experiencia.

O modelo apriorístico tem por base a ideia que o conhecimento existe antes da experiência. O confronto com o real mais não faz do que facilitar o acesso da consciência à ideia. A conhecimento não depende assim da relação entre o sujeito com o objeto de conhecimento. Ele poderá ser acedido pela reflexão e é independente a experiência. No modelo apriorístico não há relevância na metodologia, e é admissível que a criatividade de cada um crie um estilo próprio de descrever a realidade.

Apriorismo e inatismo são todavia diferentes. embora semelhantes como pertencentes a um paradigma subjetivista, diferem nas possibilidades de conhecimento do sujeito. No inatismo, o conhecimento não é acedido pela experiência social, em meio cultural. No inativismo o conhecimento é independente do meio cultural, ou este não assume relevãncia. No modelo apriorístico é a relação cultural que fundamenta a descoberta de si dos sujeitos.

Em relação ao idealismo também podemos estabelecer uma oposição com o realismo. Os dois modelo ontológicos de descoberta da verdade do ser: O realismo de Aristóteles e a doutrina filosófica de Platão, opõem-se como paradigmas obejtivistas ou subjetivistas. O idealismo está muito associada ao platonismo, onde a realidade é algo exterior ao ser. Um espírito ao qual não podemos aceder senão por descoberta. Descortinar no meio de sombras. A realidade é asim incompleta, que se acede pela intuição. A realidade é no entanto perfeita, pura. A matriz é complexa, por isso se vai acedendo por processos ou etapas, onde em cada uma se reencontram as reminiscências .

Finalmente o racionalismo, a mais conhecida das formas de pensar o conhecimento, que de desenvolve a partir de Descartes, é conhecido pelo racionalismo cartesiano, afirma que a razão é o processo de explicação da realidade. O pensamento lógico é o seu instrumento. A investigação científica produz um pensamento lógico. A verdade é a consequência do rigor formal do pensamento, puro que ultrapassa os dados imediatos oferecidos pelos sentidos e pela experiência sensorial.

O trabalho de Descartes é completado por outros filósofos, como por exemplo Kant e Hegel. Kant, que também establece pontes com o idealismo, considera que o sentido e a inteligibilidade de um objeto de conhecimento dependente do sujeito que o compreende. O que torna a realidade cognoscível  e carente de auto-suficiência. a realidade pode ser reduzida a formas ideais que caracterizam a subjetividade humana. A consciência só se compreende a sí própria, no interior da sua própria arquitetura, não conseguindo ir para além dela. Contudo, através da experiência prática, o ser (a consciência) pode transcender-se a si mesma e atingir um novo estádio de conhecimento.

O subjetivismo ou o relativismo constitui um paradigma de conhecimento que se fundamente numa lógica sobre o real. Criar, racionalizar o mundo real, com a consciência de que a construção da verdade depende da posição do observador e o seu resultado depende do problema que esse observador coloca, limitado no seu espaço, no seu tempo, e no seu contexto cultural.

No seu desenvolvimento há uma consciência de que se tudo é relativo e tudo depende do observador, então tudo será verdade e igualmente relevante.

A intersubjetividade e a neurociência procuram avançar para a solução desta questão. Faremos isso mais para a frente, desenvolvendo o que temos vindo a trabalhar nas propostas que acima aprsentamos sobre a intersubjetividade

.



Citar este post
Pedro Pereira Leite (2015, 10 Setembro). Objetivismo, Subjetivismo e Intersubjetividade. Global Heritages. Recuperado em 29 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/p2ue

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

One thought on “Objetivismo, Subjetivismo e Intersubjetividade”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.