Anthropologie de l´espace de Françoise Choay

choey

CHOAY, Françoise. Pour une anthropologie de l’espace. Paris: Seuil, 2006.

Les thuriféraires de la mondialisation, comme ses détracteurs, focalisent identiquement leurs analyses sur la collusion de l’économie et des nouveaux avatars, téléinformatiques, de la technique. Et, pour dresser leurs bilans ? positif ou négatif ?, ils scrutent et traquent identiquement les effets du processus dans les mêmes champs multiples et hétérogènes de l’écologie et du droit, de la psychologie et de la sexologie, de la linguistique et de la morale, de la politique et des arts figuratifs…

Mais dans cet inventaire borgésien, un domaine demeure, de part et d’autre, absent : celui de la spatialité, autrement dit, des modalités selon lesquelles les sociétés humaines construisent et vivent leur environnement spatial.

À l’issue d’une série d’articles, écrits au fil des vingt dernières années, sur les figures multiples de la spatialisation et de son histoire (architecture, urbanisme, aménagement, protection du patrimoine), Françoise Choay découvre progressivement un propre de l’homme, « la compétence d’édifier », et les enjeux majeurs dont cette compétence est dépositaire à l’heure de la mondialisation.

 

 

 

Françoise Choay já tem sido abordada em outros postais, nomeadamente na sua conferencia de 2006 “Património e Globalização” (universidade de Évroa) , “A Alegoria do Património” (dom Quixote, 2008) e “As questões do Património” (Dom Quixote, 2010). No Brasil foi tembem editado a “Regra e o Modelo”.

A antropologia do Espaço é um termo que também abordamos nas nossas aulas de “Urbanismo e Património”, sobretudo a partir dos trabalhos em Portugal de Filomena Silvano, publicado em resumo pela Celta em 1997, e reeimpresa em versão mais desenvolvida em 2010.filomenasilvano

Nesta sua “Antropologia do Espaço” Choay apresenta uma coletanea de textos publicados entre 1985 e 2005. São textos muito diversificados mas que mantêm uma actualidade na sua abordagem.

A prespectiva do espaço como feixe de possibilidades da ação humana e que são observáveis atravésa de  de edifícios singulares, da sua arquitetura,  das configurações da cidade e das formas urbanas, dos princípios e valores da conservação patrimonial,  do entendimento dos projetos políticos de da produção de símbolos ou icones do poder.  São todas elas formas de expressão duma ação humana sobre o espaço. Uma atividade que molda o espaço de acordo com a sua visão e necessidades, formando paisagens.

A arquitetura e o urbanismo gosta de nomear isso de unidades de paisagem, explorando uniformidades de configurações, sejam eleas patrimoniais ou de natureza.

O que interessa na questão do Choay é chamar a atenção que estas unidades tanto podem ser diacrónicas (configuração) ou diacrónicas ( patrimonais). O património representa os restos do passado que são conservados, refuncionalizados como projeto político.

Choay aborda as sua balizas políticas desde o séculos XV de Alberti ao século XXI do património mundial, num contexto de transformação tecnológica acentuada, de profunda renovação urbana.

A obra divide-se em 4 partes : História e Crítica, O Urbano, Património e Antropologia. Embora a autora escreva que essa é uma divisão arbitrária e que estes temas se cruzem ao longo dos artigos, o que parece relevar é a questão da antropologia.

A unidade da obra emerge na unidade conceptual da “antroplogia” onde Choay encontra uma função “antropogenética” do olhar sobre o espaço que justifica a ação.

Há uma critica à pratica celebratória do espaço na arquitetura e no planeamento urbano, que Choay acusa de incapacidade de compreensão. Segundo a autora estas disciplinas estaria reféns da concepção do lúdico e do valor comercial dos espaços públicos, impedindo de entender a natureza processual do espaço patrimonial.

A crítica à tecnica da arquitetura estende-se a a Le Corbusier e á produção do espaço moderno. Segundo Choay a função, na produção do espaço urbano está a sobrepor-se ao entendimento da morfologia. o que justifica a retórica sobre o espaço. A elevada polémica que o modernismo impôs sobre a discussão do espaço urbano, leva a que a função prevaleça sobre a forma, ainda que em alguns casos, esta justifica a função.

Trata-se duma questão que pode ser verificada a propósito da questão do novo Terreiro do Paço, em Lisboa, onde a função de cidade do Poder Pombalino, que legitima a apropriação do Estado sobre a cidade, foi agora substituída pela função lúdica e turística.

twerreirodopaco

 

 

 

 

 

 

Choay defende prefere alguns arquitetos mais esquecidos como  Ildefonso Cerdà,  , Gustavo Giovannoni, ou de Camillo Sitte, dando corpo à polémica entre tradição e modernidade.

Contra a tradição Le Corbusier defende a universalidade das necessidades do homem. ´A cidade deve ser vista como uma maquina “maquina de habitar”, “maquina de viver” onde as diferentes funções devem ser planeadas com o rigor da máquina e devem permitir que os fluxos de movimento fluem sem constrangimentos. A cidade não são pequenos edifícios orgânicos.  Mais tarde o organicismo será incorporado no planeamento, para justificar a renovação do tecido urbano, por analogia entre a cidade e os organismos vivos.

Choay é contra esta universalidade desumanizante, onde se perdem as identidades. Defende que é o património que acrescenta valor e diferencia.  Considera que as propostas modernistas se destinam a um homem abstrato, que apenas existe em estatísticas. O planeamento deve partir da unidade humana e compatibilizar os diferentes interesses, partindo do construído, para a sua regeneração.

Choay defende que a característica da arquitectura é o de produzir espaço, cidade, na qual a vontade política é constituitiva. construir cidade é muito mais do que uma técnica ou uma ciência.

É essa a razão que leva Choay a defender a abordagem antropológica do espaço, como uma forma de compreensão da dimensão humana dos projetos urbanos.  Espaços possibilidade em processo.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.