Centro de Interpretação Jardim da Gulbenkian

Com o nome Centro de Interpretação Gonçalo Ribeiro Telles / Museu Gulbenkian abriu o mais recente equipamento museológico neste complexo da Fundação Gulbenkian.

Costumo dizer aos alunos de museologia que este é o mais perfeito exemplo da ideia de Museu. O espaço junta o Museu, que alberga a rica colecção do fundador. Para alem desse espaço, imutável, existem espaços para exposições temporárias. A partir desse edifício acede-se  à Biblioteca de Arte, ao espaço de restauração e ao edifício Sede. Neste último, os diferentes auditórios (3) desenvolvem uma interessante programação. Durante alguns anos a Fundação teve uma orquestra própria e uma companhia de dança. Atualmente concentra-se em 5 areas de atuação: Artes, Educação, Ciência, Desenvolvimento e Iniciativas Globais. Ainda dispõe do Centro de Arte Moderna , também ele com espaço de exposições temporárias, serviços educativos, restauração e uma livraria. É neste complexo que agora se implementou o Jardim, onde também se encontra um auditório de ar livre, espaços de escultura.

Custumo defender  que isto é um museu, porque tudo o que aí se concretiza é a missão do museu. Não é certo que todos tenham esse entendimento, já para muitos o museu será apenas a coleção de objetos.

No entanto, na perspectiva da museologia, o que aqui é um museus não passa dum gabinete de curiosidades. Dum excelente gabinete de curiosidades, muito bem museografado, com excelentes profissionais. Nele podemos observar a técnica museográfica desenvolvida no século XX.

O museu como Centro Cultural, defendido por André Malraux, também aqui se encontra. O Centro de Arte Moderna, construído nos anos oitenta, para albergar a colecção de arte moderna , que entretando, Rui Mário Gonçalves ia aconselhando a comprar. Trata-se dum investimento. Esta fundação tem como suporte o legado empresarial do sue fundador, gerido através da Partex, empresa que atua na atividade energética.

Para alem dessa Centro Cultural, os eventos, as iniciativas a favor da comunidade constituem uma importante função social que todos reconhecem nesta instituição, sem que tovavia, nela se reconheça a função do museu.

Diríamos que se trata duma questão de nomes. Talvez sim. A Fundação Oriente e o seu museu também adoptam este modelo. Serralves, o Centro Cultural de Belém, A Fundação EDP /Museus de Eletricidade,  O Museu das Comunicações e a Fundação Portuguesa das Comunicações.

Um compromisso que tem por base um preconceito entre o que é o museu e a ação filantrópica: Museu é o que está parado nos objetos. Filantropia é o que fazem as fundações. Museu é tudo isso, defendo eu perante os alunos. Conservar sim, mas também construir acção.

E o Jardim. Pois também ele é um espaço de conservação. No passado os jardins botânicos faziam parte do Museu. No século XIX enraizaram-se no edificío e separaram-se da natureza. Hoje entendemos que fazem parte do mesmo espaço.

Também a Gulbenkian, o redescobriu. De espaço de lazer, muito bem feito, integra-se hoje num intenerário de descoberta. De redescoberta da natureza em espaço urbano, da sua sustentabilidade. Da ligação do eu ao mundo.

O espaço apresenta um lugar de restauração, e um pequeno nicho “tecnológico” onde através de multimédia se conta a história do jardim. Um multimédia interativo permite várias entradas para o temas. Do centro parte-se para a exploração do espaço.

WP_20150904_18_13_34_Pro WP_20150904_18_13_27_Pro WP_20150904_18_11_07_Pro WP_20150904_18_10_59_Pro WP_20150904_18_10_26_Pro WP_20150904_18_10_20_Pro WP_20150904_18_09_39_Pro WP_20150904_18_09_37_Pro WP_20150904_18_09_15_Pro WP_20150904_18_09_08_Pro WP_20150904_18_08_52_Pro WP_20150904_18_08_00_Pro WP_20150904_18_07_28_Pro WP_20150904_18_07_25_Pro WP_20150904_18_07_17_Pro WP_20150904_18_07_07_Pro WP_20150904_18_06_43_Pro WP_20150904_18_06_30_Pro WP_20150904_18_06_05_Pro WP_20150904_18_05_39_Pro

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.