Max Winter – reporter do social

Max_Winter_1902
Max Winter disfarçado em 1902

Max Winter nasceu em Tárnok, na Hungria a  9 de janeiro de 1870 – e faleceu em Hollywood nos Estados Unidos a 11 de julho de 1937. Reporte  jornalista, escritor, e político austríaco, é considerado o criador da reportagem social em território de língua alemã.

A sua actividade como jornalista caracterizou-se por apresentar reportagens  ricas em detalhes que aproximavam à realidade sentida. Escrevia para revelar.

Com uma obra variada, de intervenção social também escreva poesia, contos, teatro, e romance, numa obra foi praticamente esquecida. Com uma intervenção social muito intensa na Áustria, nos primeiros trinta anos do século XX, refugia-se nos Estados Unidos, em 1934.

A sua obra é redescoberta nos anos 80 foi redescoberto pelo jornalismo de reportagem, sendo apresentado em vários manuais de jornalismo. A sua abordagem foi inovadora, tento na temática como nas metodologia e na estrutura formal da narrativa. As suas reportagens constituem um bom exemplo de história social e do quotidiano.

Concepção de Jornalismo e Método de Trabalho

Max Winter registrou suas noções de jornalismo numa série de artigos para o Chemnitzer Volksstime (Jornal A Voz do Povo de Chemnitz). Neles formulou três postulações centrais:

  • espaço suficiente para a reportagem,
  • tempo suficiente para pesquisa e
  • “coragem para uma apresentação apelativa dos eventos”.

Defende que os jornalistas “se intrometem em tudo, são curiosos por natureza e procuram satisfazer a curiosidade alheia, olham tudo com os próprios olhos, e aquilo que não conseguem decifrar por si próprios descobrem através de contactos, porém sem esquecer os interesses com os quais o interrogado aceita colaborar, e portanto adivinham a resposta, avaliam-na, utilizam-na. Jornalistas que não se apresentam como detentores da verdade , mas que se deixam guiar pelo que vêem, perguntam, observam e lêem, mas depois fazem seu próprio julgamento.” Conforme seu credo, “O ar mais poluente para o jornalista é o ar da redacção”, o repórter deve “nadar dia e noite na torrente dessa vida”, pois a vida deve ser vivida “nas ruas, nas fábricas e oficinas, nos restaurantes, nas casas e nos apartamentos, nos parques, nos ginásios de desporto, nas salas de audiência, nas esquadras, nos prontos-socorros, nos hospitais, nos abrigos para pobres e para órfãos, nas prisões, na vida pública.” “Ele deve sobretudo conhecer a cidade sobre a qual actua e descobrir todos seus segredos, inconsistências, injustiças, e toda a opressão existente, e uma vida inteira não será o suficiente para tanto.

Os Jornalistas devem fazer dos temas de suas reportagens verdadeiras sensações, mas diferente de revistas de fofocas, devem ser sensíveis ao social.”

Afinal de contas “as pessoas lêem o que as afecta directamente”.

Max Winter também acrescentou ao método clássico de jornalismo ao seu método da observação participante, aberta ou encoberta, e as entrevistas, dirigidas ou não dirigidas.

Por isso chamava suas reportagens com frequência de “estudos”,  “investigações” ou “viagens de inspecção”. Além da principal localidade de investigação, Viena, as reportagens levaram-no a lugares tensos, denunciando o autoritarismo e a prepotência, seja das polícias seja dos patrões. Visitou a cintura industrial de Steiermark, a indústria têxtil de Morávia-Silésia, os trabalhadores de fábricas da Boémia. Viajou pela Alemanha, Itália, França, Espanha e Inglaterra onde realizou diversas reportagens.

A sua análise rigorosa das fontes e a diversidade da metodologia de reportagem levaram-no a disfarçar-se e mudar de identidade. Através da sua situação encoberta efetuava análises não convencionais nos lugares que observava e sobre os quais escrevia a partir do lugar de enunciação.

Para as suas reportagens “Entre os rios Ser e Neise”, feita em 1900, passou 16 dias a caminhar, a visitar fábricas sem aviso prévio. Assim ele pode constatar as práticas das associações de empreendedores e trabalho precário, sem que esses estivessem alertado pelas autoridade de condições de trabalho na industria e assim mascarar os abusos mais graves.

Entre 1905 e 1908 ele realizou as reportagens “Os chupadores de sangue da Floresta Boémia”, onde compilou cartas de reclamação, artigos de arquivos, contractos de arrendamento, estudou textos legislativos, e entrevistou pessoas de confiança no local.  viajava normalmente a pé e muitos dos seus trabalhos foram publicados em jornais de trabalhadores.

Um de seus maiores sucessos foi a reportagem sobre “O Caso Hofrichter”, de 1910, onde revela os abusos e o despotismo dos militares, que na altura gerou uma grande polémica e levou à reforma da instituição. Na reportagem apresenta os desafios que enfrentou e o trabalho que deve, mostrando todo o trabalho jornalístico. Através dessa proximidade com o real e a descrição da atividade que efetuava, o seu trabalho ganhou credibilidade e respeito.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.